Livros favoritos em 2022

A filha perdida (Elena Ferrante): a narradora é uma mulher deslocada de suas raízes e, depois, deslocada na vida de mãe e de esposa, tentando se reencontrar durante as férias. Primeiro livro que li da Ferrante.

Coraline (Neil Gaiman): história mal-assombrada econômica e envolvente, com elementos de Nárnia, Alice e referências contemporâneas. Livro infantojuvenil, mas divertido também para adultos.

Billy Summers (Stephen King): nem todo livro do King foca em elementos sobrenaturais. Aqui, o leitor acompanha o trabalho de um matador de aluguel que sonha com a aposentadoria e quer que esta seja sua última missão.

Poeira Lunar (Arthur C. Clarke): um ônibus turístico afunda em um mar de areia lunar e surgem dois desafios: o interno, o de manter os passageiros vivos e com o moral elevado, e o externo, de resgatar o ônibus. Daria uma excelente minissérie.

A Curva do Sonho (Ursula K. Le Guin): releitura. George Orr tem sonhos efetivos, ou seja, que mudam a realidade, e espera que um psiquiatra possa curá-lo antes que ele desista de viver.

Procurando Jane (Heather Marshall): a vida de três mulheres entrelaçadas desde os anos 70 em torno dos direitos reprodutivos. Como diz a autora no posfácio, não é um livro sobre aborto, mas sobre a maternidade e, sobretudo, sobre o direito de escolher como e quando ser mãe.

Lolita (Vladimir Nabokov): narrado por Humbert Humbert, que sabe o quanto é abjeto e carrega na ironia e no autojulgamento. O livro é chocante como se pode esperar, e nada indulgente.

Carmilla: A Vampira de Karnstein (Joseph Thomas Sheridan Le Fanu): Carmilla é uma das vampiras que inspirou o Drácula, de Bram Stoker, mas sua história é bem mais interessante que a do vampiro mais famoso da literatura.

O Homem Duplo (Philip K. Dick): Fred é um policial infiltrado em um grupo de viciados para tentar capturar traficantes, mas aos poucos vai se degradando não só pelo uso de drogas, mas pelo ambiente.

A Abadia de Northanger (Jane Austen): primeiro livro da autora, mas ela o reescreveu várias vezes ao longo da vida e a publicação foi póstuma. Está afiadíssima na critica de costumes, disparando ironia para todos os lados. Pode ser a porta de entrada para quem não conseguiu prosseguir nas leituras dos mais famosos de Austen.

Crime e Castigo (Fyodor Dostoevsky): Raskólnikov é um jovem estudante passando fome e com medo do que o futuro reserva para sua mãe e irmã, o que o leva a cometer um crime. A situação do protagonista desperta pena no início, mas outras nuances da personalidade dele terminam por encobrir esse sentimento.

E não sobrou nenhum (Agatha Christie): um dos melhores mistérios da Dama do Crime. Dez pessoas são convidadas para um fim de semana em uma ilha e as mortes começam… o assassino só pode ser um deles.

Joyland (Stephen King): história leve contada do ponto de vista de um rapaz de 21 anos. Quase um romance de formação. Mistério e sobrenatural em boas doses.

Um conto de duas cidades (Charles Dickens): Dickens expõe os exageros e terrores da Revolução Francesa acompanhando a vida de alguns personagens fictícios. As razões da Revolução são compreendidas, mas os excessos são criticados. No primeiro plano, uma história de amor filial e outra de amor romântico.

O Coração das Trevas (Joseph Conrad): um aventureiro pede um posto em um lugar remoto do Congo e tem seu desejo atendido. Lá conhecerá Kurtz, do qual pouco se sabe. Inspiração para Apocalypse Now.

O Chamado da Floresta (Jack London): o cão Buck é sequestrado de um lar seguro e enviado para o norte do Canadá, onde aprende a ser mais lobo que cão para sobreviver. Como em “Caninos Brancos”, há muitas metáforas sobre a condição humana.

Filmes favoritos em outubro de 2022

Recentes

Prisioneiros (2021): o tema é o trabalho em condições análogas à escravidão e o subtexto é o homem sendo lobo do próprio homem. Rodrigo Santoro excelente. A sonoplastia ruim tira uma estrela do filme. 4 estrelas

Argentina, 1985 (2022): nem todo herói usa capa, e o promotor Julio Strassera está aí para provar, assessorado por uma turma de jovens dedicados. A história real do julgamento de nove militares que governaram a Argentina durante a ditadura. Emocionante. 5 estrelas

Uma Garota de Muita Sorte (2022): entre o presente e o flashback, a história traumática de Ani é contada. Algumas cenas podem ser consideradas fortes, mas o filme está longe de ser apelativo. Dica da @smiletic. 4 estrelas

Kung Fu Panda (2008): animais fofos e uma história bem contada – como não gostar? Menção especial para a cena do Po disputando o último dumpling com seu mestre. 5 estrelas

O Nevoeiro (2007): um nevoeiro denso cai sobre uma cidadezinha, e coisas horripilantes se escondem, prontas a atacar. Baseado em uma novela do Stephen King, é um desses casos em que o filme é melhor que o livro. 4 estrelas

Direto do Túnel do Tempo

Nos Bastidores da Notícia (1987): uma produtora percebe que o telejornalismo está se vendendo ao puro entretenimento. Um repórter talentoso não é promovido por não ser midiático. Um âncora bonito e burro é bem-sucedido. Divertido e crítico ao mesmo tempo. 4 estrelas

Viagem ao mundo dos sonhos (1985): três garotos constroem uma espaçonave e vivem aventuras muito loucas. Filme infantil, mas divertidíssimo, há tempos eu não ria tanto com um filme. Um achado que a @soterradaporlivros me apresentou. 5 estrelas

Gandhi (1982): quase documental, narra os esforços de Gandhi para tornar a Índia um país independente e unificado. Eu desconhecia várias coisas, daí ter achado o filme interessante. 4 estrelas

Livros de Terror – Halloween 2022

Boo!

Morro de medo de histórias de terror, mas a @soterradaporlivros me convenceu a ler Hellraiser em outubro. Uma coisa levou a outra e acabei com uma listinha de livros em celebração ao halloween, que seria meu feriado preferido se eu morasse na metade de cima do mundo.

Hellraiser, de Clive Barker: terrorzão com um pé no gore e outro no sadomasoquismo. Frank é um vilão doentio, horrendo, mas os vilões de verdade são os cenobitas, que mal aparecem (não estou reclamando). Fiquei surpresa com a forte presença feminina. Felizmente é curto, eu não aguentaria ler um calhamaço dessa história. Quem curte o gênero provavelmente fica com gosto de quero-mais. 4 estrelas

Invasores de Corpos, de Jack Finney: vi o filme de 1956 (excelente) e o de 1978 (tão bizarro que é ótimo), então estava mais que na hora de ler a história original. Em uma cidadezinha dos EUA, algumas pessoas não são mais elas mesmas, segundo os parentes. O que parecia histeria coletiva acaba se revelando uma invasão alienígena. O livro é de 1955 e tem uns trechos bem machistas, mas é uma ótima ficção científica e tem um desfecho muito mais satisfatório que os filmes. 4 estrelas

O Vampiro, de John William Polidori: um jovem ingênuo conhece Lord Ruthven, um aristocrata misterioso, sedutor e estranhamente envolvido em mortes violentas… Esse conto merece ser lido por duas razões: primeiro, porque nasceu junto com Frankenstein, de Mary Shelley, naquele conhecido episódio de tédio durante chuvas torrenciais que levou a uma brincadeira entre amigos escritores; segundo, porque foi uma das inspirações de Bram Stoker para compor Drácula que, por sua vez, inspirou as histórias contemporâneas de vampiros. 3 estrelas

Carmilla: A Vampira de Karnstein, de Joseph Thomas Sheridan Le Fanu: li Carmilla em maio, mas merece ser citado aqui porque foi também foi uma das inspirações para o Drácula de Stoker. Carmilla é uma vampira sensual, provocativa, sedutora. O autor é quase explícito e creio que só se conteve por causa da época em que escreveu (e porque, se desse vazão às fantasias, seria pornô e não terror). Para mim, é uma história infinitamente melhor que Drácula. 5 estrelas

Livro: Eu Sou A Lenda

Livro da vez: Eu sou a lenda, de Richard Matheson, leitura de setembro do #lendoscifi. O grupo já está no quarto ano e você pode saber mais com a @soterradaporlivros. Pra mim, foi releitura, e não sei não se não foi treleitura.

Conheci primeiro a adaptação do Will Smith e adorei (mas os sustos que tomei, pelamor, e tomei os mesmos sustos revendo esta semana). Aí, fui ler o livro e fiquei “ué?”. A história original é bem diferente da versão de Hollywood (existem dois outros filmes, que aparentemente também não são muito fiéis).

No livro, Neville é um trabalhador de classe média suburbano que de repente se vê o último sobrevivente da rua, da cidade, talvez do país e do mundo. Uma doença misteriosa transformou a humanidade em vampiros. Depois de ver a esposa e a filha morrerem, Neville alterna entre beber até cair e transformar a casa em uma fortaleza. Nas horas vagas, meio por tédio, meio por obsessão, estuda e experimenta hipóteses com os vampiros de que consegue se aproximar.

Essa parte científica é minha favorita. Tenho a impressão de que há uns erros na ciência do Matheson, mas ainda assim me fascina a busca por reduzir todos os mitos relacionados aos vampiros a explicações perfeitamente razoáveis e científicas. Por outro lado, o Neville do livro não tinha nenhuma formação em ciência, e nem tinha tanto tempo livre para estudar, o que torna essa parte pouco verossímil. O filme do Smith é bem melhor nesse ponto, ao dar um background científico para o protagonista.

A minha grande crítica à história é: qual a motivação do Neville para continuar vivo? Ok, se ele não fosse tão insistente em sobreviver, não haveria história. Mas acho que falta uma motivação interna, uma razão para continuar vivo. O filme é um pouco melhor nesse ponto.

A justificativa para o título está no final, que é bem diferente no entre o filme e o livro.

O filme sucumbe a clichês hollywoodianos. O livro, por outro lado, tem cacoetes machistas (justificáveis para um texto escrito nos anos 50).

Indico para quem curte histórias de vampiros e quer ler uma versão contemporânea longe da pegada Crepúsculo.

Estrelinhas no caderno: 4 estrelas

PS.: antes de postar, descobri que já fiz uma resenha sobre o filme (em 2008) e uma sobre o livro (em 2011). Direto do túnel do tempo…