O Exorcista (livro e filme)

“O Exorcista”, de William Peter Blatty. Leitura de setembro/outubro do #quemteviuquemteleu.

No início, uma escavação arqueológica no Iraque desenterra a figura de um demônio misterioso. Corta para os Estados Unidos, onde Regan, uma menina que acaba de fazer 12 anos, começa a apresentar sintomas incomuns. Após descartar enfermidades psiquiátricas, a mãe, ateia, recorre ao Padre Karras, da congregação na mesma rua, certa de que sua filha precisa de um exorcismo. Karras, por sua vez, tem problemas pessoais e questiona a própria fé.

Os elementos são ótimos, mas a execução é fraca. Metáforas vazias, digressões monótonas, personagens mal desenvolvidos, situações potencialmente interessantes que acabam mal aproveitadas. A escavação é mais ignorada no livro que no próprio filme, e eu esperava um maior desenvolvimento, já que tempo não seria um problema no livro. Padre Merrin fica só no potencial mesmo. Dá a impressão de que o autor não teve paciência para aperfeiçoar a própria ideia, queria apenas terminar logo a narrativa.

Sem dúvida é um caso de o-filme-é-melhor-que-o-livro. Vi a versão do diretor no cinema e recomendo o filme pra quem curte histórias de terror.

Estrelinhas no caderno: 2 estrelas para o livro, 4 estrelas para o filme (versão do diretor).

Flores Azuis

Resenha de hoje: “Flores Azuis”, de Carola Saavedra.

Duas histórias cruzadas: uma mulher que envia cartas ao ex após o fim abrupto da relação; um homem recém-divorciado que se mudou para o apartamento daquele ex e resolve abrir as cartas.

A mulher, que assina apenas como “A”, indica já nas primeiras linhas que o relacionamento era abusivo, violento. O recém-divorciado, Marcos, não vê sua filha de três anos como uma criança, mas como mais uma mulher manipuladora, em sua vida. Nenhuma das histórias “de amor” narradas no livro é saudável, nenhum dos protagonistas é equilibrado.

A tensão é suavizada pela alternância das narrativas e por ser uma história curta, menos de 160 páginas. A prosa flerta com o fluxo de consciência, mas insere elementos suficientes do mundo externo para facilitar a leitura. É livro para uma manhã ou tarde, com um desfecho que se abre a múltiplas interpretações. A sensação de incômodo perdura além da leitura, pelo infeliz realismo das histórias e por ser impossível gostar dos protagonistas.

Estrelinhas no caderno: 3,5 estrelas

To be taught, if fortunate

“To be taught, if fortunate”, é minha segunda leitura da Becky Chambers. Nele, a autora guia o leitor pela exploração de quatro planetas muito, muito distantes – 14 anos-luz distantes da Terra. Foi minha quarta leitura para a maratona #JornadaLendoSciFi, da @soterradaporlivros.

Chambers não perde tempo com technobabble e isso é um dos pontos fortes da sua escrita. Em “To be taught”, ela conta o necessário para entendermos em que pé está a exploração espacial e introduz um conceito fascinante: somaforming, um jeito de adequar o corpo do explorador ao planeta que vai visitar, em vez da velha conhecida terraformação.

Não demora para que o leitor se veja imerso em novos planetas, descritos com precisão e ritmo. A tripulação é pequena, apenas quatro membros, e a história é narrada por Ariadne, a líder da expedição. O livro também é pequeno, cerca de 140 páginas, mas há tempo para a construção de relacionamentos, que é o que Chambers faz de melhor.

Amei o primeiro livro que li da autora, “A longa viagem a um pequeno planeta hostil”, e esperava ter amado “To be taught”, mas não foi bem assim. Gostei do livro, não entenda mal, mas pra mim ele tem dois problemas. O primeiro é que, lá pelas tantas, Ariadne toma uma atitude pouco condizente com a personagem e, se Chambers realmente quisesse aquela cena, poderia ter entregado a outro personagem, com ganho para a trama. O segundo é o final. Detestei o final. Mas veja, eu detestei, você pode curtir. Não é objetivamente ruim. Então, sim, recomendo a leitura.

Estrelinhas no caderno: 3 estrelas

Parque dos Dinossauros

A semana passada foi temática: dinossauros em “The Last World” e em “O Parque dos Dinossauros”. O livro de Michael Crichton foi leitura do #lendoscifi e também do #JornadaLendoSciFi, ambos projetos da @soterradaporlivros.

“Parque” foi releitura, mas como li há mais de vinte anos havia pouca coisa que eu lembrava. A premissa, porém, é inesquecível graças ao filme: um sujeito milionário acha que clonar criaturas pré-históricas e criar um parque temático com elas é uma boa ideia. O que pode dar errado, não é mesmo?

Há várias diferenças entre o filme e o livro, e a mais marcante é que o livro dedica mais espaço às explicações científicas em geral e à filosofia de Ian Malcom em particular (meu personagem favorito). A primeira metade é cheia dessas explicações, espionagem industrial e outros backgrounds, e é minha parte preferida.

Quando o livro entra nas cenas de ação, fica devendo. Michael Crichton não é tão hábil em escrevê-las quanto é na parte teórica, e a ação acaba sendo confusa, desinteressante ou simplesmente desnecessária em alguns casos.

O desfecho tem diferenças em relação ao filme (e uma delas é imperdoável). Os personagens também guardam certas diferenças. No geral, é um raro caso de o-filme-é-melhor-que-o-livro. Ainda assim, é recomendado para quem está nostálgico do filme e/ou quer se aprofundar nas especulações científicas da história.

Estrelinhas no caderno: 3 estrelas