Desejo e Reparação

Ficha Técnica

  • Título original: Atonement
  • País de origem: Inglaterra
  • Ano: 2007
  • Gênero: Drama
  • Duração: 130 minutos
  • Direção: Joe Wright
  • Roteiro: Christopher Hampton, baseado no livro Reparação, de Ian McEwan
  • Elenco: Keira Knightley, James McAvoy, Romola Garai, Vanessa Redgrave, Brenda Blethyn, Juno Temple, Alfie Allen, Nonso Anozie.
  • Sinopse: uma jovem acusa o namorado de sua irmã e filho do caseiro de um crime, mudando a vida deles.

Comentários

Desejo e ReparaçãoA pior coisa de Desejo e Reparação é esse título. O filme baseia-se no livro Atonement, ou “Reparação”. Os tradutores brasileiros, sempre empenhados em inventar os piores títulos possíveis, optaram por uma junção de substantivos, certamente para pegar carona no filme Orgulho e Preconceito[bb] (que realmente se chama Pride and Prejudice e também é baseado em livro), pensando: “ah, o diretor dos dois filmes é o mesmo, a Keira Knightley está em ambos, então esse deve ser igualzinho àquele – vamos mostrar isso no título”.

Os filmes não têm nada em comum, claro. Orgulho e Preconceito se passa 150 anos antes de Atonement e conta uma história de amor com viés feminista. Desejo e Reparação adentra a Segunda Guerra Mundial e, sim, o amor é parte essencial de seu enredo, mas perturbado por julgamentos errados e pela própria guerra.

O espectador logo percebe que Briony (interpretada por Saoirse Ronan para primeira parte do filme) é uma adolescente passional e de imaginação fértil, antevendo as conseqüências negativas que isso provocará. Na segunda metade da história, o pano de fundo deixa de ser a bucólica Inglaterra e passa a girar em torno da Segunda Grande Guerra nos seus piores momentos para a Inglaterra: a Alemanha está ganhando terreno, as tropas em território francês estão encurraladas, parece não haver esperanças. Daí, a história caminha para um final aparentemente previsível – só aparentemente.

Desejo e Reparação surpreende pela plausibilidade. Não há lances estonteantes, não há situações forçadas, não há fantasia. Sua história poderia ter acontecido no mundo real – quem sabe? Essa verossimilhança garante o envolvimento do espectador apesar do deslocamento temporal.

Chama a atenção a bela reconstituição da Inglaterra dos anos 30, poética e burguesa. A trilha sonora é muito marcante, emocionando. É daquelas trilhas que se fazem notar, o que pode resultar em desastre; em Desejo e Reparação, o destaque é bem colocado. Seu autor é Dario Marianelli, mais um nome também presente em Orgulho e Preconceito.

Apesar das semelhanças de equipe, cabe ressaltar que Desejo e Reparação é um trabalho muito superior a Orgulho e Preconceito. Se este beirava o tédio em alguns momentos, aquele mantém a atenção do espectador por toda a sua extensão, com um enredo bem contado.

Merecidamente, ganhou o Globo de Ouro 2008 de melhor filme dramático. Concorre ao Oscar em sete categorias: melhor filme, melhor atriz coadjuvante (Saoirse Ronan), melhor roteiro adaptado, melhor fotografia, melhor figurino, melhor direção de arte e melhor trilha sonora. Faltou uma indicação para Kiera Knightley.

Cotação: 5 estrelas

Serviço

6 thoughts on “Desejo e Reparação

  1. A forma como eles colocam os nomes é bem essa.
    Ainda me lembro que após o sucessos de “A Hora do Espanto”, todos os filmes de pseudo terror eram a hora de alguma coisa. A Hora do Lobisomen, A Hora da Zona Morta…

  2. Sérioq eu tu conseguiu achar o filme entediante mariane? Eu achei que o filme tem um tirmo muito bom. Fora que afotografia e a direção de arte são perfeitas é impressionante. Eu fiquei de boca aberta várias vezes com a beleza das cenas.

  3. Um tesão de filme. Saí do filme um pouco chocado.
    E vi o filme antes de acabar o livro…

    A trilha sonora, com os sons da máquina de escrever, é de arrepiar.

  4. Ouvi falar deste filme e estou tentado a vê-lo. Dramas sempre me atraem, principalmente quando o roteiro tem algo inteligente ou poético. Sendo que acho poesia nas coisas mais simples e cotidianas.

    Vou procurar assistir. =D

  5. Esse filme é maravilhoso em muitos aspectos e não tem nada que eu consiga criticar, a não ser a tradução do título para o português! E eu fiquei pensando que tinham colocado “desejo” só para atrair mais pessoas… Sua explicação sobre a comparação com Orgulho e Preconceito é muito mais verossímel! Rs… Há muito planejo ler alguma coisa do McEwan, depois do filme ficou obrigatório!

Comments are closed.