Coisas Boas de Dezembro

A melhor coisa de dezembro foi que 2020 terminou – tudo bem que parece que estamos vivendo o segundo tempo de 2020, mas vamos em frente.

Livro favorito: foi um mês de ótimas leituras e fiz algumas resenhas no instagram. Dos livros 5 estrelas, destaco 2001 – Uma Odisseia no Espaço porque é espantosamente melhor que o filme! Do filme eu só curto mesmo o HAL. O livro de Clarke não é pretensioso como a direção de Kubrick, tem uma boa base científica, fornece explicações e faz tudo isso sem ser tedioso.

Filme favorito: vou ficar com O Discurso do Rei pela excelente atuação de Colin Firfh e pelo panorama histórico.

Série favorita: estou adorando o retorno de Grey’s Anatomy.

Bônus: 2020 acabou, quer bônus melhor que esse? Eu e as pessoas que amo estamos saudáveis, não tive perda de renda como tantas outras pessoas, tenho conseguido driblar o stress e a ansiedade de forma satisfatória. Tenho do que reclamar, claro (quem não tem, está morando debaixo de uma pedra), mas podia ser pior, tem sido pior pra inúmeras famílias, e por não ser esse o caso por aqui já fico contente.

Agora começa a contagem regressiva para a vacina…

Coisas Boas de Novembro

Pelos meus cálculos, novembro durou uns 82 dias, mais ou menos.

Livro favorito: passei boa parte do mês lendo o segundo e o terceiro volumes da trilogia A Terra Partida, da N. K. Jemisin, e amei. Jemisin é uma escritora de fantasia que foge de todos os clichês do gênero, então recomendo fortemente a leitura mesmo que você torça o nariz para os ditos clássicos de fantasia. Aqui não tem ambientação medieval, nem capa-e-espada, nem duelos de varinhas, nem bardos, elfos e anões. O que tem: personagens complexos e multifacetados, mulheres fortes e protagonistas, enredo com camadas e camadas de discussões sobre preconceito (racial também, mas não só), meio-ambiente e política, relações interpessoais belíssimas e uma construção de mundo (worldbuilding) de cair o queixo.

Filme favorito: vi muitos nos primeiros dias do mês (e nada no restante) e destaco Let the right one in, filme sueco que atualiza o mito dos vampiros (tem um remake  de Hollywood que não vi ainda). Menção honrosa para Por um punhado de dólares, porque sou aquela pessoa que sempre disse que odeia bang-bang, e de repente me peguei gostando muito de um filme que é justamente um clássico do faroeste.

Série favorita: em novembro, o grande acontecimento seriadístico  foi o encerramento de Supernatural, e depois de quinze anos acompanhando a série estou me sentindo como o Sam adolescente – perdida no mundo. E sim, gostei do final. Gostei muito. Apesar dos altos e baixos – especialmente dos fossos das últimas temporadas -, Supernatural se consolidou como uma das minhas séries favoritas da vida.

Hum, agora que notei: em livro, filme e série, o mês foi voltado para a fantasia. Nada mais justo em um ano em que a realidade tem sido muito dura.

Bônus: fiz um curso bem bacana sobre história do cinema no Museu da Imagem e do Som (MIS). Um viva para os cursos online, porque jamais teria disposição de ir ao MIS três vezes por semana, à noite, durante um mês e meio. Vale a pena olhar de vez em quando a página de Cursos do MIS – a programação é bem interessante e variada.

Coisas Boas de Outubro

Um mês que tem dias de férias nunca é um mês ruim. Ainda que a pandemia do coronga tenha impedido o turismo, consegui descansar e recarregar as baterias.

Livro favorito: Com Sangue, do mestre Stephen King, foi o único no mês a levar 5 estrelas. O livro traz quatro contos excelentes. Publiquei uma resenha no instagram.

Filme favorito: Luzes da Cidade, do Chaplin, foi o filme do mês. Ainda na era do cinema mudo, Chaplin é um vagabundo que se apaixona por uma florista cega; ao mesmo tempo, conhece um milionário que o considera seu melhor amigo, mas apenas durante as bebedeiras. O filme tem muito da comédia física característica do gênio Charles Chaplin e dei boas risadas, mas também me emocionei.

Série favorita: continuo revendo Gilmore Girls. Ando sem pique para encarar séries novas.

Bônus: comprei uma sorveteira! É uma Fun Kitchen doméstica, modesta, parece um brinquedo, mas funciona direitinho. Fazer e ler sobre sorvetes, balanceamento de fórmulas e criação de sabores foi o passatempo do mês. Até agora testei oito sabores, com diferentes graus de sucesso. Ainda dá pra melhorar – e a sorveteirinha não faz milagres, não dá pra competir com sorvetes artesanais bacanas – mas todos os sabores variaram entre o “bom” e o “excelente”, então estou bem satisfeita com a brincadeira. Tem fotos no instagram (que desde  meados de outubro já não permite o uso dos posts dentro do wordpress, blargh).

E seguimos para o nível 11 de Jumanji.

Coisas Boas de Setembro

Se agosto passou voando, setembro se arrastou. Foi um mês marcado por trabalho e stress, e o comecinho de outubro não está muito melhor.

Por outro lado, foi um mês em que consegui ler muito: dez livros no total, marca que raramente atinjo (a última vez foi em janeiro, e antes disso não lembro de ter conseguido em nenhum momento desde a adolescência). A responsável foi a @soterradaporlivros, que comemorou o próprio aniversário e o de Star Trek com a maratona #JornadaLendoSciFi e me indicou uns livros ótimos para as categorias criadas por ela para a maratona.

Um outro evento contribuiu para o volume de leitura. Em meados de agosto, o youtube resolveu que não mandaria mais emails avisando de novos vídeos. Sou inscrita em diversos canais, de aulas de francês a lettering, passando por cultura pop, café e vinho. Geralmente, tomava o balde de café matutino em companhia dos vídeos, o que me tomava entre meia e uma hora por dia. Como não recebo mais os avisos por email, acabei perdendo o hábito, e esse tempo foi direcionado para a leitura. Resultado: reclamei muito quando o youtube parou de enviar as notificações por email, mas agora estou até achando bom.

Livro favorito: vou destacar A Curva do Sonho, de Ursula K. Le Guin, e All Systems Red, de Martha Wells. O primeiro é um clássico da ficção científica e uma verdadeira “viagem”: George Orr é um cara que tem “sonhos efetivos”, ou seja, que transformam a realidade; ninguém acredita e ele acaba encaminhado a um psiquiatra para tratamento, mas o psiquiatra mais atrapalha que ajuda. O segundo livro (ainda sem tradução no Brasil) é na verdade uma novela cuja protagonista é uma unidade de segurança biomecânica autointitulada “murderbot” que hackeou o próprio sistema e passa as horas vagas vendo seriados – pode não parecer, mas é uma personagem muito carismática.

Filme favorito: entrei numas de ver filmes antigos depois de um agosto cheio de filmes recentes e entediantes. Nada de Novo no Front (1930) merece destaque: o filme acompanha adolescentes alemães que largam a escola para lutar na Primeira Guerra Mundial em busca de honra e aventura. O que encontram, claro, é fome e morte – além da consciência de que o “inimigo” é alguém como eles próprios. É baseado no livro de mesmo nome de Erich Maria Remarque. O falecimento da juíza da Suprema Corte norte-americana Ruth Bader Ginsburg me motivou a assistir On the basis of sex (disponível na amazon prime video), que conta o início da sua carreira e é interessantíssimo.

Série favorita: nada de novo nesse front – estou revendo (pela terceira vez) Gilmore Girls.

Bônus: você conhece o Coursera? É uma plataforma de cursos online, vários deles grátis e com excelente conteúdo. Para quem entende inglês, é um prato cheio, já que todas as aulas têm legenda e transcrição nesse idioma. Se não é o seu caso, ainda assim vale a pena dar uma olhada, porque há bastante conteúdo em português e em outros idiomas. Já fiz alguns cursos na plataforma e em setembro comecei e terminei o curso Human Rights for Open Societies, que recomendo.