Buenos Aires – dicas variadas

Veja todos os textos sobre Buenos Aires e Montevidéu.

Algumas dicas úteis para quem visitará pela primeira vez a terra dos nossos hermanos.

Informações e Deslocamento

  • Falando devagar, os argentinos nos entendem (e a recíproca é verdadeira); melhor nem se arriscar no portunhol.
  • Assim que chegar ao aeroporto, dirija-se ao guichê de informações e peça um mapa da cidade – é gratuito e muito útil, especialmente para tirar o melhor proveito do metrô.
  • A cidade de Buenos Aires é dividida em quadras com 100 metros cada; se você está no nº 300 da Corrientes e quer ir ao nº 1.000, sabe que andará 700 metros (ou 7 quadras), o que facilita bastante a vida.
  • O metrô (subte) é velho, esquisito, mas muito eficiente e barato (1,10 peso – menos de 60 centavos de real), cobrindo os principais pontos turísticos da cidade – aproveite!
  • Metrô de Buenos Aires
    O pitoresco metrô de Buenos Aires.
  • O ônibus (bus) aceita cartão magnético ou moedas, e somente moedas (não há cobrador para voltar troco) – justamente por isso, não o utilizei nenhuma vez.
  • Táxi é barato, mas à noite eles ficam mais raros; se estiver em um restaurante ou balada e quiser voltar ao hotel, peça para alguém do estabelecimento chamar um táxi pra você.
  • Dispense os remis – táxis especiais, em que a corrida é prefixada -, esses são bem caros.
  • Todo mundo sabe dar informações com precisão (e quem não sabe já diz logo e não perde o seu tempo), contando as quadras e usando “esquerda” e “direita” em vez de “aqui” e “ali”, “sobe” e “desce”.
  • Eventualmente, podem tentar te responder em inglês 😉
  • (Quase) Todo café, padaria ou restaurante tem wi-fi grátis, basta pedir a senha.

Dia-a-dia

  • Os hermanos tratam os brasileiros com cortesia, portanto desarme-se contra eventuais preconceitos.
  • Aprenda o mínimo de espanhol – basta saber algumas expressões de civilidade e conseguir passar endereços para facilitar sua vida:
    • hola: oi
    • por favor: por favor
    • gracias: obrigado
    • buenos dias, buenas noches (“notches”): bom dia, boa noite
    • calle (fala-se “caje”): rua
    • cero, uno, dos, tres, cuatro, cinco, seis, siete, ocho, nueve: 0 a 9
  • Há vários kioskos (lojinhas de conveniência) espalhados pelo centro da cidade (e mais raros em outros bairros) que funcionam 24 horas por dias e quebram o galho com água, refrigerantes e guloseimas.
  • Tudo que você comprar lá e for de fabricação argentina dá direito à restituição de uma parte do valor pago em impostos (cerca de 10%) na saída do país; procure pelas placas “tax free” (ou pergunte para o vendedor), guarde os recibos e peça o reembolso no aeroporto, antes de voltar para o Brasil.
  • A voltagem em Buenos Aires é 220.
  • Nunca é lúpus!
    Feira de San Telmo.
  • As tomadas são diferentes, com três pinos chatos dispostos em forma de triângulo; veja se o hotel cede os adaptadores ou compre alguns em casas de ferragem ou camelôs  – dois adaptadores custam 5 pesos.
  • Não tente passear na Florida ao meio-dia  ou no fim do expediente – trata-se do coração financeiro da cidade e os pedestres acabarão atropelando você se estiver em passo de turista, exatamente como na Avenida Paulista.
  • Não adianta sair do hotel cedo pra bater perna: o comércio começa a funcionar depois das nove, principalmente depois das dez da manhã; em compensação, fica aberto até tarde.
  • Também não vale a pena sair pra jantar muito cedo; os porteños vão se preocupar com a janta depois das nove da noite.
  • Se quiser muito ir a determinado restaurante, faça reserva; se sair pra comer sem reserva, é melhor ter duas ou três alternativas.

Segurança

  • A cidade é tranquila, com baixos índices de violência, mas é uma metrópole – preste atenção à sua volta e não dê moleza com câmera fotográfica, nem caminhe com cara de bobo à noite.
  • Eu fui e voltei à noite de Puerto Madero à Calle Florida (por volta das 23 horas) a pé, sem qualquer problema, mas convém andar com passo acelerado nos trechos desertos.
  • Puerto Madero
    Puerto Madero
  • Por outro lado, alguns lugares ficam bem movimentados até de madrugada: Puerto Madero é um exemplo e a própria Calle Florida também.
  • Não troque dólares ou reais com o povo que fica no meio da rua gritando – há fortes chances de receber notas falsas; informe-se no hotel sobre a casa de câmbio mais próxima.
  • Procure ter dinheiro trocado para o taxista – eles também têm fama de voltarem notas falsas.
  • O mesmo vale no metrô, para não correr o risco de receber troco errado (faltando, claro).

Dicas válidas para qualquer viagem internacional

Praça Intendente Alvear
Recoleta, num sábado ao fim da tarde.
  • Informe o gerente do seu banco sobre a viagem para evitar que os cartões de crédito sejam bloqueados por uso incomum.
  • Leve sempre dois cartões de crédito, pelo menos; nem sempre a máquina do seu cartão preferido está funcionando.
  • Leve dinheiro vivo para pequenos gastos (especialmente de transporte e em feiras de artesanato); nem sempre é fácil encontrar um caixa automático e geralmente as taxas de saque são altas.
  • No aeroporto, antes de voltar para o Brasil, você pode trocar o dinheiro que sobrou por reais…
  • …mas evite fazer muito câmbio – a cada troca, você sempre perderá um pouco.

E a dica principal de qualquer viajante: quem converte, não se diverte! Aproveite a viagem dentro do seu orçamento, mas sem contabilizar cada centavo. (Se bem que, na Argentina e no Uruguai, o câmbio é muito favorável aos brasileiros.)

Ufa! Devo ter esquecido alguma coisa. Você já foi a Buenos Aires? Compartilhe suas dicas!

16 thoughts on “Buenos Aires – dicas variadas

  1. Eu fiqueí “incrível” quando vi esses bancos forrados de veludo no metrô.

    Por sorte, eles só são forrados assim em uma linha, a mais antiga; porque é melhor nem pensar na questão higiênica, né? 😛

  2. A estação de metrô em frente à Casa Rosada tem um metrô de madeira incrivelmente retrô e com cara de mal assombrado. Vale a pena ir até láa só pra dar uma volta nele.
    Lu, as dicas estão ótimas!!!
    Parabéns.

  3. Lu,
    Saudações de Belo Horizonte!!

    1º) Aha: publicou a foto com o Maurício de Souza!! Não sei quem está mais radiante: ele ou você!

    2º) Acabei de enviar o Link deste Post sobre Buenos Aires aos meus pais, que há meses estão planejando ir… (Quem sabe com as suas dicas, dadas com tanta simpatia e tão bem organizadas, eles não se encorajam?)

    Fique com Deus! Saúde e Paz!!

    P.S. Excelente Post!

  4. @Nospheratt, por azar foi a única linha de metrô que usei enquanto estive lá. 😛

    @Vanessa, fiquei sabendo disso logo que voltei – deu uma dó não ter conhecido!

    @Ana Paula, espero que seus pais se animem. Vem mais dica por aí, fique de olho.

  5. Puxa, Lú, adorei suas dicas.
    Estive em Buenos Aires em Abril desse ano mas, não conheci o metro. Irei agora em dezembro e levarei os filhotes, com certeza irei dar uma voltinha de metro. Agora …nota falsa nós recebemos de um taxista, guardei de recordação, 50 pesos…rs.
    Bjs, adorei!!!

  6. @Cris, tinham me alertado tanto dessa história de nota falsa em táxi que só por isso escapei – sempre reservava dinheiro trocado pra eles. Também dei sorte por ter precisado de táxi poucas vezes.

  7. Olá,

    Em quais hotéís você ficou hospedada em Montevidéu e Buenos Aires e que os recomenda?
    Pretendo viajar a esses dois países ainda este ano.

    Obrigada pelas dicas simples e diretas.

    Izabel

  8. Ola,
    Estamos indo a Montevidé e Buenos Aires amanhã(sábado). Vamos ficar nos seguintes hoteis. EM Montevideo “Cala de Volpi” – rambla Gandhi, 205 (é em pocitos, um lugar bem agitado, cheio de bares, restaurantes. Veja no Google.
    Em BA, vamos ficar no Fertilia Downtown Apartamentos, na 25 de mayo, 734. Parece que é hotel novo, bem localizado, não muito caro.
    até
    fernando

  9. Remis são caros desde quando???Estive lá duas vezes (set/10 e mar/11),e sempre preferi remis; inclusive no aeroporto Ezeiza há guichês, saindo mais em conta que táxi! Além disso,exatamente por ser pré fixado o valor, você não corre o risco de surpresinhas na hora de pagar (como aconteceu com um carioca amigo meu,que pagou R$300,00 de Ezeiza para o centro,de táxi, quando não poderia passar de uns R$70,00 uma corrida dessas…)!

  10. Show de dicas!
    simples e diretas!
    amanha to la e depois te conto!!

    bjs

  11. Oi Lu!

    Pesquisando no google sobre dicas em Buenos Aires, vim parar aqui no “Dia de Folga”! 🙂
    Estou indo pra lá em novembro, e tenho certeza que suas dicas serão super úteis. Já anotei várias. 🙂
    Obrigada.
    Bjo,
    Cris

  12. A explicação das numerações de 100 e 100 eu sempre dou para os amigos que vem para Buenos Aires!

    E especialmente a sugestão da conversão, leve muito a sério. Não converta demais. Buenos Aires ainda é linda, mas tá ficando bem cara…

    Se alguém quiser mais sobre a cidade, deixo meu blog também: http://www.aliembuenosaires.com.br 😉

Comments are closed.