Fahrenheit 451

Livro da vez: “Fahrenheit 451”, de Ray Bradbury, livro de novembro do projeto #lendoscifi.

Guy Montag é um bombeiro, e seu trabalho é queimar livros. Em algum momento, o governo convenceu as pessoas de que livros são coisas fúteis, difíceis e que causam apenas tristeza. Nessa sociedade distópica, quase todos estão felizes em passar o dia inteiro na frente de telas de TV, em um estado quase hipnótico, convencidos de aqueles personagens do outro lado são sua “família”. Pensar dá trabalho, afinal de contas.

Posso pensar em dois ou três governantes que adorariam transformar essa ficção em realidade.

“Fahrenheit 451”, “1984” e “Admirável Mundo Novo” formam a “santíssima trindade” das distopias. Embora sejam considerados clássicos, são de leitura fácil e são uma excelente porta de entrada para a ficção científica por contrariarem a noção geral de que scifi é só viagem no tempo e nave espacial.

Em tempos de desinformação, “Fahrenheit 451” é leitura imprescindível.

Estrelinhas no caderno: 5 estrelas

O Médico e o Monstro

Livro da vez: “O médico e o monstro”, de Robert Louis Stevenson, última leitura do ano do projeto #lendoscifi.

Ou “O estranho caso da história que todo mundo pensa que conhece, mas não é bem assim”.

A transformação do Dr. Jekyll em Mr. Hyde está meio que no inconsciente coletivo, graças às inúmeras adaptações e referências, de Pernalonga ao Incrível Hulk. Mesmo assim, o livro me surpreendeu. Eu não conhecia as motivações do Jekyll, nem as vilanias do Hyde, e ambos os aspectos geraram um debate interessante no grupo.

A forma como a história é narrada é bem interessante, incluindo cartas e trechos de jornal, tudo para criar uma aura de realismo apesar do tema fantástico.

A ficção científica está ali, mas bem de tênue. Nisso, o livro lembra Frankenstein. Também são parecidos pela egolatria humana e, em menor grau, pela relação entre criador e criatura.

um livro fininho e sem dúvida um clássico que merece ser lido. Fechou com chave de outro o #lendoscifiano2. Já aguardo ansiosamente pelo #lendoscifiano3. Quer entrar na roda? Fala com a @soterradaporlivros!

Estrelinhas no caderno: 5 estrelas

Justiça Ancilar

Livro da vez: “Justiça Ancilar”, por Ann Leckie.

Breq é uma soldado auxiliar não-humana e solitária em uma missão que parece quase impossível e provavelmente mortal. Encontra Seivarden, um capitã radchaai por quem não tem estima e que pode atrapalhá-la, mas por alguma razão resolve salvar-lhe a vida. Juntas, passarão por várias dificuldades enquanto Breq se aproxima de seu alvo e o leitor conhece algo do seu passado.

Parece promissor, mas quase nada nesse livro me interessou. Depois dos 50%, a leitura até fluiu bem e a intriga política me chamou a atenção, mas não o suficiente para ler os dois volumes seguintes (ah, a incapacidade em contar uma história com começo, meio e fim num único livro…).

Muitos conceitos são estranhos, mas não propriamente originais. A própria Breq me lembrou o tempo inteiro os borgs de Star Trek. Tem essa questão de ela ajudar alguém por quem sequer tinha apreço logo no começo, o que não faz sentido e acontece apenas para possibilitar algo lá na frente. E ainda há a questão do gênero: o império radchaai (o futuro da humanidade daqui a muitos e muitos séculos) não usa nenhum pronome de gênero além de “ela”. Poderia ser interessante se tivesse algum propósito na trama, mas só confunde mesmo.

Para definir o livro em uma palavra: pretensioso.

Estrelinhas no caderno: 2 estrelas

Ritos de Passagem

“Adulthood Rites” (“Ritos de Passagem”), de Octavia E. Butler, foi o sexto (e último) livro da maratona #JornadaLendoSciFi, organizada pela @soterradaporlivros. E que livro.

A história começa um livro antes, com “Dawn” (“Despertar”). Nele descobrimos que a humanidade finalmente conseguiu se destruir e quase destruiu a Terra no processo. A espécie humana foi salva da extinção por uma raça alienígena, os Oankali, que estão recuperando a espécie e o planeta, mas não de graça (eu ia dizer o que eles querem em troca, mas acho melhor que você descubra durante a leitura). Lilith é a primeira humana a ser acordada da animação suspensa pelos Oankali e tem a missão de ser a ponte entre essa espécie estranha e os humanos remanescentes. Se tudo der certo, terá a missão de guiá-los de volta à Terra.

“Adulthood Rites” não se centra em Lilith, mas em Akin, um de seus muito filhos – dela e de outros quatro pais biológicos, entre humanos e Oankali. Não posso falar mais da história sem dar spoilers do primeiro livro. Se “Despertar” pode ser lido isoladamente, “Ritos de Passagem” depende do primeiro da trilogia e deixa um gancho enorme para o terceiro, “Imago”. O gancho é tão grande que acabei emendando a leitura (e nada aconteceu como eu esperava).

“Imago” se passa uns cem anos depois de “Dawn” e demora a engrenar, mas vale a pena. É narrado em primeira pessoa por Akin, outro filho de Lilith, um ser único que terá desafios enormes pela frente.

A Trilogia Xenogênese é o que há de melhor na ficção científica: de um lado, a exploração dos limites da ciência e da criatividade (nunca li nada tão alien e que me causasse tanto estranhamento quanto os Oankali); de outro, indagações que podem ser transportadas para o cotidiano. A mais visível delas é a questão do consentimento, mas a trilogia aborda outros temas profundos, como racismo, eugenia, ecologia e a velha natureza humana. Será que temos conserto? Há esperança para a humanidade?

Os dois primeiros livros já estão traduzidos para o português e “Imago” estava previsto para 2020. Alguma novidade, @editoramorrobranco?

Estrelinhas no caderno: 5 estrelas para os dois primeiros e 4 estrelas para o terceiro.