Klara e o Sol

Livro da vez: “Klara e o Sol”, de Kazuo Ishiguro.

Klara é uma AA que tenta compreender o mundo enquanto espera por uma criança para chamar de sua. A história se passa em um futuro incerto, nos quais a tecnologia e a ciência avançaram. E mais não digo, para não estragar o prazer das descobertas durante a leitura.

O que me encanta na escrita do Ishiguro é justamente o jogo de esconde-e-mostra que ele constrói. Inicialmente, o leitor está perdido e várias perguntas surgem logo nas primeiras páginas. Aos poucos, as respostas aparecem, nunca por meio de grandes explicações (que poderiam soar forçadas ou enfadonhas), mas por pistas, peças que vão formando um quebra-cabeças.

Em “Klara e o Sol”, Ishiguro explora a solidão, tema recorrente em sua obra. Também fala de amor e morte. Há semelhanças com “Não me abandone jamais” (um dos meus livros favoritos de todos os tempos) e em dados momentos dá pra pensar que “Klara e o Sol” se passa na mesma realidade daquele livro, inclusive em razão de alguns dilemas éticos colocados. A escrita é delicada e brumosa, como nos outros livros do autor.

“Não me abandone jamais” continua sendo meu favorito, mas “Klara e o Sol” é imperdível.

Estrelinhas no caderno: 4 estrelas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *