Filmes favoritos em julho de 2022

Comecei a usar o Letterboxd, organizando os filmes vistos em listas separadas por meses e por serviços de streaming. Se quiser seguir, é lumonte. Vale lembrar que os filmes mudam de serviços de streaming e a forma mais fácil de pesquisar é usando o JustWatch (às vezes até lá está errado, mas ainda é a melhor opção).

Recentes

O Mauritano (2021): a história real de um sujeito que passou anos preso em Guatanamo, acusado de envolvimento com o atentado de 11/09. Bônus: Benny Cumberbatch.

Homem-Aranha: Sem Volta para Casa (2021): provavelmente o melhor filme do MCU. Divertido, dinâmico, sem longas e tediosas cenas de batalha. Valeu a pena ver os dois primeiros (que são bons, aliás) para chegar nele.

Escrevendo com Fogo (2021): documentário sobre mulheres dalit (intocáveis, a mais baixa casta indiana) que tocam um jornal local, superando preconceitos e ganhando cada vez mais relevância. O pano de fundo é a ascensão supostamente democrática de um governo fundamentalista.

Medida Provisória (2020): me lembrou O Conto da Aia e a Margaret Atwood falando que não inventou nada do que está naquele livro. Bem conduzido, tenso e assustador porque não apresenta um realidade impossível.

Marjorie Prime (2017): para ajudar Marjorie a superar o luto, um holograma atua como se fosse o marido recentemente falecido. Ficção científica sobre morte, memória e família.

Direto do Túnel do Tempo

Paris, Texas (1984): Wenders (que depois dirigiu Asas do Desejo) usa cores vivas que me fizeram pensar em Bergman e planos abertos que lembram Sergio Leone para contar um mistério: por que Travis desapareceu, abandonando o próprio filho, e o que aconteceu com a mãe da criança?

Luzes da Ribalta (1952): Chaplin faz um comediante em decadência socorre uma jovem à beira da morte e a ajuda a reequilibrar-se sobre suas pernas. Filme sensível e triste.

Festim Diabólico (1948): Hitchcock começa esse suspense extraindo dele todo o mistério, já que sabemos quem morreu e quem matou. A tensão se desenvolve na festa que acontece logo após o assassinato, com um aceno a Crime e Castigo.

Este mundo é um hospício (1943): Cary Grant deixa de lado o papel de galã e protagoniza uma comédia física hilariante.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.