Livro: “Chuva de Papel”

Livro da vez: Chuva de Papel, de Martha Batalha.

Joel é um jornalista septuagenário aposentador, amargurado, conservador e misógino que se revela incapaz de tirar a própria vida. Como ninguém o tolera, acaba precisando contar com a caridade da tia idosa de um antigo pupilo, e sequer consegue ser grato no início.

O cara é insuportável e eu não estava interessada na vida dele, mas aos poucos essa senhora idosa, a Glória, começa a ganhar espaço na história, junto com sua vizinha Aracy. As reminiscências dos protagonistas se misturam ao tempo presente, o cotidiano mesquinho se entrelaça com grandes tragédias e essa colcha de retalhos se torna mais interessante a cada página.

Martha Batalha sabe narrar com maestria as vidas da classe média e, embora seus livros se situem no subúrbio do Rio de Janeiro (ao menos os dois que já li), os dramas são mais amplos que a geografia.

Recomendo para quem gostou de A vida invisível de Eurídice Gusmão ou para quem busca uma escritora brasileira contemporânea e madura. 4 estrelas

52 livros com menos de 200 páginas

Desde 2020, minha meta de leitura é de 52 livros por ano, ou seja, um por semana. Alguns livros tomam mais tempo, outros são rapidinhos.

De vez em quando alguém me pergunta como faço pra ler “tanto” (tem muita gente que lê bem mais que isso) e a resposta é simples: hábito. Só que criar ou retomar o hábito da leitura é bem difícil, como descobri depois de passar anos sem conseguir ler meia dúzia de livros por ano. Quando quis voltar para os livros, comecei com 15 minutos de leitura por dia, marcados no cronômetro porque não era fácil. Hoje, meu dia começa com uma caneca gigante de café e mais ou menos uma hora de leitura.

Uma boa estratégia para quem está (re)começando a ler por prazer é escolher livros pequenos. A sensação de ver a lista de livros lidos aumentando é recompensadora e ajuda a fortalecer o hábito.

Pensando nisso, e considerando que ainda estamos no comecinho de 2024, deixo uma lista de 52 livros com menos de 200 páginas para motivar você. Escolha um por mês, um a cada duas semanas ou simplesmente leia aleatoriamente, sem cronograma ou meta. O importante é se divertir.

Todos estão disponíveis em ebook e o link leva à página da Amazon.

  1. A paixão segundo G. H., Clarice Lispector – 180 páginas
  2. Os últimos casos de Miss Marple, Agatha Christie – 192 páginas
  3. Essa gente, Chico Buarque – 200 páginas
  4. A mão e a luva, Machado de Assis – 138 páginas
  5. Todo mundo adora Saturno, Fal Azevedo – 172 páginas
  6. Ratos e homens, John Steinbeck – 144 páginas
  7. O menino do pijama listrado, John Boyne – 192 páginas
  8. Crônica de uma morte anunciada, Gabriel García Márquez – 160 páginas
  9. Bonequinha de luxo, Truman Capote – 152 páginas
  10. Nossas noites, Kent Haruf – 160 páginas
  11. O santo e a porca, Ariano Suassuna – 167 páginas
  12. O Auto da Compadecida, Ariano Suassuna – 192 páginas
  13. O exército de um homem só, Moacyr Scliar – 160 páginas
  14. Sete minutos depois da meia-noite, Patrick Ness – 160 páginas
  15. A Ocupação, Julián Fuks – 136 páginas
  16. O Curioso Caso de Benjamin Button, F. Scott Fitzgerald – 96 páginas
  17. Feliz Ano Novo, Rubem Fonseca – 184 páginas
  18. O Mundo Resplandecente, Margaret Cavendish – 152 páginas
  19. O Vilarejo, Raphael Montes – 96 páginas
  20. Nada de faltará, Lourenço Mutarelli – 144 páginas
  21. Diário da Queda, Michel Laub – 152 páginas
  22. Os Elefantes Não Esquecem, Agatha Christie – 168 páginas
  23. Bambi, a história de uma vida na floresta, Félix Salten – 152 páginas
  24. A Máquina do Tempo, H. G. Wells – 112 páginas
  25. Uma aprendizagem: ou O livro dos prazeres, Clarice Lispector – 160 páginas
  26. A vida invisível de Eurídice Gusmão, Martha Batalha – 192 páginas
  27. A revolução dos bichos, George Orwell – 152 páginas
  28. A Metamorfose, Franz Kafka – 144 páginas
  29. Mrs. Daloway, Virginia Woolf – 159 páginas
  30. Ninguém escreve ao coronel, Gabriel García Márquez – 96 páginas
  31. The Outsiders: Vidas Sem Rumo, S. E. Hinton – 200 páginas
  32. Flores Azuis, Carola Saavedra – 156 páginas
  33. A Casa Torta, Agatha Christie – 190 páginas
  34. Fahrenheit 451, Ray Bradbury – 184 páginas
  35. O Médico e o Monstro, Robert Louis Stevenson – 160 páginas
  36. Depois, Stephen King – 192 páginas
  37. A Filha Perdida, Elena Ferrante – 176 páginas
  38. Coraline, Neil Gaiman – 161 páginas
  39. Parque Industrial, Patrícia Galvão – 112 páginas
  40. Uma rosa só, Muriel Barbery – 176 páginas
  41. Um homem só, Christopher Isherwood – 183 páginas
  42. Padre Sérgio, Liev Tolstói – 111 páginas
  43. Carmilla: A Vampira de Karnstein, Joseph Thomas Sheridan Le Fanu – 96 páginas
  44. Movimento 78, de Flávio Izhaki – 184 páginas
  45. Hellraiser – Renascido do Inferno, de Clive Barker – 160 páginas
  46. O Chamado da Floresta, Jack London – 109 páginas
  47. O amor é fogo, Nora Ephron – 192 páginas
  48. A pequena caixa de Gwendy, Stephen King e Richard Chizmar – 168 páginas
  49. Primeira pessoa do singular, Haruki Murakami – 168 páginas
  50. Um Destino Ignorado, Agatha Christie – 195 páginas
  51. O Coração das Trevas, Joseph Conrad – 123 páginas
  52. Floresta é o nome do mundo, Ursula K. Le Guin – 157 páginas

Filmes favoritos em dezembro de 2023

Recentes

O Mundo Depois de Nós (2023): uma escapada do dia a dia rumo a um AirBnB no interior se torna uma experiência insólita. Estou no time das pessoas que adoraram o filme que, embora seja clichê na fotografia e até na trilha sonora, tem um roteiro excelente. 4 estrelas

Barbie (2023): abaixo o patriarcado! Barbie é mesmo tão bom quanto dizem: ótimos diálogos e momentos bem divertidos. 4 estrelas

Gato de Botas – O Último Desejo (2022): diversão garantida com o gato mais charmoso do cinema. Visual lindo, dublagens excelentes com sotaques deliciosos. 5 estrelas

Caminho da Liberdade (2010): um grupo de prisioneiros de um gulag resolve atravessar a Sibéria, a Rússia, a Mongólia etc. a pé em busca da liberdade. Bela fotografia e história suficiente para que eu me importasse com os destinos dos fugitivos. 4 estrelas

Os Indomáveis (2007): não sou muito fã de faroeste, mas esse me fisgou pelos embates verbais entre mocinho e bandido, e também pelo fato de que o mocinho não é tão mocinho, tampouco o bandido é tão bandido (não, péra, é sim, mas é um personagem bem construído). 4 estrelas

A Noiva-Cadáver (2005): um moço quer casar com uma moça, mas acaba pedindo em casamento uma cadáver. Morbidez cômica, belo visual. Virou meu filme favorito do Tim Burton. 5 estrelas

Direto do Túnel do Tempo

A Prova (1991): um cego não confia em ninguém e desenvolve um meio de testar a veracidade do que lhe dizem por meio de fotografias. O filme é um misto de tensão com momentos divertidos. Uma história incomum e muito bem contada. 5 estrelas

Batman (1989): um filme de super-herói que se sustenta pelas atuações e diálogos, não por uma sucessão de pow-soc-bam e mil efeitos visuais. 4 estrelas

The shoot horses, don’t they? (1969): achei que ia ver um filme bobo sobre uma competição de dança, terminei o filme quebrada. Terrível, recomendo. 5 estrelas

Cantando na Chuva (1952): clássico dos musicais de Hollywood. Tão clássico que eu jurava que já tinha visto. Tem os números de dança mais ecônicos do cinema e uma boa história. 5 estrelas

Onde assistir: https://www.justwatch.com

Livro: “Mariposa Vermelha”

Livro da vez: Mariposa Vermelha, de Fernanda Castro.

Amarílis tem poderes mágicos, mas vive em uma sociedade que persegue pessoas como ela, então passa a vida ocultando seus dons. Um dia, contudo, tomada de raiva após, decide invocar um demônio para ajudá-la a matar uma pessoa. Tolú é o demônio que a atende e a relação entre eles não se desenvolve exatamente como Amarílis esperava.

O livro merecia mais páginas dedicadas ao background de Amarílis (no começo mesmo, não durante a história) para justificar as suas escolhas A Flor de Lótus, grupo que aparece de forma meio súbita na história, é interessantíssima. Alguns lances poderiam ser mais desenvolvidos, como a própria Flor de Lótus e a personalidade do senhorio da protagonista. Ou seja: diferente do que acontece com tantos livros desnecessariamente prolixos, esse é mais enxuto do que precisaria ser. Algumas questões que só são abordadas na terceira parte poderiam ter surgido antes em um contexto mais natural e fundamentando melhor alguns comportamentos.

A escrita de Fernanda Castro é excelente. A autora domina o idioma (há uns deslizes de colocação pronominal que a revisão poderia ter corrigido) e evita clichês. Eu teria preferido nomes próprios mais diversos, o uso de plantas/flores me pareceu um recurso meio infantil.

Independentemente dessas questões, a história flui muito bem, diverte e prende. Não há momentos de tédio. Há um gancho para uma continuação – algo que, em geral, não me interessa, mas agrada muita gente e o mercado editorial aplaude. Apesar do gancho, o final é bastante satisfatório e o suspense criado antes dele é um ponto forte do livro.

Recomendo para quem busca bons jovens autores nacionais (algo raro) e especialmente para quem curte fantasia urbana. 4 estrelas