Pumpkin Spice Latte feito em casa

Em 2003, a Starbucks inventou um bebida sazonal chamada pumpkin spice latte, depois copiada por outras cafeterias. Na Starbucks, é vendida durante o outono do hemisfério norte, aproveitando a estação das abóboras por lá, consagrada em enfeites de Halloween.

O engraçado é que originalmente nem ia abóbora na bebida: o nome vem de uma mistura de especiarias (canela, gengibre, noz-moscada e cravo – algumas variações incluem cardamomo e pimenta-da-jamaica) usada para fazer torta de abóbora e por isso conhecida como pumpkin pie spice mix.  Só a partir de 2015 a Starbucks começou a adicionar purê de abóbora na receita para substituir os corantes artificiais.

Nas lojas do Brasil, a bebida chegou apenas em 2019 e achei mais doce que a original. Não sei se mudaram a fórmula, se o atendente exagerou na quantidade de calda ou se a falta do frio e das árvores avermelhadas afetou meu paladar. Mesmo assim gostei, e repetiria a dose esse ano, não fosse pela pandemia.

Vai daí que comecei a pesquisar receitas na internet, testei algumas, modifiquei todas e cheguei a uma receita pela qual estou apaixonada. Se você quer matar a saudade da bebida ou se quer matar a curiosidade, essa é sua chance.

Ingredientes

  • 120 gramas de purê de abóbora (veja abaixo)
  • 240 gramas de água
  • 200 gramas de açúcar ou xilitol (usei xilitol)
  • 10 gramas de pumpkin pie spice mix (veja abaixo)

Preparo

O purê de abóbora

Asse uma abóbora em forno médio por uma hora (não precisa pré-aquecer o forno). Ao cortar, a abóbora estará bem cozida, quase desmanchando – se você apertar um pouquinho, vira purê. Pronto, esse é o seu purê de abóbora para essa receita:  separe 120 gramas (sem casca e sem sementes, claro).

Você pode usar o restante para fazer doce de abóbora, ou purê salgado de abóbora. As sementes podem ser lavadas e, depois que secarem um pouco, torrdas com sal e páprica – viram um petisco delicioso.

Se você não quiser assar a abóbora inteira, corte o pedaço que deseja preparar e embrulhe em papel alumínio antes de levar ao forno.

Testei com abóbora cabotiá e de pescoço, mas tenho certeza de que fica boa com moranga também.

O pumpkin pie spice mix

Se quiser comprar pronto, a Bombay tem e é bom. Comprei pronto da primeira vez, depois fiz o meu assim:

  • 1 colher das de sopa de canela em pó
  • 1 colher das de chá de gengibre em pó
  • 1 colher das de chá de cravo-da-Índia em pó
  • 1/2 colher das de chá de noz-moscada em pó

Ou: uma parte de noz-moscada, duas partes de cravo, duas partes de gengibre, oito partes de canela.

O da Bombay leva canela, gengibre, noz-moscada, cravo-da-Índia e pimenta-da-Jamaica. Várias receitas norte-americanas também incluem a pimenta-da-Jamaica (que chamam de allspice por lá). Apesar do nome, essa especiaria não é ardida, mas adocicada, lembrando uma mistura de cravo, canela e noz-moscada. Como esses três ingredientes compõem o pumpkin spice mix, a pimenta-da-Jamaica acaba sendo redundante.

Minha mistura fica um pouco mais picante que a da Bombay, provavelmente uso mais gengibre que eles.

As medidas

Se você não tiver uma balança, pode fazer a calda guiando-se pelo volume: uma parte de purê de abóbora, duas partes de água, duas partes de açúcar/xilitol, 1 colher (sopa) de pumpkin pie spice mix.

Apesar das instruções do parágrafo anterior, você deve ter notado que não usei o mesmo peso para água e para xilitol – usei da primeira vez e, como achei muito doce, preferi diminuir ligeiramente o xilitol e aconselho que você faça o mesmo – depois de medir o açúcar/xilitol, devolva ao pacote umas duas colheres das de sopa.

Como fazer

Bata todos os ingredientes com a ajuda de um mixer (você também pode usar liquidificador, o importante é que o líquido fique homogêneo). Leve ao fogo baixo em uma leiteira ou panela pequena, mexendo de vez em quando, até ferver. Espere ferver mesmo, não apenas abrir fervura – otempo extra de fogo ajudará a apurar os sabores.

Depois que ferver, desligue o fogo e deixe esfriar totalmente. Se tiver uma peneira fina, coe para eliminar o pó das especiarias, e aproveite para descartar qualquer depósito de pó que estiver no fundo da panela. Se não tiver peneira fina, relaxe: o pó depositará no fundo do seu latte e não incomodará.

Guarde na geladeira em um pote de vidro, uma garrafa ou uma bisnaga dessas de ketchup para facilitar o uso. Sacuda/mexa antes de usar.

View this post on Instagram

A calda caseira pro pumpkin spice latte. ?

A post shared by Lu Monte ??????? (@cadernodalu) on

Como usar

pumpkin spice latte da Starbucks leva calda, café espresso e leite vaporizado, e é finalizado com chantilly e pumpkin pie spice mix polvilhado. As proporções ficam ao seu critério – como ficam também na Starbucks, já que você sempre pode pedir mais café e mais calda.

O que eu faço leva de duas a três colheres (sopa) cheias de calda, a depender da vontade de doce no dia (cerca de 35 gramas a 50 gramas), uns 70 ml. de café espresso e uns 100 ml. de leite, que dobra de volume ao ser vaporizado (você pode conseguir efeito semelhante com um mini-mixer ou uma cremeira).

Montagem: calda no fundo da caneca, espresso por cima e depois o leite vaporizado, sem espuma em excesso. Finalizo com chantilly e pumpkin pie spice mix. Na foto, alterei a ordem da montagem para formar camadas e ficar mais fotogênico, mas os sabores misturam melhor se você como eu disse acima.

As proporções são totalmente adequáveis ao seu gosto. Você pode, por exemplo,  fazer o latte com menos calda se usar café coado, que geralmente é mais leve que o espresso; ou pode aumentar a quantidade de leite, e inclusive dispensar o café preto totalmente, preparando uma versão aconchegante para a hora de dormir. Pode fazer uma bebida gelada – a Starbucks serve o pumpkin spice latte também na versão frappuccino – e pode usar a calda em sorvetes ou bolos. A criatividade é o limite.

  • Tempo de preparo: 1 hora de forno pra cozinhar a abóbora e uns 20 minutos de fogo pra apurar a calda
  • Grau de dificuldade: fácil
  • Rendimento: cerca de 490 gramas ou quase meio litro.

Coisas Boas de Setembro

Se agosto passou voando, setembro se arrastou. Foi um mês marcado por trabalho e stress, e o comecinho de outubro não está muito melhor.

Por outro lado, foi um mês em que consegui ler muito: dez livros no total, marca que raramente atinjo (a última vez foi em janeiro, e antes disso não lembro de ter conseguido em nenhum momento desde a adolescência). A responsável foi a @soterradaporlivros, que comemorou o próprio aniversário e o de Star Trek com a maratona #JornadaLendoSciFi e me indicou uns livros ótimos para as categorias criadas por ela para a maratona.

Um outro evento contribuiu para o volume de leitura. Em meados de agosto, o youtube resolveu que não mandaria mais emails avisando de novos vídeos. Sou inscrita em diversos canais, de aulas de francês a lettering, passando por cultura pop, café e vinho. Geralmente, tomava o balde de café matutino em companhia dos vídeos, o que me tomava entre meia e uma hora por dia. Como não recebo mais os avisos por email, acabei perdendo o hábito, e esse tempo foi direcionado para a leitura. Resultado: reclamei muito quando o youtube parou de enviar as notificações por email, mas agora estou até achando bom.

Livro favorito: vou destacar A Curva do Sonho, de Ursula K. Le Guin, e All Systems Red, de Martha Wells. O primeiro é um clássico da ficção científica e uma verdadeira “viagem”: George Orr é um cara que tem “sonhos efetivos”, ou seja, que transformam a realidade; ninguém acredita e ele acaba encaminhado a um psiquiatra para tratamento, mas o psiquiatra mais atrapalha que ajuda. O segundo livro (ainda sem tradução no Brasil) é na verdade uma novela cuja protagonista é uma unidade de segurança biomecânica autointitulada “murderbot” que hackeou o próprio sistema e passa as horas vagas vendo seriados – pode não parecer, mas é uma personagem muito carismática.

Filme favorito: entrei numas de ver filmes antigos depois de um agosto cheio de filmes recentes e entediantes. Nada de Novo no Front (1930) merece destaque: o filme acompanha adolescentes alemães que largam a escola para lutar na Primeira Guerra Mundial em busca de honra e aventura. O que encontram, claro, é fome e morte – além da consciência de que o “inimigo” é alguém como eles próprios. É baseado no livro de mesmo nome de Erich Maria Remarque. O falecimento da juíza da Suprema Corte norte-americana Ruth Bader Ginsburg me motivou a assistir On the basis of sex (disponível na amazon prime video), que conta o início da sua carreira e é interessantíssimo.

Série favorita: nada de novo nesse front – estou revendo (pela terceira vez) Gilmore Girls.

Bônus: você conhece o Coursera? É uma plataforma de cursos online, vários deles grátis e com excelente conteúdo. Para quem entende inglês, é um prato cheio, já que todas as aulas têm legenda e transcrição nesse idioma. Se não é o seu caso, ainda assim vale a pena dar uma olhada, porque há bastante conteúdo em português e em outros idiomas. Já fiz alguns cursos na plataforma e em setembro comecei e terminei o curso Human Rights for Open Societies, que recomendo.

Coisas Boas de Agosto

Apesar da fama nefasta, agosto passou voando por aqui. Segui com uma quantidade insana de trabalho, a ponto de na segunda-feira já ansiar pela sexta. Matenho o pensamento positivo: setembro será melhor.

Livro favorito: o mês foi cheio de ótimos livros. Vou escolher The Outsiders – Vidas Sem Rumo (S. E. Hinton) pelo elemento inusitado – eu nunca teria ouvido falar dele se não fosse pelo projeto #quemteviuquemteleu, da @tinyowl.reads, @seguelendo e @soterradaporlivros (links para os perfis no instagram), e teria perdido um grande livro. A escrita é singela, mas a história de Ponyboy e seus amigos é forte e, apesar do distanciamento cultural e temporal, contemporânea. Chorei, sim.

Filme favorito: a maioria dos que vi em agosto mereceu três estrelas (inclusive a versão de The Outsiders que, embora correta, acabou diluída pelo impacto que o livro me causou), ou seja, foram filmes decentes, mas sem nada especial. Amadeus foi o único a levar quatro estrelas, e talvez apenas porque a impressão deixada pela peça foi fraca o suficiente para que eu reduzisse minhas expectativas quanto ao filme e acabasse tendo uma grata surpresa com ele. As atuações são ótimas, bem menos histriônicas que as da peça. Os figurinos e elementos de época chamam a atenção e a edição é muito competente.

Série favorita: comecei a rever Modern Family. Ando pela quarta temporada – parei de ver a série por essa época, então agora é tudo novidade pra mim, e tenho me divertido muito. Preciso mencionar também Unbelievable, minissérie da Netflix que começa com a história de uma garota que foi estuprada, mas ninguém acredita nela – apenas anos depois a verdade vem à tona. O processo de sucessivas revitimizações é chocante. A produção é ótima e a minissérie é baseada em uma história real.

Bônus: o coração de latte art está quase saindo, finalmente! Falta consistência agora – às vezes dá certo, mas na maioria do tempo ainda não fica bom (em aparência; em sabor, fica sempre excelente).

 

Coisas Boas de Julho

Mês estressante, com um volume de trabalho irreal, mas acabou. Agosto será melhor? Provavelmente não, mas a gente segue em frente.

Livro favorito: Jonathan Strange & Mr Norrell, de Susanna Clarke. Li ótimos livros em julho, mas destaco esse pelo seu caráter inusitado: uma obra de fantasia que não é capa-e-espada, não se passa num cenário de inspiração medieval, não tem elfos ou anões… enfim, que desafia com sucesso os clichês do gênero. Fiz uma resenha mais detalhada no instagram. Menções honrosas: Mrs. Dalloway, clássico de Virginia Woolf (que, na verdade, foi o único livro de julho para o qual dei 5 estrelas, então a rigor deveria ser o favorito, mas é uma leitura complexa e esse mês dei mais valor ao entretenimento por si) e Caninos Brancos, de Jack London, uma história emocionante contada do ponto de vista de um lobo.

Filme favorito: Ford v Ferrari. Demorei pra ver porque 1. é longo demais (saudade dos filmes de duas horas) e 2. achei que não gostaria de um filme sobre carros. Bom, o filme é longo mesmo, mas eu não cortaria nada. A história é tensa e envolvente, misturando drama humano e ação em doses exatas e contando com atuações impecáveis. Nunca achei que gostaria de um filme sobre carros (nem da animação da Pixar eu gostei tanto), mas acabei amando. O bônus para a minha geração é relembrar a adrenalina das corridas de Fórmula 1 das manhãs de domingo nos anos 80 (depois ficou bem sem graça), embora o filme não trate de Fórmula 1.

Série favorita: Diário de um Confinado, de Bruno Mazzeo (cuja voz me lembra demais a do pai, o grande Chico Anysio). Ri demais e me identifiquei muito, especialmente no episódio em que ele faz exercícios (não sou sedentária como o protagonista, mas isso não me impede de xingar muito os apps que uso). Menção honrosa: Dark, que só comecei a ver depois do finale e não me decepcionei.

Novidade: o app Down Dog substituiu o 7 Minutos na minha rotina. Andava meio enjoada do 7 Minutos (mas é bom, uso há anos) e o Down Dog está de graça até janeiro, então é uma boa oportunidade para testar e pensar se vale a pena a compra. Na verdade é um conjunto de apps e baixei três deles: Yoga, HIIT e 7 Minute Workout. Por enquanto só testei o HIIT (achou que seria o 7 Minute, né?), mas pretendo em breve testar o Yoga, assim que meu estoque de vídeos da Adrienne esgotar.