Buenos Aires – Temaikèn

Veja todos os textos sobre Buenos Aires e Montevidéu.

Embora eu goste de jardins zoológicos, não tiraria um dia inteiro para conhecer mais um, especialmente em Buenos Aires, com tanta coisa para ver. Foi a insistência da Nospheratt (obrigada! :)) que me fez pensar que, ok, podia ser uma boa ideia passar um dia no Temaikèn. Para acabar com qualquer desculpa, a agência de turismo do Hostel Suites Florida oferecia um pacote com transporte e ingresso por uns 140 pesos (cerca de 70 reais). Vai daí que resolvi passar o sábado no Temaikèn… e não me arrependi.

Viveiro pelo lado de fora.
Viveiro pelo lado de fora. Dá pra ter uma ideia de como funciona.

O Temaikèn não é somente um zoológico, é um bioparque. Agrega jardim zoológico, jardim botânico, aquário e museus de história natural e de antropologia. O forte são as aves; o Temaikèn começou justamente pelo interesse de seus donos pelas aves, que passaram a mantê-las em um viveiro normal que foi crescendo, crescendo e, por fim, transformou-se numa megaestrutura. Dentro do Temaikèn há restaurantes, lanchonetes, parquinho para a criançada, mini-fazenda… e mais de 5.000 animais do mundo todo, inclusive 2.500 aves de 200 espécies diferentes, vindas de todas as partes do mundo.

O mais bacana do parque é que você não vê as aves separadas por telas de arame; a maior parte delas está em viveiros gigantes nos quais o visitante entra e pode apreciá-las sem qualquer tipo de obstáculo. Eles são separados por continente (Eurásia, América, África e Oceania) e reproduzem a fauna e a flora do bioma original. Também há espécies que transitam fora dos viveiros.

Guepardos.
Banho de gato.

Os cuidados para recriar ecossistemas não se limitam às aves. Os colobos, por exemplo, que são primatas de origem africana, só ficam expostos à temperatura ambiente quando ela é superior a 16ºC; abaixo disso, contam com um espaço climatizado para ficarem confortáveis. Os felinos têm as maiores áreas que já vi em um zôo, com árvores, pedras e acidentes de terreno.

Aliás, os felinos são um caso à parte. Para quem tem gatos, é uma graça ver como esses parentes selvagens – e enormes – possuem o gestual e as brincadeiras dos nossos bichinhos domésticos. Os guepardos ficam separadas do público apenas por um painel de vidro de poucos centímetros. São ativos e brincalhões, fazendo a alegria dos visitantes a qualquer hora do dia. Os tigres estavam dormindo escondidos quando passei pelo espaço deles, ao meio-dia; mas às cinco da tarde estavam elétricos, brincando de emboscada o tempo todo.

Os aquários são outra parte imperdível do Temaikèn, com destaque para o de tubarões. O teto da entrada é de vidro e faz parte do aquário – você vê tubarões passando sobre a sua cabeça.

O cinema 360º tem uma pegada religiosa, mas vale a pena pelas belas filmagens e por alguns detalhes que tornam a experiência mais realista.

Sim, dá pra ver o hipopótamo mesmo dentro d'água.
Sim, dá pra ver o hipopótamo mesmo dentro d'água.

Comprar o passeio numa agência, como eu fiz, sai caro, mas é mais cômodo. A entrada para o Temaikèn custa uns 50 pesos, muito mais barato do que paguei, mas aí você tem de se virar com transporte. Não é um bicho de sete cabeças, mas é necessário pegar o a linha D do metrô até a Plaza Italia (em Palermo) e de lá pegar um ônibus para o Temaikèn, que fica na cidade de Escobar, a uns 50 quilômetros de Buenos Aires. Eu preferi pagar mais caro pela comodidade.

É passeio para o dia inteiro mesmo – o Temaikèn abre às 10 da manhã e fecha às 18 horas (19h no verão), e posso garantir que vale a pena chegar cedo e sair tarde. Eu sei, se a viagem é curta fica difícil tirar um dia inteiro só para o parque, mas vale anotar a sugestão e, se não usá-la na primeira viagem, guardá-la para a próxima.

Dica: se quiser comprar lembranças na loja do Temaikèn, faça-o cedo. Após as 17 horas, o lugar fica tão lotado que só com paciência chinesa dá pra comprar algo. A loja tem as lembranças de praxe – canecas, postais, camisetas e afins – e outras coisas fofíssimas, como suricatas de pelúcia.

Veja mais fotos do Temaikèn.

One thought on “Buenos Aires – Temaikèn

Comments are closed.