A Terra Partida

Livro da vez: “A Terra Partida”, trilogia de N. K. Jemisin.

Descobri Jemisin em 2019, começando por “A Quinta Estação”, primeiro livro da trilogia “A Terra Partida”. Só em 2020 li os outros dois. No meio do caminho, li dela “How Long ‘til Black Future Month?” e a duologia Dreamblood, que já resenhei aqui, ambos sem tradução. “A Terra Partida”, por outro lado, está todinha traduzida, então você não tem desculpas para não conhecer o trabalho fantástico dessa autora.

Em um mundo que parece a Terra, os orogenes são responsáveis por manter a integridade da superfície, preservando-a de abalos sísmicos devastadores. Por essa habilidade ímpar, são respeitados mas, acima de tudo, temidos e em alguns casos caçados, escravizados e mortos.

No primeiro livro, acompanhamos três orogenes, três mulheres em diferentes fases da vida e com diferentes domínios sobre seus poderes: Damaya, Syenite e Essun. Aos poucos vamos conhecendo esse mundo tão estranho e ao mesmo tempo tão familiar em seu caráter fragmentário, preconceituoso e racista. No fim de “A Quinta Estação”, Syen é provocada a embarcar em uma missão, e o leitor embarca com ela ao longo dos dois livros seguintes, “O Portão do Obelisco” e “O Céu de Pedra”.

A construção de mundos (worldbuilding) é o ponto forte da escrita de Jemisin. Nunca li nada parecido, o que evidentemente causou uma enorme sensação de estranhamento no começo. Essa sensação vai se dissipando graças ao segundo ponto forte da escritora: a criação de personagens complexos e apaixonantes. Você vai amar alguns, vai odiar outros e vai mudar de ideia ao longo da trilogia, mas não vai ficar indiferente às suas histórias. Mundo e personagens se entrelaçam de forma orgânica para contar uma história emocionante, uma das melhores tramas de fantasia que já li.

Estrelinhas no caderno: 5 estrelas

Alice no País das Maravilhas

Livro da vez: “Alice no País das Maravilhas”, de Lewis Carroll. Livro/filme do bimestre do projeto #quemteviuquemteleu, da @soterradaporlivros@tinyowl.reads e @seguelendo.

Foi minha terceira leitura e a cada vez minhas reações foram diferentes. Quando criança, adorei o livro. Reli há uns oito anos e achei chatíssimo. Dessa vez, gostei (mas não adorei) e notei como a tradução faz toda a diferença nessa obra. Recomendo muito a tradução da Zahar (mas há outras boas também).

Alice cai em um mundo de sonho em que as coisas são absurdas, nada faz sentido e o imprevisível é a regra. No debate, comentamos sobre a forma como as crianças eram vistas, e ainda são, em muitos casos: sem direito a opinar, sem voz, sem autonomia. Alice é curiosa e inquisitiva, e os personagens com quem se encontra – os adultos – tentam matar essas qualidades os simplesmente a ignoram, com a exceção do Gato de Cheshire.

E falando no Gato, ele é um dos grandes legados de Carroll, juntamente com o Coelho Branco, a Rainha de Copas e o Chapeleiro Maluco. As metáforas e os símbolos que inspiraram os personagens se perderam (ou quase), mas a força deles se mantém por si só, cheia de novos simbolismos. A obra de Carroll acabou se revelando atemporal.

Sobre os filmes, prefiro a animação da Disney, mais fiel ao livro e à própria Alice. O filme de Tim Burton conta uma história completamente diferente e a protagonista é tão sonsa que irrita.

Quanto às polêmicas sobre o autor, vale dizer que não há provas ou relatos das pessoas envolvidas que confirmem as acusações. Carroll tinha uma personalidade forte, um tanto misteriosa e algo controvertida – o restante, eu coloco na conta dos fofoqueiros ingleses e das estranhezas da era vitoriana.

O próximo bimestre será dedicado a 1984 e mal posso esperar para reler a obra e para ver o filme pela primeira vez. Quer vir com a gente? Fale com uma das organizadoras!

Estrelinhas no caderno: 3 estrelas

O Olho do Mundo

Livro da vez: “O Olho do Mundo”, de Robert Jordan. Volume 1/14 da série “A Roda do Tempo”.

A primeira vez que ouvi falar desse livro foi pela @soterradaporlivros. A segunda, a terceira, a quarta e a quinta vez também.

Rand, Mat e Perrin são três jovens comuns de uma pacata aldeia de pastores, nos confins do reino. Um dia, descobrem que têm um papel a cumprir no destino do mundo, tecido pela Roda do Tempo, e partem a contragosto, acompanhados da Aes Sedai Moiraine e do Guardião Lan. No caminho, aliados juntam-se ao grupo. Os três receberão ajuda, mas também enfrentarão perigos terríveis enviados pelo Tenebroso, que está no seu encalço.

Se você se lembrou de O Senhor dos Anéis, é porque há mesmo muitas semelhanças. A ambientação é medieval, a magia existe e o Mal está à espreita, esperando por uma chance de destruir o mundo. Há ecos de Gollum e dos orcs, há povos em comunhão com a natureza, cidades amuralhadas e seres ancestrais. Também há, claro, o chamado para a aventura e outros elementos da Jornada do Herói (que Tolkien não inventou, apenas usou em seus livros).

O que não há, para meu grande alívio, são páginas e páginas de descrições enfadonhas. Por isso cheguei até o final e estou até pensando seriamente em ler o volume 2. Além disso, a @soterradaporlivros garante que a trama vai se distanciando do Senhor dos Anéis nos livros seguintes.

Livros. Seguintes. Esse é o maior problema, um problema bem grande mesmo: a saga tem CATORZE livros. Se eu resolver ler todos, será o compromisso mais longo que já terei firmado com o que quer que seja.

E talvez eu resolva ler, porque os personagens são interessantes e existe uma trama política atraente. Além disso, talvez eu esteja particularmente interessada em saber o destino da Sabedoria Nynaeve e da aprendiz Egwene…

Estrelinhas no caderno: 3 estrelas (o livro não é excelente, mas a saga promete).

O Vampiro-Rei – Volume 2

O Vampiro-Rei - volume 2 - capa.Gosto de livros de fantasia. Mesmo. De verdade. Mas olha, aguentar o volume 2 de O Vampiro-Rei não foi moleza. A experiência de ler O Vampiro-Rei – volume 1 já não tinha sido das melhores. Prossegui para o volume 2 com poucas esperanças e, mesmo assim, consegui me decepcionar.

A coisa toda é fantástica demais até para o meu gosto. No volume 2, não há só vampiros: tem bruxa, supervampiro, dragão e até elementos do folclore brasileiro (não vou dizer quais para não tirar o seu prazer em descobrir; digo… ah, deixa pra lá).

As cenas de batalha são inúmeras, imensas e tediosas. A vontade que dá é de correr os olhos para chegar logo ao desfecho de cada uma e descobrir que “ah tá, eles venceram”.

Somado a tudo isso, a revisão desse volume é tão descuidada quanto a do primeiro. Para completar, há diversas construções que, embora não sejam erradas, denotam falta de cuidado. Frases como “Dessa vez foi a vez” não são bacanas, sabe?

Com esse livro, encerro minha aventura pela obra de André Vianco – já não era sem tempo.

Ficha

  • Título: O Vampiro-Rei – Volume 2
  • Autor: André Vianco
  • Editora: Novo Século
  • Páginas: 502!
  • Cotação: 1 estrela pelo esforço – o dele, não o meu.
  • Encontre O Vampiro-Rei – Volume 2.
Este texto faz parte do Desafio Literário 2011, cujo tema em julho são novos autores. Conheça o Desafio Literário.