O Grande Truque

Agora, você está procurando pelo segredo… mas você não o encontrará, porque você não está procurando de verdade.
Você não quer realmente conhecer o segredo… você quer ser enganado.
(Cutter)

Ficha técnica

The Prestige. EUA, 2006. Suspense. 128 min. Direção: Christopher Nolan. Com Hugh Jackman, Christian Bale, Michael Caine e Scarlett Johansson.

Século XIX, Londres. Robert Angier (Hugh Jackman) e Alfred Borden (Christian Bale) se conhecem há muitos anos, desde que eram mágicos iniciantes. Desde então eles vivem competindo entre si, o que faz com que a amizade com o passar dos anos se transforme em uma grande rivalidade. Quando Alfred apresenta uma mágica revolucionária, Robert fica obcecado em descobrir como ele consegue realizá-la.

Mais informações: Adoro Cinema.

Cometários

4 estrelas

Quem não gosta de mágica? É razoavelmente comum uma criança não gostar de palhaços, mas todos nós sempre nos deixamos mesmerizar pelos truques dos mágicos nos palcos, picadeiros ou pátios da escola. O Grande Truque explora esse fascínio e vai além, mostrando como a mágica pode ser convertida em arma contra o maior rival e pior inimigo, num crescendo de ira e vingança que culmina em morte – e este é o início do filme.

Um dos truques preferidos do diretor Chistopher Nolan é a não-linearidade. Amnésia, seu grande sucesso, é construído inteiramente inteiramente “de trás pra frente”. O Grande Truque não chega a tanto, mas é suficientemente descontínuo para intrigar o espectador e fazê-lo perguntar-se algumas vezes: “como é que isso aconteceu?”. Nada mais apropriado para um filme de mágica.

Aliás, é fácil traçar paralelos entre a arte da mágica e a sétima arte: ambas visam ao entretenimento por meio da ilusão. Você não vai ao cinema para descobrir como o iluminador, o roteirista e o editor trabalham, embora possa interessar-se pelo assunto e observar com mais atenção um detalhe ou outro. Essencialmente, você vai para se iludir, para tentar adivinhar o rumo da história e, quando o filme é realmente bom, surpreender-se com o seu desfecho, ou ao menos encantar-se com ele. Com a palavra, o engenheiro Cutter (personagem de Michael Caine):

Todo grande truque de mágica consiste em três atos. O primeiro ato é chamado “A Promessa”: o mágico mostra à platéia alguma coisa ordinária… mas que naturalmente não o é. O segundo ato é chamado “A Virada”: o mágico faz essa coisa ordinária fazer algo extraordinário. Agora, você está procurando pelo segredo… você não o encontrará, e é por isso que há um terceiro ato chamado “A Fascinação” [“The Prestige”]: esta é a parte das reviravoltas, onde as vidas ficam suspensas e você vê algo chocante que nunca havia visto antes.

O Grande Truque realmente suspende a respiração da platéia com um enredo tão impressionante quanto um bom número de mágica. É desses filmes que merecem ser vistos mais de uma vez, já de posse de toda a história, para recapitular as pistas com o olhar de quem conhece a solução do mistério.

Curiosidade copiada descaradamente do Cinema Com Rapadura: o cantor David Bowie interpreta o inventor Nikola Tesla, personagem inspirado no engenheiro eletricista que viveu entre 1856 e 1943 e descobriu o campo magnético rotativo, criou os circuitos trifásicos e teve uma unidade de medida, a tesla, batizada em sua homenagem (eu sabia que já tinha ouvido a palavra “tesla” antes – Google é meu pastor, nada me faltará).

5 thoughts on “O Grande Truque

  1. Pra mim, esse é um dos melhores filmes que vi neste ano. E quanto ao David Bowie, achei que era ele tão logo vi o olho de vidro, mas precisei confirmar depois na internet.

  2. Pessoal… aqui em casa estamos todos “discutindo” a respeito do verdadeiro sentido do filme… gostaríamos de ouvir a opinião de cada um pois cada um de nós (três) conclui o filme de forma diferente.
    Abraços.

  3. pra mim, o Fallon morre enforcado, o Borden fica com a filhinha, e o Anquier morre com o tiro de Borden em uma sala cheia de clones dele, dentro da gigantes redomas de vidro. No final, ele era o invejoso e vilão, e o outro, realmente um magico apaixonado pelo que fazia!

Comments are closed.