Buenos Aires – compras

Veja todos os textos sobre Buenos Aires e Montevidéu.

Quase não fiz compras em Buenos Aires, então não tenho muitas dicas para compartilhar. Preferi explorar a cidade, os museus, os parques, em vez de gastar o tempo todo em provadores. Apenas meu primeiro dia na capital argentina foi destinado ao consumo. Então, não tenho muito pra contar, mas vou fazer um esforço. 😉

Freeshop

O freeshop é realmente o ponto alto das compras em Buenos Aires. O da partida é qualquer coisa. Já tinham me dito que é grande, mas meu, é muito grande. Deixa os freeshops de São Paulo no chinelo. O da chegada em Ezeiza também é bom, mas bem menor que o da saída.

Quanto aos preços, são todos melhores que os do freeshop de São Paulo e que os da cidade de Buenos Aires. Maquiagem da MAC, por exemplo, é vendida na Calle Florida por quase o mesmo preço do Brasil; no freeshop, os produtos são entre 60% e 70% mais baratos. Perfumes também são muito mais baratos que em Buenos Aires. Fique de olho nas promoções, que podem representar preços ainda menores ou presentes bacanas junto com determinados produtos.

Dentre as marcas de cosméticos, Lancôme e Clinique valem muito a pena; MAC e L’Oreal também são bacanas. Dior e Channel são menos caras que aqui, mas muito caras ainda assim. Quanto aos perfumes, o freeshop tem trocentas marcas famosas a preços amigos.

A sessão de bebidas é enorme e os preços são ótimos (metade dos preços daqui, às vezes 25%… tinha uma promoção fantástica de Absolut), mas não me animo a carregar garrafas em viagem. Os chocolates também são variados (ah, os kitkats!) e baratos.

O freeshop de Ezeiza também tem roupas de grife, uma estante para Samsonite, outra pra Kipling, óculos (por preços ótimos), jóias, relógios e, claro, eletrônicos. Não achei que os preços de eletrônicos compensem se comparados aos do Submarino, que permite parcelamento e oferece garantia.

Foi no freeshop, voltando para o Brasil, que fiz a maior parte das minhas compras. Tive quase três horas pra passear por lá e garanto que nem fiquei entediada.

Outlets

Concentram-se na Avenida Córdoba e nas ruas adjacentes. Se quiser conhecê-los, desça na estação Malabia da linha B do metrô e caminhe umas cinco quadras em direção à Córdoba (lá saberão explicar direitinho). Vi muita modinha, bastante jeans e poucas lojas com roupas clássicas. Os preços eram bacanas, mas pouca coisa me interessou a ponto de provar. Comprei só uma jaqueta curta (spencer) por 50 reais.

A Córdoba tem uma ponta de estoque da Samsonite e outra da Primicia, e foi principalmente por isso que visitei a rua. Comprei uma mala da Primicia (que, apesar de brasileira, custa muito menos na Argentina) de tamanho médio, com quatro rodinhas 360º e compartimento principal expansível por menos de 250 reais. Uma bem semelhante estava à venda no outlet da Samsonite por 450 reais (e tinha um defeito pequeno no forro interno).

Perto da Córboda está a Calle Murilo, que dizem ser o lugar para comprar couro na Argentina. Eu até tinha intenção de ir, mas o cansaço me impediu.

A dica básica, aqui, é ir aos outlets durante a semana, quando estão tranquilos. Sábado não é dia de fazer compras, a menos que queira se aborrecer com a multidão e as filas.

A Paula fez um ótimo texto detalhando a região de outlets de Buenos Aires.

Calle Florida

Galeria Pacífico.
Galerías Pacífico.

A rua tem dezenas de lojinhas de roupas – algumas boas, outras nem tanto. Os preços são mais baratos que no Brasil, sim, mas é preciso garimpar.

As grifes reúnem-se nas Galerías Pacífico (Florida com Córdoba). Uma camiseta Lacoste é mais barata na Argentina? É: se aqui custaria 300 reais, lá custa 200, até 150. Eu continuo achando absurdamente cara, não dou valor a roupas de grife, mas pra você pode valer a pena. Em média, os preços das roupas grifadas são 30% mais baratos que no Brasil. O shopping vale a visita de qualquer forma, especialmente à noite, quando ganha uma bonita iluminação.

A maior parte dos outlets e das lojas da Calle Florida são “tax-free” (você solicita um formulário, preenche e tem cerca de 10% do valor da compra restituído quando estiver de partida, no aeroporto). As lojas de marcas estrangeiras não entram nessa: o “tax-free” vale apenas para produtos fabricados na Argentina.

A Florida tem inúmeras lojas de “couro”, mas é raro uma que tenha couro legítimo. Também guarda a loja de departamentos Falabella (próxima à Corrientes, bem bacana) e outras menos famosas, mas interessantes.

Depois das sete da noite, a rua (que, aliás, é uma peatonal, uma rua fechada para carros) fica tomada por camelôs vendendo tranqueiras chinesas, echarpes de todas as cores e artesanato. Para artesanato, recomendo dar um passeio pela feira da Recoleta, que ganha em preço e variedade.

Se você está com tempo e vontade de bater perna, vale subir duas ruas perpendiculares à Florida, a Corrientes e a Santa Fé: elas têm uma miríade de lojas de roupas e sapatos com bons preços.

E só porque eu já estava do lado, visitei o Abasto Shopping, que fica pertinho do Museu Casa Carlos Gardel. Achei as lojas bem mais pé-no-chão que as da Galería Pacífico e havia, inclusive, uma loja fantástica de sapatos de couro (pena que não encontrei a ankle boot que queria). Na frente dele, do outro lado da rua, tem uma megaloja de tênis, onde comprei um Reebok Classic por 130 reais (no Brasil, custa uns 200 – ok, às vezes menos, mas só vejo o preto e o branco por aqui; o meu é bege com um efeito marmorizado cinza).

Havanna Café

Eu me joguei na Havanna próxima ao hostel. Comprei várias caixas de alfajores e havannetes, pra consumo próprio e para presente. Os preços são menos da metade dos praticados pela rede em São Paulo. É uma ótima ideia de presente e, se você esquecer de passar lá durante a viagem, pode comprar os produtos no freeshop de Ezeiza (um tiquinho mais caros).

Tem mais dicas de compras em Buenos Aires? Conte nos comentários!

4 thoughts on “Buenos Aires – compras

  1. Buenos deve ser tudo de bom!! Um dia eu ainda vou pra láa!!!!
    passando para conhecer o blog!!!!!!!
    Beijos

  2. Não estou comentando em todos, mas tou marcando todos os posts no Google Reader para futura referência. Tremendo trabalho de pesquisa, amei!
    Bjs

Comments are closed.