Constantine

Ficha técnica

Constantine. EUA, 2005. Aventura. 121 min. Direção: Francis Lawrence. Com Keanu Reeves, Rachel Weisz e Djimon Houson.

Um experiente ocultista e uma policial cética investigam o assassinato da irmã gêmea dela.

Mais informações: Adoro Cinema.

Comentários

5 estrelas

Constantine é excelente – vale ir ao cinema para vê-lo, especialmente porque em DVD algumas cenas perderão o impacto. Efeitos visuais ótimos, trama muito interessante (corroborando uma – sim, porque sou inconstante até nisso – das minhas teorias sobre essa história toda de Céu e Inferno), Keanu Reeves em interpretação convincente (fácil, fácil, a gente se esquece de que ele é o Neo), um ou outro momento divertido para aliviar a tensão. Quem não deve ter gostado do filme é a Sousa Cruz.

Adaptação para o cinema dos quadrinhos Hellblazer.

Doze Homens e Outro Segredo

Ficha técnica

Ocean’s Twelve. EUA, 2004. Aventura. 92 min. Direção: Steven Soderbergh. Com George Clooney, Brad Pitt, Julia Roberts, Matt Damon e Catherine Zeta-Jones.

Desta vez, Daniel Ocean (Clooney) recruta sua equipe para ir à Europa conseguir dinheiro para saldar uma dívida. Do mesmo diretor de Onze Homens e um Segredo (2001).

Mais informações: Adoro Cinema.

Comentários

5 estrelas

Quem gostou do primeiro filme vai adorar a seqüência. Na verdade, acredito que Doze Homens e Outro Segredo esteja bem melhor que seu antecessor. A aventura está bem mais ágil. As piadas são freqüentes, mas nada que sequer se aproxime do pastelão. Uma das melhores debocha de Daniel Ocean e, ao mesmo tempo, do ator George Clooney. Outra está nos créditos finais, bem rapidinha mesmo.

A atenção do espectador é exigida do começo ao fim, numa história com bastante movimento e algumas reviravoltas.

Os atores estão ótimos. Infelizmente, como aconteceu no primeiro filme, não é possível desenvolver todos os personagens, concentrando-se a ação em três ou quatro.

Um terceiro filme com a gangue mais carismática do cinema não seria má idéia.

Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban

Ficha técnica

Harry Potter and the Prisioner of Azkaban. EUA, 2004. Aventura. 136 min. Direção: Alfonso Cuarón. Com Daniel Radcliffe, Emma Watson, Rupert Grint, Gary Oldman e David Thewlis.

Na terceira aventura baseada na obra homônima de J.K. Rowling, o estudante de magia Harry Potter está em perigo, depois que um bruxo, supostamente envolvido com a morte de seus pais, escapa da prisão de Azkaban.

Mais informações: Adoro Cinema.

Comentários

3 estrelas

Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban é um bom filme, bem conduzido e com um visual muito bonito. A adaptação foi bem feita. Ok, muita coisa foi cortada. Mas ninguém falou em transcrição fiel, certo? Seria impossível fazer isso. O essencial do livro está lá, de uma forma cativante, prendendo a atenção do começo ao fim – mais de duas horas de filme, que nem senti passar. Isso é o que importa.

Notinha: para a minha felicidade, não havia nenhuma criança no cinema.

Anjos da Noite – Underworld

Ficha técnica

Underworld. EUA/Alemanha/Inglaterra/Romênia, 2003. Aventura. 121 min. Direção: Len Wiseman. Com Kate Beckinsale, Scott Speedman e Michael Sheen

No meio de uma guerra entre vampiros e lobisomens, uma bela vampira guerreira tenta descobrir por que os rivais estão atrás de um humano.

Mais informações: Adoro Cinema.

Comentários

3 estrelas

Adoro histórias de vampiros. Vi Entrevista com o Vampiro no cinema e vejo novamente sempre que o SBT exibe. Li todas as Crônicas Vampirescas, da Anne Rice, exceto a mais recente. Vampire é meu jogo de RPG favorito – na verdade, o único de que realmente gosto. Ainda não li Drácula, mas pretendo cobrir logo essa lacuna. Assim sendo, não poderia deixar de assistir a Underworld (quem inventou o título em português?!).

É um filme para quem gosta do gênero. Os que já jogaram Vampire não podem perder. Vão identificar diversos conceitos do jogo e reconhecer alguns dos clãs.

Se você curte fantasia e não fica o tempo todo dizendo “Nossa, isso é um rematado absurdo!”, também será capaz de apreciar o filme.

A história é, repetindo o que diz um dos personagens lá pelas tantas, a mais antiga de todas: o amor impossível. Um Romeu e Julieta do submundo, onde não há Montéquios e Capuletos, mas vampiros e lobisomens (lycans). É o amor e a incapacidade das “famílias” em aceitar diferenças que conduzem o filme. Em meio a isso, há muita ação, batalhas e pirotecnia, com direito a abundante uso da computação gráfica (nem sempre bem aplicada). Não é uma historinha “água com açúcar” – na verdade, é possível apreciar a ação sem dar crédito ao pano de fundo.

Não espere uma obra prima do cinema, sequer em efeitos especiais. É um entretenimento leve, capaz de empolgar quem gosta do gênero e, penso eu, de entediar quem não gosta.