A primeira Bienal, a gente nunca esquece.

Quando eu tinha 11 anos, visitei uma feira do livro pela primeira vez. Lembro do meu encantamento com a imensidão do espaço, o número de expositores e, claro, a quantidade de livros! Nunca tinha visto tantos num só lugar. A escala era impressionante, nada comparável às livrarias ou bibliotecas que eu conhecia.

Logo depois, descobri que existia um negócio chamado Bienal do Livro em São Paulo, e já nasceu o sonho de um dia conhecer a tal Bienal.

Vai daí que vim morar em São Paulo em 2015 e, ora, obviamente aproveitei pra conhecer a Bienal em 2016, né? Não, não mesmo. Tenho cada vez menos tolerância com multidões, odeio filas e confesso que a visita à CCXP (Comic Con Experience) em 2015 (e de novo em 2016, por quê?!) me deixou um tanto traumatizada com relação a qualquer evento de grande porte em São Paulo (aliás, São Paulo em si é um evento de grande porte que não deu certo).

Bienal do Livro em São Paulo 2018
No stand da Amazon dava para experimentar o kindle.

Mas a vontade continuou… e este ano tomei coragem. Dei uma olhada na programação, escolhi um dia de semana com palestras que me interessavam (nem olhei o roteiro dos fins-de-semana, eles foram descartados de cara) e… não é que adorei?

Cheguei na Bienal na terça-feira (07/08), umas onze da manhã. O transporte foi fácil: metrô até a estação Portuguesa-Tietê, depois um trajeto de 5 minutos feito com ônibus gratuito oferecido pela organização da Bienal. Problema: a sinalização de onde pegar o transporte gratuito é pífia. Pergunte e torça para que passem a informação correta. Até o motorista do ônibus resolveu sacanear quem estava esperando no lugar errado, dizendo que pararia no começo da rua seguinte, quando na verdade o “ponto” é no fim da tal rua. O lugar, aliás, é bem degradado e sujo, e não há proteção contra chuva. Na chegada à Bienal, o ônibus pára bem depois da entrada (se estiver chovendo, você se dá mal), em local também sem sinalização. Com tudo isso, ainda acho a combinação metrô+ônibus grátis a melhor forma de chegar à Bienal. Uma boa alternativa é pegar um táxi/uber na saída da estação de metrô – a corrida custará menos de 10 reais. Qualquer coisa é melhor que pagar incríveis 40 reais pelo estacionamento.

Na entrada, mostrei na catraca o ingresso comprado pelo celular (não precisa imprimir) e não peguei fila nenhuma. Maravilha!

Fui direto para o último corredor (são organizados de A a O) e visitei a exposição “de trás pra frente”. Há vários banheiros (nas laterais do centro de exposições) e não tinham fila. A limpeza era precária, não pela falta de gente limpando, mas pela porquice dos usuários mesmo (ouvi as faxineiras comentando que duas crianças fizeram “número 2” no chão). Há bebedouros junto aos banheiros. Levar uma garrafinha de água ajuda bastante. A comida é cara como dizem? Em regra, é. Por outro lado, há guloseimas variadas e acessíveis, como sorvetes e brigadeiros. Também vi um restaurante no mezanino por 32 reais (não lembro se por pessoa ou por quilo) que pode ser uma boa opção pra quem não conseguiu se planejar e quer uma comida saudável. Eu preferi levar polenguinho e castanhas (mas sucumbi a um brigadeiro de ovomaltine, que nem estava tão bom assim).

A melhor decisão foi escolher o dia da visita com base na programação. Descobri que a melhor parte da Bienal não são os livros, mas os eventos que acontecem no meio deles.

Bienal do Livro em São Paulo 2018
Stand da Microsoft – o futuro das salas de aula é a realidade virtual.

Assisti ao debate “O feminismo e a literatura”, com as escritoras Martha Batalha, Carola Saavedra, Aryane Cararo e Duda Porto. Saí de lá cheia de coisas pra pensar e de recomendações de livros pra ler (talvez role um texto só pra ele em breve). Também vi uma entrevista com a dubladora Carol Crespo, voz oficial de Emilia Clarke no Brasil (Como eu era antes de você; a Daenerys de Game of Thrones). Esses eventos foram, sem dúvida, minha parte favorita da Bienal.

Bienal do Livro em São Paulo 2018
Muro do stand da Cia. das Letras. Muita vontade de ler “Mulheres Extraordinárias”!

Além disso, havia muitas montagens bacanas para tirar fotos (quase sem filas, por ser dia de semana) e vários expositores com livros baratos. Havia uma infinidade de livros infanto-juvenis por 10 reais ou menos. Minha meta era não comprar livro algum (porque prefiro ler no kindle e porque já fui muito consumista com livros e prefiro evitar a tentação), mas acabei comprando uns infanto-juvenis para presentear – os três custaram 20 reais no total. Rolou também comprinha nerd – uma placa por 20 reais e um bottom por 5.

Bienal do Livro em São Paulo 2018
Comprinhas.

Falando em crianças, o segundo maior desafio na Bienal é desviar dos bandos de adolescentes e dos grupos de escola (o primeiro é não comprar livros mesmo). Não dá pra criticar, né? Precisamos mesmo cultivar gerações de leitores.

Bienal do Livro em São Paulo 2018

Saí da Bienal no fim da tarde, cansada e muito feliz por ter ido.

Em 2020 tem mais!

Panqueca Low Carb

Essa não é aquela panqueca doce de café-da-manhã americano, mas sim aquela panqueca do almoço de domingo. É fácil de fazer e, nessa versão, é perfeita para quem monitora o consumo de carboidratos.

Ingredientes

  • 6 colheres (sopa) de creme de leite (que não seja light)
  • 4 colheres (sopa) de farinha de amêndoas
  • 4 colheres (sopa) de queijo ralado
  • 3 ovos
  • 1 pitada de sal
  • outros temperos a gosto (opcional)

Você também precisará de

  • Frigideira média ou grande
  • um pouco de azeite ou manteiga

Preparo

Misture todos os ingredientes com um garfo, um fouet ou um mixer.

Coloque o azeite ou a manteiga na frigideira e leve ao fogo. Quando estiver quente, despeje um quarto da massa no centro da frigideira e rapidamente leve a massa para as bordas.

Panquecas Low Carb

Após um minuto ou dois, a massa já estará sequinha o suficiente para virar. Vire para dourar e está pronta a primeira panqueca. Não é necessário untar a frigideira para fazer as seguintes.

Recheie com o que quiser. As da foto foram recheadas com as sobras de um lombo de porco que eu tinha feito na slow cooker. Desfiei, esquentei, enrolei e comi.

Dicas e Complementos

Você pode cobrir as panquecas com molho de tomate (ou outro molho low carb) e queijo e levar para gratinar no forno pré-aquecido em temperatura alta por 10 minutos, ou até que o queijo derreta.

A substituição da farinha de amêndoas por outros tipos de farinha alterará a textura e a quantidade de carboidratos da receita. Faça por sua conta e risco.

Essa massa é cremosa e é necessário espalhar rápido pela frigideira para conseguir a forma de panqueca. Não é uma massa fininha como a tradicional. Se achar que está muito grossa, adicione uma colher (sopa) e água e misture novamente.

  • Tempo de preparo: 20 minutos
  • Grau de dificuldade: fácil
  • Rendimento: 4 panquecas grandes

 

Crie o tempo para fazer o que você ama todos os dias.

Não é fácil, né? O trabalho, a família, o trânsito, as obrigações sociais, o curso, a academia… ufa, acabou o dia, acabou a semana, acabou o mês, acabou o ano.

E você não fez nada do que realmente queria fazer. Não se dedicou àquele projeto, não cumpriu a resolução de ano novo de voltar a ir ao cinema, não retomou aquele hobby que te fazia tão bem.

Nunca dá tempo.

Bem, que tal criar o tempo?

Que tal dedicar pelo menos meia hora do dia, todos os dias, a fazer algo pra você, simplesmente porque você ama fazer?

Que tal, por apenas meia hora, deixar de lado as obrigações, as cobranças, a necessidade de deixar tudo em dia, e fazer algo apenas porque te dá prazer?

Se isso te parece um luxo, é hora de mudar de ideia. Fazer o que você ama significa – sei que soará piegas, mas… fazer o que você ama significa amar-se, e só quem se ama pode cuidar dos outros, trabalhar bem, produzir.

Pensando nisso, o Leo Babauta propõe um desafio: durante o mês de maio, tirar meia hora por dia, todos os dias, para fazer o que você ama. Pode ser desenvolver uma habilidade, ler, dar uma volta, meditar, escrever, blogar… qualquer coisa, desde que seja feito única e simplesmente porque você ama fazer, não porque precisa.

“Mas onde vou arranjar o tempo?”. Tire meia hora da tv ou das redes sociais. Use parte da sua hora de almoço. Acorde mais cedo. É só meia hora do seu dia. Se você escolheu algo que ama de verdade, já tem a motivação necessária pra arranjar o tempo.

Maio está no comecinho, portanto ainda dá tempo de embarcar no desafio. Se você quiser, pode compartilhar no twitter usando a hashtag #dowhatyoulovedaily.

Estou dedicando meia hora do meu dia, todos os dias, ao lettering, meu mais novo hobby (eu sei, eu disse que não arranjaria outro hobby mas, em minha defesa, ele pode ser considerado uma vertente do desenho, que comecei a praticar em 2017… oh céus, a verdade é que falhei miseravelmente no objetivo de não inventar um novo hobby em 2018). Tenho acordado um pouco mais cedo pra achar o tempo e me divirto horrores com papéis, canetas e aprendizado.

Quem aceita o desafio?

O método da Marie Kondo é bacana?

De vez em quando, alguém que sabe do meu interesse por minimalismo me pergunta se li A Mágica da Arrumação, de Marie Kondo. Bom, eu li logo depois do lançamento, anos atrás, e até cheguei a escrever um post pro blog, mas o rascunho se perdeu e acabei deixando pra lá.

A Mágica da Arrumação foi um baita sucesso e introduziu o método konmarie, um trocadilho com o nome da autora. Na prática, o método konmarie consiste em destralhar a casa inteira no menor tempo possível, descartando tudo que não é usado ou não traz alegria (a pergunta a fazer diante de cada objeto tornou-se famosa em inglês: does it spark joy?).

Outro ponto central do método é organizar as coisas por categoria e não por cômodos. Quer dizer, você não deveria deixar uma tesoura na cozinha e outra no escritório, parte da maquiagem no quarto e parte no banheiro etc., mas reunir em um só espaço os objetos que pertencem à mesma categoria, para evitar excessos e duplicatas desnecessárias.

O livro dá outras dicas menores, como arrumar a bolsa com frequência e dobrar as camisas de forma que todas possam ser vistas ao mesmo tempo quando se abre a gaveta.

E o que eu acho disso tudo?

Todo método é bom se ajuda você a se organizar, a destralhar, a viver uma vida mais simples e tranquila. Então, se você quiser testar o método konmarie, compre o livro e ponha em prática (o livro é fininho e você consegue ler em uma tarde).

Dito isso, eu não costumo recomendar as ideias da Marie Kondo, não, por vários motivos.

O que mais me desagrada é a rapidez com que a autora espera que alguém destralhe toda a casa. Isso pode gerar um efeito rebote, uma sensação de vazio que pode levar a um ataque de compras compulsivo. Isso é sério. Muita gente não suporta ver espaços vazios em casa, por isso junta tantos enfeitinhos, caixinhas, livros, cabides etc. Imagina uma pessoa assim aderindo ao método konmarie e destralhando a casa toda de uma vez: a probabilidade de que essa pessoa se sinta agoniada e torne a preencher os espaços vazios logo que possível é muito grande. Pode ser, também, que ela não torne a preencher os vazios (pelo menos não tão rápido), mas guarde uma sensação de perda e de arrependimento por anos, afetando futuras decisões de consumo, de organização e de destralhamento.

Não me agrada essa abordagem radical, de verdade. Acho que ela funciona bem em programas de tv (que nunca mostram como está a casa da pessoa cinco ou dez anos depois), mas o minimalismo não é, ou não deveria ser, uma “dieta da moda”, e sim uma mudança de estilo de vida. E toda mudança de estilo de vida leva tempo para se consolidar.

Outra coisa que me cai mal é o lema “isso me traz alegria?” para decidir o que deve ser descartado e o que deve ficar. Esse método pode levar a pessoa a um beco sem saída, em que tudo, ou quase tudo, “traz alegria” e, por isso, nada é destralhado. É curioso como a Marie Kondo inicia seu método com uma abordagem super prática (“jogue tudo fora”, ou quase isso) para depois sucumbir a uma reação emocional sobre as coisas.

Coisas devem nos servir, não o contrário. É altamente improdutivo desenvolver conexões emocionais com objetos e é justamente esse tipo de comportamento que leva à acumulação (patológica em alguns casos). Não tenho que pensar se um objeto me traz alegria, e sim se ele me é útil, se combina com meu estilo de vida e se me proporciona ganhos superiores a eventuais frustrações (como a obrigação de manter o objeto limpo/funcionando e de gastar um espaço da minha casa com ele).

“Mas e os objetos com valor sentimental?” Ora, é super normal ter um punhado de objetos com valor sentimental e poucas pessoas conseguem se livrar totalmente deles. Aí, o segredo é separar um pequeno espaço (uma gaveta, uma caixa, algo assim) para guardá-los, fazendo uma curadoria para realmente só manter o que traz boas e fortes lembranças. O resto pode ser fotografado antes de ser descartado, ou pode simplesmente ir pro lixo quando a gente percebe que o que importa são as memórias, não as coisas.

Se você entende inglês, recomendo a leitura do post Does it spark joy? para mais reflexões sobre esse ponto.

Por fim, a dica de manter todas as coisas da mesma categoria no mesmo lugar é perfeita quando se está no meio do processo de destralhamento e organização, mas pode ser bem improdutiva no dia-a-dia. Durante a fase de destralhe, serve para evitar duplicatas e redundâncias inúteis. No dia-a-dia, porém, pode ser interessante manter uma caneta e um bloco na mesa de cabeceira e outro kit desses no escritório (caso você use ambos em diferentes momentos do dia), pode ser prático deixar o batom de uso mais frequente no banheiro e não no quarto (lembrando que maquiagem em geral deve ser guardada em local seco, o banheiro é úmido demais e ela acaba estragando mais rápido). O minimalismo serve, antes de mais nada, para simplificar a vida e eventuais “regras” devem ser adequadas à realidade de cada pessoa.

Acho bacana que A Mágica da Arrumação tenha se tornado um best seller em 2014 e colocado em evidência temas como organização e minimalismo numa época em que apenas um punhado de blogs falava do assunto (hoje o tema anda na moda). O livro é fininho, de leitura fácil e pode ser um bom começo para quem está pensando em livrar-se dos excessos consumistas. Mas é importante saber que o método konmarie não é o único, não é o ideal pra todo mundo e não é completo.