Très vite

Os seres humanos se dividem entre os que gostam de Toddy e os que preferem Nescau.

A preguiça é a mãe de todos os vícios – mas mãe é mãe, e devemos respeitá-la (“sabedoria” popular).

O mundo é mesmo tão complicado quanto parece? Ou somos nós que complicamos tudo?

É mais fácil mimeografar o passado que imprimir o futuro (essa é do Zeca).

Se nos é dada a benção de ignorar o futuro, por que não temos a graça de esquecer o passado?

Solidão é o que você sente depois de passar uma semana cercada de gente. Quase uma síndrome de abstinência.

8 thoughts on “Très vite

  1. Eu gosto de Toddy, e você, Lu? =) Ah, bem que eu desconfiei que você falava francês. O mundo inteiro é uma complicação feita de coisas simples, mas a gente sempre complica tudo muito mais. No momento, acho pouco prudente falar no passado… Mas o desgramado não vai embora não. ^^ Beijo!

  2. “A necessidade faz o sapo pular… e o homem trabalhar…”
    Aaaaaaafffffffff, segunda-feira chegando… vou me recolher aos meus aposentos…
    Beijo!

  3. Eu sou do Nescau, mas não dispenso o Toddy se só tiver ele. Chocolate é bom de qq jeito :d

  4. Prefiro Toddy
    É ainda bem que o mundo é uma bola porque se fossem duas seria um saco \:d/
    beijo

  5. Xô te dizer… prefiro toddy light. enjoei nescau. e sobre saudade… o Poetinha tem uma boa: “Saudade é a vontade de estar perto, se longe. E mais perto, se perto!”. Dá-lhe Vinícius de Morares. Bjus e gostei daqui!

Comments are closed.