Filmes favoritos em maio de 2022

Século XXI

O Homem Duplo (2006): adaptação fiel do romance de Philip K. Dick, dirigida por Linklater, com o mesmo visual de Waking Life. Um policial trabalha disfarçado no combate às drogas e aos poucos perde a fronteira entre sua personalidade real e a inventada. Excelente crítica às próprias drogas e aos métodos de combate. O Homem Duplo é a leitura de junho do #LendoSciFi, organizado pela @soterradaporlivros. 4 estrelas

Insônia (2002): um detetive de Los Angeles e seu parceiro são enviados para o Alaska para investigar um assassinato. Além do drama local, terão de lidar com seus próprios fantasmas. Como não gostar de um filme em que Al Pacino faz o policial e Robin Williams faz o bandido? 5 estrelas

Retratos de uma Obsessão (2002): um laboratorista fotográfico solitário se revela mentalmente desequilibrado e um potencial risco para seus clientes. Novamente Robin William como vilão. Esse e o filme anterior foram indicações da @smiletic. 4 estrelas

Direto do Túnel do Tempo

Um País de Anedota (1949): um tesouro da Borgonha é encontrado no meio de Londres e os residentes daquela rua se descobrem borgonheses. Comédia ligeira em que os ingleses riem de si mesmos. 4 estrelas

Tudo que o céu permite (1955): uma viúva se apaixona por um sujeito mais novo e mais pobre e tem que lidar com a rejeição de vizinhos, amigos e família. Triste retrato do que se esperava das mulheres nos anos 50. 4 estrelas

O que terá acontecido a Baby Jane? (1962): uma antiga estrela de cinema atormenta sua irmã paraplégica. Filme pesado e talhado para confundir o espectador. 4 estrelas

Livro: Padre Sérgio

Livro da vez: Padre Sérgio, de Liev Tolstói.

Stiepán Kassátski é excelente em tudo que faz; por outro lado, assim que alcança a excelência, perde o interesse. Quando consegue o reconhecimento de suas habilidades do Exército, e prestes a se casar, resolve entrar para um mosteiro, não movido por uma devoção pura, mas pela vaidade, na intenção de ser uma pessoa perfeita.

Algumas sinopses tratam a história como uma crítica à vida mundana e um elogio à vida religiosa, mas não foi essa a minha impressão. O que Tolstói critica, na verdade, é a vaidade e o orgulho, a vida de aparências e as pessoas que abraçam a vida religiosa por motivações outras que não a piedade ou a caridade. Censura, ainda, a mercantilização da fé e a hipocrisia.

Trata-se de uma novela, ou talvez um conto longo, já que a história não tem nem 80 páginas. O restante do livro é preenchido com posfácios curtos e uma carta dirigida por Tolstói à Igreja Ortodoxa, após ter sido excomungado. A carta é interessantíssima: ao tempo em que frisa sua crença em Deus, o autor desanca os ritos e dogmas cristãos de modo geral e a Igreja Ortodoxa em particular.

Indico para um primeiro contato com o autor, embora não seja uma obra típica dele, como acentua um dos posfácios.

Estrelinhas no caderno: 4 estrelas

Filmes: os melhores de abril de 2022

De volta à programação normal, mesclando filmes antigos e recentes. Meu favorito do mês foi um antigo, o que tem acontecido com certa frequência.

Para saber onde assistir, baixe o app JustWatch, já que volta e meia alguns filmes desaparecem ou migram de streaming.

Recentes

Frida (2002): acabo de decidir que tudo que seja deste século é “recente”. Eu sabia da relação conflituosa de Frida Kahlo com Diego Rivera, mas foi excelente ter uma ideia mais completa da artista, da sua obra, das suas dificuldades e experiências. Não ganha 5 estrelas por ser falado em inglês com sotaque, péssima escolha. Em compensação, manda bem no elenco, na fotografia e no figurino. 4 estrelas

Suspeita (2019): filme tcheco para a televisão (o título original é “Klec”). Uma idosa solitária é procurada por um sobrinho distante e se sente ouvida e acolhida como há muito não se sentia, mas o sobrinho não é o que parece. 4 estrelas

O Mistério de Henri Pick (2019): uma jovem editora encontra um manuscrito soberbo em uma biblioteca especializada em guardar textos rejeitados. Mas quem teria rejeitado um livro tão bom? Um crítico literário fica intrigado, ainda mais quando descobre que o autor não costumava escrever (nem ler). Dramédia bem conduzida. 4 estrelas

Os Rapazes da Banda (2020): Nova Iorque, 1968. Um grupo de amigos gays se reúne para celebrar o aniversário de um deles. Um antigo colega de faculdade (hétero) do anfitrião aparece e gera conflito. Bom, na verdade o conflito já estava lá, só esperando um pretexto. Ressentimentos, inveja, crises existenciais… Mistura explosiva. Comecei pelo Jim Parsons e pelo Zachary Quinto, fui fisgada pelo roteiro. 4 estrelas

O Golpista do Tinder (2022): sucumbi ao hype e sim, o documentário é ótimo. Também é um tanto deprimente, especialmente pelo final. A ingenuidade de algumas vítimas é surpreendente e a audácia de uma delas é coisa de cinema. 4 estrelas

Direto do Túnel do Tempo

O Terceiro Homem (1949): um homem resolve investigar a morte de um velho amigo e aos poucos descobre que esse amigo não era exatamente flor que se cheirasse. Excelente suspense, com trilha sonora conhecidíssima. 5 estrelas

Quem tem medo de Virginia Woolf? (1966): um professor universitário frustrado e sua esposa, a filha do diretor mais frustrada ainda, travam conhecimento com um jovem professor casal. Segue-se uma sucessão de jogos cada vez mais violentos emocionalmente. 4 estrelas

Livro: a saga A Torre Negra

Livro da vez: a saga A Torre Negra, de Stephen King.

Roland Deschain é o último pistoleiro em um mundo desolado. Uma única coisa o move: encontrar a Torre Negra, custe o que custar. À frente segue sua nêmesis, o Homem de Preto. O pistoleiro é solitário e deseja manter-se assim, mas outras pessoas aparecerão e Roland terá que fazer escolhas de vida e morte. Enquanto isso, a Torre fica cada vez mais longe… ou mais perto… o tempo e a distância já não fazem sentido nesse mundo que seguiu adiante. E o ka é uma roda.

Se me dissessem que O Pistoleiro foi escrito por uma pessoa e o restante da saga por outra, eu acreditaria, porque de certa forma foi mesmo: Stephen King escreveu o primeiro livro com 22 anos e evidentemente seu estilo evoluiu bastante ao longo dos 33 anos que levou para escrever esse épico (o que me faz pensar que há esperança para Game of Thrones).

A Torre Negra é inconstante, como costumam ser as sagas. O Pistoleiro é um bom livro e deve ser lido como um prólogo – ao fim dele não há respostas, só muitas perguntas para incitar a imaginação. A Escolha dos Três é ótimo. Aí vem As Terras Devastadas, para mim o mais fraco, seguido por Mago e Vidro, excelente, e Lobos de Calla, maravilhoso. Canção de Susannah é bizarro até para os padrões do autor. O último livro, A Torre Negra, faz tudo valer a pena e é um dos melhores trabalhos do King. Lenços são imprescindíveis.

Indico para quem gosta de épicos e de fantasia mais focada nos personagens que no enredo.

Estrelinhas no caderno: 4 estrelas