Livro: Niketche, Uma História de Poligamia

Livro da vez: Niketche: Uma História de Poligamia, de Paulina Chiziane.

Escolhi este livro pelas características da escritora: tendo lido poucos autores africanos e nenhuma mulher, estava na hora de tirar esse atraso. Eu esperava também, claro, aprender algo da cultura de Moçambique. O que eu não esperava era encontrar uma história tão devastadora contada com lirismo.

Rami descobre que seu marido, Tony, a está traindo com uma mulher chama Ju, mas Ju também está sendo traída, e sua sucessora também. Rami consegue congregar as quatro amantes e, tirando forças não se sabe de onde, produz dignidade a partir de uma situação indigna.

Durante a jornada de Rami, aprendi que há várias etnias em Moçambique, cada uma com seus costumes e visões sobre amor, família e a posição da mulher. Choquei-me com certas manifestações culturais e com o fato de ocorrerem ainda hoje. Espantei-me com o machismo de lá, mais cru e escancarado que o machismo nosso de cada dia. Entre as diferenças, encontrei as semelhanças: a insegurança, o medo e a subserviência que ainda subjugam tantas mulheres mundo afora, a busca pelo amor próprio, a luta pela autonomia, o desejo de ser alguém.

Niketche é um livro de luta e perseverança, como imagino que tenha sido a vida da autora: Paulina Chiziane foi a primeira mulher a publicar um romance em Moçambique, e isso outro dia, em 1990.

Indico para quem quer ampliar os horizontes literários e culturais.

Estrelinhas no caderno: 4 estrelas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.