Filmes favoritos em julho de 2022

Comecei a usar o Letterboxd, organizando os filmes vistos em listas separadas por meses e por serviços de streaming. Se quiser seguir, é lumonte. Vale lembrar que os filmes mudam de serviços de streaming e a forma mais fácil de pesquisar é usando o JustWatch (às vezes até lá está errado, mas ainda é a melhor opção).

Recentes

O Mauritano (2021): a história real de um sujeito que passou anos preso em Guatanamo, acusado de envolvimento com o atentado de 11/09. Bônus: Benny Cumberbatch.

Homem-Aranha: Sem Volta para Casa (2021): provavelmente o melhor filme do MCU. Divertido, dinâmico, sem longas e tediosas cenas de batalha. Valeu a pena ver os dois primeiros (que são bons, aliás) para chegar nele.

Escrevendo com Fogo (2021): documentário sobre mulheres dalit (intocáveis, a mais baixa casta indiana) que tocam um jornal local, superando preconceitos e ganhando cada vez mais relevância. O pano de fundo é a ascensão supostamente democrática de um governo fundamentalista.

Medida Provisória (2020): me lembrou O Conto da Aia e a Margaret Atwood falando que não inventou nada do que está naquele livro. Bem conduzido, tenso e assustador porque não apresenta um realidade impossível.

Marjorie Prime (2017): para ajudar Marjorie a superar o luto, um holograma atua como se fosse o marido recentemente falecido. Ficção científica sobre morte, memória e família.

Direto do Túnel do Tempo

Paris, Texas (1984): Wenders (que depois dirigiu Asas do Desejo) usa cores vivas que me fizeram pensar em Bergman e planos abertos que lembram Sergio Leone para contar um mistério: por que Travis desapareceu, abandonando o próprio filho, e o que aconteceu com a mãe da criança?

Luzes da Ribalta (1952): Chaplin faz um comediante em decadência socorre uma jovem à beira da morte e a ajuda a reequilibrar-se sobre suas pernas. Filme sensível e triste.

Festim Diabólico (1948): Hitchcock começa esse suspense extraindo dele todo o mistério, já que sabemos quem morreu e quem matou. A tensão se desenvolve na festa que acontece logo após o assassinato, com um aceno a Crime e Castigo.

Este mundo é um hospício (1943): Cary Grant deixa de lado o papel de galã e protagoniza uma comédia física hilariante.

Livro: Bolo Preto

Livro da vez: Bolo Preto, de Charmaine Wilkerson.

Após a morte de Eleanor Bennett, seus filhos Byron e Benny descobrem que a mãe era um verdadeiro mistério. Por meio de uma gravação que ela fez pouco antes de morrer, entram em contato com as suas raízes caribenhas e são surpreendidos por reviravoltas. Ao mesmo tempo, tentam curar suas feridas e resgatar uma relação há anos esgarçada.

A história é boa, mas a narrativa é fragmentada demais. Além de pular entre passado e presente e de um ponto de vista a outro, é construída por meio de capítulos curtíssimos. Quando eu começava a me interessar, lá vinha outro capítulo (minúsculo), em outro tempo, com foco em outro personagem e abordando outro tema. Essa fragmentariedade pode até dar algum dinamismo à narrativa, mas não funcionou para mim. Deu a impressão de que a autora não sabia que história queria contar.

Os personagens principais são fortes (embora Byron seja um chato), gostei de aprender algo da cultura do Caribe (a autora esclarece que locações e fatos são inventados, mas baseados no que aprendeu sobre a Jamaica) e, embora algumas viradas sejam previsíveis, outras são interessantes e a última é muito boa.

Indico para quem deseja um primeiro contato com questões de identidade, etnia, gênero e diferenças culturais. O livro está sendo transformado em série e creio que funcionará melhor na telinha.

Estrelinhas no caderno: 3 estrelas

Filmes favoritos em junho de 2022

Recentes

Top Gun: Maverick (2022): eu não podia ter escolhido filme melhor para retornar ao cinema depois de 2 anos, 3 meses e 18 dias. Maverick tem tudo que os fãs de Top Gun poderiam desejar: mil referências ao primeiro filme, trilha sonora bacana, equilíbrio entre humor e tensão, efeitos visuais e sonoros arrasadores (merece mesmo ser visto no cinema). E sim, Tom Cruise deve ter feito um pacto com o Crowley para conservar a aparência, não há outra explicação. 5 estrelas

Ascensão (2021): documentário sobre o dito “sonho chinês”, focado em produção, produtividade e um verniz de ocidentalização. Abusos e condições de trabalho degradantes desde o chão de fábrica até o mundo corporativo. Direitos humanos vistos como uma falácia ocidental em um mundo em que só importa a sobrevivência – e, claro, com esse tipo de pensamento os abusos se perpetuarão. 4 estrelas

Direto do Túnel do Tempo

Asas do Desejo (1987): não curti da primeira vez que vi, há uns 15 ou 20 anos. Dessa vez, achei poético e gostei tanto que emendei em Tão Longe, Tão Perto (que fica devendo bastante). 4 estrelas

Viagem ao Fim do Universo (1963): em 2163, a nave espacial Ikaria parte em uma longa jornada em busca de vida no sistema estelar Alpha Centauri, mas a tripulação (obviamente) se depara com uma emergência que pode levar todos à morte. Filme tcheco que serviu de inspiração para Star Trek, 2001 e outros clássicos da ficção científica. A estrutura é a de um episódio de ficção científica e eu assistiria uma série inteira com esses personagens. 5 estrelas

Orfeu (1950): adaptação do mito grego à França contemporânea. Fiquei impressionada com os efeitos visuais, muito bem feitos considerando-se a época em que o filme foi produzido. 4 estrelas

Livro: Lolita

Livro da vez: Lolita, de Vladimir Nabokov.

Todo mundo conhece a sinopse desse clássico: homem de meia idade seduz menina de doze anos. Eu sabia bem pouco além disso e por anos hesitei por causa do tema. Bobagem. Lolita é um romance excelente, envolvente, com personagens intensos e que em momento algum glorifica a pedofilia.

Ao contrário: Humbert Humbert é um ser abjeto, sabe disso e não tenta suavizar sua monstruosidade ao narrar os anos que passou com Lolita. Um leitor inexperiente talvez acredite no comportamento lascivo que ele atribui à sua “ninfeta” , mas narradores em primeira pessoa não são confiáveis por definição (Machado de Assis que o diga) e, além disso, o próprio Humbert se encarrega de demonizar a si próprio, em meio a comentários irônicos e autodepreciativos.

Como pano de fundo, o autor apresenta as paisagens e a sociedade norte-americana dos anos 40. Humbert vê ambos com olhos de estrangeiro, ora elogiando, ora tecendo críticas. Criador e criatura têm em comum o fato de serem expatriados.

Algumas passagens são chocantes, mas assim é a boa ficção: provocativa, chocante, incômoda. A escrita às vezes se torna rebuscada – Humbert Humbert é um erudito, afinal de contas – e determinados trechos poderiam ser abreviados, mas em momento algum o livro é enfadonho. A força dos personagens e o drama da narrativa não permitem.

Indico para leitores maduros porque, embora seja uma leitura fascinante, evidentemente não é leve.

Estrelinhas no caderno: 5 estrelas