Filmes favoritos em janeiro de 2024

Recentes

Nimona (2023): animação fantástica da netflix, como há tempos não se vê na disney pixar. Nimona é uma garota que desafia rótulos e a única pessoa que acredita em um cavaleiro acusado injustamente. 5 estrelas

The Last Repair Shop (2023): curta que concorre ao Oscar e é meu favorito da temporada (por ora, pelo menos). Sobre como a música transforma e até mesmo salva vidas. 5 estrelas

A Sociedade da Neve (2023): o filme feito nos anos 90 marcou minha memória e eu estava um tanto temerosa de ver essa versão. A maquiagem e a fotografia impressionam. Um documentário de meia hora na netflix mostra o making of e merece ser visto. 5 estrelas

Nyad (2023): eu quis bater na Nyad várias vezes, mas me apaixonei pela Bonnie, interpretada pela Jodie Foster. Apesar das controvérsias que envolvem a história (real), fiquei interessadíssima pelas pessoas ao redor da Nyad que tornaram a história dela possível. 5 estrelas

Ninjababy (2021): uma mulher engravida e tem que rearranjar a vida. Dramédia com ótimos momentos tanto no drama quanto no riso, com um andamento inusitado. https://www.justwatch.com

Great Freedom (2021): Na Alemanha pós-guerra, um gay é preso reiteradamente só por ser gay. O filme se passa em dois períodos alternadamente e é uma história sensível de amizade e sobrevivência. Emocionante. 5 estrelas

Truman (2015): produção conjunta de Espanha e Argentina feita com o único ator argentino em atividade – ele mesmo, Ricardo Darin. Dois amigos se encontram após muitos anos. O cachorro não sofre, pode assistir de boa. https://www.justwatch.com

A Escolha Perfeita (2012):  um grupo universitário à capela formado por mulheres parece condenado a não chegar às finais regionais. Uma nova participante dá uma sacudida nas coisas e em sua própria vida. Veja se curtia Glee. 4 estrelas

Direto do Túnel do Tempo

Hannah e Suas Irmãs (1986): Mulheres interessantes, homens fracos, Woody Allen neurótico. Ótima história, embora datada em certos aspectos (a única pessoa negra do elenco é a empregada doméstica, veja bem). 4 estrelas

Onde assistir: https://www.justwatch.com

Livro: “Chuva de Papel”

Livro da vez: Chuva de Papel, de Martha Batalha.

Joel é um jornalista septuagenário aposentador, amargurado, conservador e misógino que se revela incapaz de tirar a própria vida. Como ninguém o tolera, acaba precisando contar com a caridade da tia idosa de um antigo pupilo, e sequer consegue ser grato no início.

O cara é insuportável e eu não estava interessada na vida dele, mas aos poucos essa senhora idosa, a Glória, começa a ganhar espaço na história, junto com sua vizinha Aracy. As reminiscências dos protagonistas se misturam ao tempo presente, o cotidiano mesquinho se entrelaça com grandes tragédias e essa colcha de retalhos se torna mais interessante a cada página.

Martha Batalha sabe narrar com maestria as vidas da classe média e, embora seus livros se situem no subúrbio do Rio de Janeiro (ao menos os dois que já li), os dramas são mais amplos que a geografia.

Recomendo para quem gostou de A vida invisível de Eurídice Gusmão ou para quem busca uma escritora brasileira contemporânea e madura. 4 estrelas

Filmes favoritos em dezembro de 2023

Recentes

O Mundo Depois de Nós (2023): uma escapada do dia a dia rumo a um AirBnB no interior se torna uma experiência insólita. Estou no time das pessoas que adoraram o filme que, embora seja clichê na fotografia e até na trilha sonora, tem um roteiro excelente. 4 estrelas

Barbie (2023): abaixo o patriarcado! Barbie é mesmo tão bom quanto dizem: ótimos diálogos e momentos bem divertidos. 4 estrelas

Gato de Botas – O Último Desejo (2022): diversão garantida com o gato mais charmoso do cinema. Visual lindo, dublagens excelentes com sotaques deliciosos. 5 estrelas

Caminho da Liberdade (2010): um grupo de prisioneiros de um gulag resolve atravessar a Sibéria, a Rússia, a Mongólia etc. a pé em busca da liberdade. Bela fotografia e história suficiente para que eu me importasse com os destinos dos fugitivos. 4 estrelas

Os Indomáveis (2007): não sou muito fã de faroeste, mas esse me fisgou pelos embates verbais entre mocinho e bandido, e também pelo fato de que o mocinho não é tão mocinho, tampouco o bandido é tão bandido (não, péra, é sim, mas é um personagem bem construído). 4 estrelas

A Noiva-Cadáver (2005): um moço quer casar com uma moça, mas acaba pedindo em casamento uma cadáver. Morbidez cômica, belo visual. Virou meu filme favorito do Tim Burton. 5 estrelas

Direto do Túnel do Tempo

A Prova (1991): um cego não confia em ninguém e desenvolve um meio de testar a veracidade do que lhe dizem por meio de fotografias. O filme é um misto de tensão com momentos divertidos. Uma história incomum e muito bem contada. 5 estrelas

Batman (1989): um filme de super-herói que se sustenta pelas atuações e diálogos, não por uma sucessão de pow-soc-bam e mil efeitos visuais. 4 estrelas

The shoot horses, don’t they? (1969): achei que ia ver um filme bobo sobre uma competição de dança, terminei o filme quebrada. Terrível, recomendo. 5 estrelas

Cantando na Chuva (1952): clássico dos musicais de Hollywood. Tão clássico que eu jurava que já tinha visto. Tem os números de dança mais ecônicos do cinema e uma boa história. 5 estrelas

Onde assistir: https://www.justwatch.com

Livro: “Mariposa Vermelha”

Livro da vez: Mariposa Vermelha, de Fernanda Castro.

Amarílis tem poderes mágicos, mas vive em uma sociedade que persegue pessoas como ela, então passa a vida ocultando seus dons. Um dia, contudo, tomada de raiva após, decide invocar um demônio para ajudá-la a matar uma pessoa. Tolú é o demônio que a atende e a relação entre eles não se desenvolve exatamente como Amarílis esperava.

O livro merecia mais páginas dedicadas ao background de Amarílis (no começo mesmo, não durante a história) para justificar as suas escolhas A Flor de Lótus, grupo que aparece de forma meio súbita na história, é interessantíssima. Alguns lances poderiam ser mais desenvolvidos, como a própria Flor de Lótus e a personalidade do senhorio da protagonista. Ou seja: diferente do que acontece com tantos livros desnecessariamente prolixos, esse é mais enxuto do que precisaria ser. Algumas questões que só são abordadas na terceira parte poderiam ter surgido antes em um contexto mais natural e fundamentando melhor alguns comportamentos.

A escrita de Fernanda Castro é excelente. A autora domina o idioma (há uns deslizes de colocação pronominal que a revisão poderia ter corrigido) e evita clichês. Eu teria preferido nomes próprios mais diversos, o uso de plantas/flores me pareceu um recurso meio infantil.

Independentemente dessas questões, a história flui muito bem, diverte e prende. Não há momentos de tédio. Há um gancho para uma continuação – algo que, em geral, não me interessa, mas agrada muita gente e o mercado editorial aplaude. Apesar do gancho, o final é bastante satisfatório e o suspense criado antes dele é um ponto forte do livro.

Recomendo para quem busca bons jovens autores nacionais (algo raro) e especialmente para quem curte fantasia urbana. 4 estrelas