Livros de Terror – Halloween 2022

Boo!

Morro de medo de histórias de terror, mas a @soterradaporlivros me convenceu a ler Hellraiser em outubro. Uma coisa levou a outra e acabei com uma listinha de livros em celebração ao halloween, que seria meu feriado preferido se eu morasse na metade de cima do mundo.

Hellraiser, de Clive Barker: terrorzão com um pé no gore e outro no sadomasoquismo. Frank é um vilão doentio, horrendo, mas os vilões de verdade são os cenobitas, que mal aparecem (não estou reclamando). Fiquei surpresa com a forte presença feminina. Felizmente é curto, eu não aguentaria ler um calhamaço dessa história. Quem curte o gênero provavelmente fica com gosto de quero-mais. 4 estrelas

Invasores de Corpos, de Jack Finney: vi o filme de 1956 (excelente) e o de 1978 (tão bizarro que é ótimo), então estava mais que na hora de ler a história original. Em uma cidadezinha dos EUA, algumas pessoas não são mais elas mesmas, segundo os parentes. O que parecia histeria coletiva acaba se revelando uma invasão alienígena. O livro é de 1955 e tem uns trechos bem machistas, mas é uma ótima ficção científica e tem um desfecho muito mais satisfatório que os filmes. 4 estrelas

O Vampiro, de John William Polidori: um jovem ingênuo conhece Lord Ruthven, um aristocrata misterioso, sedutor e estranhamente envolvido em mortes violentas… Esse conto merece ser lido por duas razões: primeiro, porque nasceu junto com Frankenstein, de Mary Shelley, naquele conhecido episódio de tédio durante chuvas torrenciais que levou a uma brincadeira entre amigos escritores; segundo, porque foi uma das inspirações de Bram Stoker para compor Drácula que, por sua vez, inspirou as histórias contemporâneas de vampiros. 3 estrelas

Carmilla: A Vampira de Karnstein, de Joseph Thomas Sheridan Le Fanu: li Carmilla em maio, mas merece ser citado aqui porque foi também foi uma das inspirações para o Drácula de Stoker. Carmilla é uma vampira sensual, provocativa, sedutora. O autor é quase explícito e creio que só se conteve por causa da época em que escreveu (e porque, se desse vazão às fantasias, seria pornô e não terror). Para mim, é uma história infinitamente melhor que Drácula. 5 estrelas

Filmes: os melhores de março de 2022

Vinte filmes em abril, na tentativa de ver todos os indicados ao Oscar antes da cerimônia. Vai daí que só vi filmes recentes este mês, nada de túnel do tempo dessa vez.

Identidade: esse não foi indicado ao Oscar, mas devia ter sido. Na Nova Iorque do fim dos anos 20, uma negra se passa por branca, mas se reconecta com o passado ao reencontrar uma amiga de sua outra vida. Atuações excelentes. 4 estrelas

Attica: o documentário relata a rebelião de 1971 na penitenciária de Attica. Todas as mortes decorrentes foram pelas mãos dos policiais e nenhum deles foi condenado. Sim, lembra bastante Carandiru, mas em proporções menores – o massacre no Brasil foi muito maior. 4 estrelas

Cyrano: história contada e recontada, mas com uma forte carga dramática nessa versão. Peter Dinklage provavelmente teria sido indicado ao Oscar se o filme não fosse um musical. 4 estrelas

Sem Tempo para Morrer: não botei fé no Daniel Craig quando ele foi escolhido para encarnar o 007 e paguei a língua – seus filmes viraram meus favoritos da saga. A despedida é em grande estilo, com as traquitanas tecnológicas que amamos, pouca objetificação feminina (essa nova fase é muito melhor nesse quesito) e uma dose bem-vinda de drama. 4 estrelas

Belfast: não era meu favorito ao Oscar de melhor filme (era Ataque de Cães), mas é muito bom. Kenneth Branagh mostra, pelos olhos da criança que ele foi, os primeiros momentos do conflito entre católicos e protestantes na Irlanda do Norte. 5 estrelas

O que será que vem pela frente?

Tem nem graça fazer uma retrospectiva de 2020, né?

Passei o carnaval na fronteira com a Venezuela a trabalho (e por escolha). Nós – eu e minha companheira de aventuras em Pacaraima – só ouvíamos tv no café-da-manhã do hotel, por falta de opção, e começou o papo do tal “novo coronavírus”. Lembro que comentamos uma com a outra “nossa, será que não está acontecendo mais nada no mundo?” e não demos maior atenção.

Corta pra 11 de março, eu e a Simone plenas no cinema em uma pré-estreia lotada (depois de um starbucks também lotado). Ah, a tranquilidade da ignorância… No fim de semana seguinte, eu e uma amiga reservávamos o último hotel de nossa viagem de férias para a África do Sul, que começaria em 5 de abril. Começaria, olha o tempo verbal, porque veio a pandemia e, com ela, o fim da normalidade e dos planos.

Tenho queixas e lamentações como qualquer pessoa (pelo menos qualquer pessoa sensata), mas também preciso reconhecer: em um nível pessoal, 2020 não foi ruim para mim.

Claro, planos foram por água abaixo, tive momentos de ansiedade, preocupação e até desespero, uma quantidade avassaladora de trabalho e chorei a morte de pessoas (famosas e anônimas). Tive minhas neuroses e paranoias. E quem não teve? Se você não teve, sinto informar que você não é normal.

No frigir dos ovos, porém, foi o seguinte: não perdi o emprego, não perdi ninguém da minha família próxima, não perdi a saúde física nem mental. Essa sucessão de “nãos”, ante o que aconteceu com tanta gente, me faz acrescentar mais um “não”: não posso reclamar.

Quero dizer, posso. Todos podemos. Claro que podemos, foi um ano dos infernos.

Mas… não posso reclamar, sabe? Não de verdade.

Li muitos livros (85), vi muitos filmes (100), vi exposições (antes da pandemia) e muitas peças (National Theatre, eu te amo), guardei dinheiro (mais do que eu planejava, já que não viajei), aprendi um tanto de coisas (sobre cinema, sobre sorvete, sobre café, sobre a vida, o universo e tudo mais).

Enfrentei desafios e saí do outro lado. Encomendei minhas primeiras lentes multifocais (ainda me sinto uma câmera tentando ajustar o foco automático) e serviram na armação que escolhi e comprei antes, imprudentemente. Comprei roupas que não sei quando vou usar e um chromecast que uso quase todos os dias. Descobri que não preciso de academia de ginástica e nunca me senti tão forte fisicamente.

Tive perdas, sim, mas podia ter sido pior, muito pior.

Planos para 2021? Não trabalhamos. Sei que não vou turistar (e sabe-se lá quando poderei), sei que vou ler muito e ver muitos filmes. Sei que vou melhorar na ioga, um tiquinho por dia. Quero retomar o lettering, o desenho e a aquarela, e já estou nesse rumo – nada como um pouco de arte por dia para manter a sanidade. Preciso colocar barreiras entre a rotina profissional e o restante da minha vida, e estou aprendendo.

Um dia de cada vez, um passo a cada dia, rumo a 2022.

Coisas Boas de Dezembro

A melhor coisa de dezembro foi que 2020 terminou – tudo bem que parece que estamos vivendo o segundo tempo de 2020, mas vamos em frente.

Livro favorito: foi um mês de ótimas leituras e fiz algumas resenhas no instagram. Dos livros 5 estrelas, destaco 2001 – Uma Odisseia no Espaço porque é espantosamente melhor que o filme! Do filme eu só curto mesmo o HAL. O livro de Clarke não é pretensioso como a direção de Kubrick, tem uma boa base científica, fornece explicações e faz tudo isso sem ser tedioso.

Filme favorito: vou ficar com O Discurso do Rei pela excelente atuação de Colin Firfh e pelo panorama histórico.

Série favorita: estou adorando o retorno de Grey’s Anatomy.

Bônus: 2020 acabou, quer bônus melhor que esse? Eu e as pessoas que amo estamos saudáveis, não tive perda de renda como tantas outras pessoas, tenho conseguido driblar o stress e a ansiedade de forma satisfatória. Tenho do que reclamar, claro (quem não tem, está morando debaixo de uma pedra), mas podia ser pior, tem sido pior pra inúmeras famílias, e por não ser esse o caso por aqui já fico contente.

Agora começa a contagem regressiva para a vacina…