Algumas releituras de 2021

Até 2019, raramente relia algum livro, mas aos grupos de leituras coletivas têm me feito revisitar obras e, em geral, a experiência é ótima. Sempre há coisas novas a descobrir e, dependendo do humor e do momento na vida, a relação com a história pode até mudar totalmente.

Eis algumas das releituras de 2021.

“Saco de Osso”, Stephen King: o livro começa muito bem, o protagonista (um escritor, que surpresa) é carismático, uma das personagens é uma criança fofa e a história é de assombração e tem ótimo desenvolvimento… até a parte final. Da primeira vez, honestamente, detestei o fim; dessa vez, continuo achando anticlimático, mas o livro é tão interessante que ainda assim vale a pena. 4 estrelas

“Os elefantes não esquecem”, Agatha Christie: provavelmente o primeiro livro adulto que li, lá pelos oito anos de idade. Não lembrava de nada, obviamente. Poirot é convocado pela amiga escritora Ariadne (que aprendi a amar muito recentemente, lendo os livros em ordem cronológica) para resolver um mistério ocorrido doze anos antes. Um dos meus favoritos da autora. 4 estrelas

“Não me abandone jamais”, Kazuo Ishiguro: esse é um dos meus favoritos da vida. Kathy está prestes a encerrar sua carreira como cuidadora e aproveita para rememorar sua vida, desde a infância no internato Hailsham. Ishiguro tem uma escrita que envolve lentamente, aprofunda mistérios e, ao mesmo tempo, dá pistas ao leitor atento. Recomendo ler sem saber nada da história, sem sequer ler a sinopse. 5 estrelas

“Contato”, Carl Sagan: Ellie faz parte de um projeto que investiga o espaço profundo em busca de sinais de vida inteligente extraterrestre. Uma mensagem subitamente é recebida, mais complexa do que se imaginaria. Os extraterrestres querem contato, mas o preço pode ser alto. As melhores partes do livro são as discussões envolvendo ciência e religião. Nessa releitura, percebi o tema do feminismo, que me passou batido nas anteriores. Fascinante. 5 estrelas

A Noite das Bruxas

Livro da vez: “A Noite das Bruxas”, de Agatha Christie.

Joyce, uma garota chatinha de 13 anos é morta em uma festa de halloweeen numa cidadezinha. Ariadne Oliver, a famosa escritora de mistério, está presente, e pede a Hercule Poirot que investigue o caso. Horas antes de ser morta, Joyce se gabava de ter visto um assassinato anos antes, então a resposta parece simples: quem a matou é o assassino responsável por esse crime antigo. Mas será mesmo? Joyce era famosa por contar mentiras…

Poirot começa a investigar os crimes ocorridos no povoado e se depara com intrigas de ciúmes, jovens rebeldes e testamentos falsificados. Tudo parece muito complicado. Nosso detetive terá sucesso? Spoiler: claro que sim! Quem não teve sucesso fui eu, que caí em pistas falsas, suspeitei por quase todo o livro da pessoa errada e só no fim tive um vislumbre do que podia ter acontecido.

Ariadne se tornou minha segunda personagem favorita da Dama do Crime, adoro todos os livros em que ela aparece. Poirot voltou à esperteza e vivacidade habituais (no livro anterior, “A Terceira Moça”, ele não estava muito animado). Fui feita de trouxa e adorei.

Não faltaram referências a outros livros: “A Extravagância do Morto”, “A Morte da Sra. McGinty” e “Um Gato entre os Pombos”, pelo menos. Existe um agathaverso!

Estrelinhas no caderno: 5 estrelas

Escola de contos eróticos para viúvas

Livro da vez: “Escola de contos eróticos para viúvas”, de Balli Kaur Jaswal.

Tag Inéditos de fevereiro de 2020. Cancelei a Tag há um ano e ainda tenho dois livros para ler (além deste, que li semana passada).

Nikki é uma jovem britânica nascida em uma família indiana e tenta conciliar essas duas influências, duas formas distintas de ser mulher e de estar no mundo. Culpa-se pelo desgosto causado aos pais ao abandonar a faculdade de direito, mas está determinada a descobrir seu próprio caminho. Inesperadamente, ele a leva a dar aulas de inglês para mulheres punjabi – aulas que logo se transformam em confidências de fantasias eróticas. Nikki se vê envolvida pela comunidade e interessada nos segredos que ela guarda, que incluem até mortes de moças punjabi.

O livro segue uma fórmula, mas faz isso de forma eficiente. É muito bem escrito, a história e os personagens cativam. Vi-me interessada em Nikki e nas demais mulheres, fiquei curiosa pela cultura punjabi e fascinada pelas misturas e colidências. Dá para dizer que, para Nikki, a cultura britânica triunfa (o que pode ser alvo de críticas dos mais ciosos), mas ela sai diferente do outro lado, influenciada, amadurecida e bem resolvida.

A própria autora é o resultado da mistura de influências punjabi e dos diversos países onde viveu durante a infância e juventude, o que para mim torna o livro ainda mais interessante. Um dos melhores do ano em que assinei a Tag Inéditos.

Estrelinhas no caderno: 4 estrelas

Os Relógios

Livro da vez: “Os Relógios”, de Agatha Christie.

Uma senhora requisita os serviços de uma estenógrafa. Ao chegar na casa da senhora, a estenógrafa encontra um morto esparramado no chão. Não demora muito e acrescenta-se um novo elemento à trama: relógios apareceram do nada na casa dessa senhora – que, aliás, é cega. Paralelamente, temos uma trama de espionagem. Será que essas histórias vão se cruzar?

Nesse livro, Agatha está em sua melhor forma: criativa e divertida. As pistas estão lá – inclusive as falsas – e possibilitam que o leitor atento resolva o mistério (não foi meu caso na totalidade, mas acertei uma coisinha ou outra). Poirot demora um pouco a aparecer mas, quando o faz, é em uma cena deliciosa, discorrendo sobre escritores de mistério reais e fictícios, incluindo Ariadne Oliver. Para completar, um romancezinho. Entrou no meu Top 5 de livros da autora, sem dúvida.

Estrelinhas no caderno: 5 estrelas