5 livros para ler ainda este ano

Top 5 por Darren RowseA Nospheratt deu a dica em bom português: Darren Rowse, pioneiro do “probloguismo”, está promovendo um Top 5. Você pode escrever no seu idioma, sobre o que desejar.

Os incentivos? Dois links num blog ultra-hiper-maxi-popular e, se você for muito sortudo, mil e uma doletas. Leia as regras no blog da Nospheratt, em versão resumida, ou no original, em inglês.

Eu, que quase nem gosto de listas (imagina…), não poderia ficar de fora.

Para participar da brincadeira, quis fazer um Top 5 útil – e quer coisa mais útil que apreciar a leitura? Ser um bom leitor é atributo importantíssimo num tempo em que boa parte das informações relevantes vem em forma de texto, por internet ou periódicos. Ademais, quem lê bem escreve com facilidade e se comunica corretamente. Certamente, estará melhor preparado para qualquer entrevista de emprego ou prova de seleção do que aquele candidato que mal sabe “juntar as letrinhas”.

Confesso que me afastei dos bons e velhos livros nos últimos tempos, embora continue sendo uma leitora voraz – atualmente, voltada demais para a web. Preciso dar um jeito de incorporar à minha rotina meia hora diária de leitura à moda antiga, e dou a você o mesmo conselho. Para começar, que tal ler as indicações deste Top 5 até o fim do ano?

Escolhi livros com estilos e propostas bem diferentes, pois acredito que a diversidade de temas é um dos segredos para se tornar um bom leitor.

Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis1. Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis: literatura universal em língua portuguesa. Publicado em 1881.

Se você foi (ou é) um adolescente estudioso, leu no segundo grau. Em todo caso, é daqueles livros que merecem ser relidos na idade adulta, quando você será capaz de analisá-lo sob outras luzes. O morto Brás Cubas faz, do além, um retrato afiado da burguesia e da oligarquia brasileiras, ainda aplicável nos dias de hoje. Lança sobre tudo um olhar cáustico – o bom dr. House é um aprendiz da arte da ironia se comparado a Brás Cubas. Sua frase final é, em si, um clássico: “Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado de nossa miséria.” O livro está disponível para download, sem violação de direitos autorais.

Machado de Assis é, na opinião de muitos, o maior escritor brasileiro de todos os tempos. Pena que Paulo Coelho faça mais sucesso.

Cem Anos de Solidão - Gabriel García Márquez2. Cem Anos de Solidão (Cien Años de Soledad), de Gabriel García Márquez: literatura universal em língua estrangeira. Publicado em 1967.

Valendo-se do realismo fantástico, Marquez conta a história de várias gerações da família Buendía, da fictícia cidade de Macondo. É comum, ao iniciar a leitura, sentir-se a tentação de traçar a árvore geneálogica da família Buendía, num esforço para se localizar em meio às sucessivas gerações, em que prenomes se repetem e histórias se cruzam. Não vale a pena. Mais proveitoso é deixar-se levar pela narrativa mágica que, a certa altura, conta de uma época em que choveu tanto que “os peixes poderiam entrar pelas portas e sair pelas janelas”. Cem Anos de Solidão é uma metáfora, por vezes bela, freqüentemente cruel, das sociedades latino-americanas.

Gabriel García Marquez ganhou o Prêmio Nobel de Literatura em 1982.

Não me Abandone Jamais - Kazuo Ishiguro3. Não me Abandone Jamais (Never Ler Me Go), de Kazuo Ishiguro: literatura contemporânea/drama. Publicado em 2005.

Na primeira página, é apresentada Kathy M., uma cuidadora de doadores que foi treinada para o ofício durante toda a sua vida, num orfanato inglês. Aos 31 anos de idade, está prestes a encerrar sua carreira. O leitor vê-se diante de palavras e situações cujo significado não compreende. A narrativa retroage, então, para a infância de Kathy e seus amigos no internato. Aos poucos, descortina-se uma história profundamente comovente e trágica. O romance provoca questionamentos éticos intensos e abala convicções. Você pode ler as primeiras páginas aqui.

Kazuo Ishiguro, japonês radicado na Inglaterra, também escreveu Resíduos do Dia, que foi transformado em filme cujo título, no Brasil, é Vestígios do Dia.

Alta Fidelidade - Nick Nornby4. Alta Fidelidade (High Fidelity), de Nick Hornby: literatura contemporânea/cultura pop. Publicado em 1995.

Rob Flemming é um solteirão na casa dos 30, mal-sucedido em seus relacionamentos amorosos e não muito melhor quando o assunto é financeiro. Seu passatempo preferido, depois da música, é fazer lista ao estilo – adivinhe? – Top 5. Após ser chutado mais uma vez, decide fazer um Top 5 das suas separações mais memoráveis. O livro é um passeio pelos anos 70 e 80, regado a muito rock e cheio de referências à cultura pop. Uma viagem pelo mundo masculino – e, por isso mesmo, muito interessante para as leitoras – que conta com pérolas como “As pessoas afetivamente mais infelizes que conheço são as que mais gostam de música pop.”

Alta Fidelidade virou filme (com excelente trilha sonora, claro) e peça teatral. Nick Hornby é um dos mais festejados escritores britânicos da atualidade.

Antologia Poética - Vinicius de Moraes5. Antologia Poética, de Vinicius de Moraes: poesia. Publicado em 1977?

Sou uma pessoa de prosa, muito mais que de poesia. Gosto de poucos poetas, não por desprezar o gênero, mas por não ter mesmo o hábito de lê-lo. Dentre esses poucos “eleitos”, está Vinicius de Moraes, chamado carinhosamente de “poetinha”. Essa antologia, uma raridade atualmente, reúne textos produzidos entre 1933 e 1946. Traz poesias famosas como Soneto da Separação e Soneto da Fidelidade, e outras menos conhecidas, como Balada do Morto-Vivo – uma de minhas preferidas e, salvo engano, presente somente nesta antologia.

Não tenho certeza de quando esse livro foi publicado, até porque há várias antologias poéticas do Vinicius, o que complica a pesquisa. Esta saiu pela Editora Companhia das Letras. Infelizmente, a obra está esgotada e você terá sorte se encontrá-la em um sebo. Por outro lado, há várias antologias do poetinha fáceis de encontrar, algumas por preços camaradas.

Boa leitura!

56 thoughts on “5 livros para ler ainda este ano

  1. Lu, se você gosta de Garcia Marquez – eu adoooro – recomendo muitíssimo a autobiografia dele. Acho que em português se chama “Viver para Contar”. Eu tenho o original em espanhol, “Vivir para Contarla”.

    É divertidíssimo ver, através da história da vida dele, onde se originaram muitos episódios e personagens de 100 Años de Soledad. A biografia está escrita no mesmo estilo de realismo fantástico dos outros livros; acho que é a biografia mais divertida e interessante que já li. Vale mesmo à pena.

    Beijos! 🙂

  2. Gosto muito dos livros da Zíbia Gasparetto, já linha uns 4 ou 5, são muito bons.

    No mais, tenho lido bastante livros Jurídicos, ossos do ofício ehehehhehh…

    Parabéns pelo Blog!

  3. Luuuuuuuu,
    Quando eu comentava comigo mesma que você adora uma lista, você prontamente confirmou que gosta mesmo!
    E quem não curte, organizado não é!
    Livros eu poderia citar uns cinquenta… Clarice Lispector, Luis F. Verissimo, Marcelo R. Paiva, Drummond, Quintana… ai, tantos… Amo!
    E você me lembrou do *Alta Fidelidade*, que não li, mas que vi a peça e é sensacional! Você também viu, não viu?
    Beijão!
    ps: you´ve got scrap!

  4. Pingback: 374 Top Fives
  5. Boa seleção. Também recomendo a biografia do Gabo, mas 100 anos é melhor. Muuuuuito melhor.

  6. Memórias Póstumas eu li nos tempos de colégio, seria bom reler novamente para relembrar detalhes da trama. 100 anos de solidão é um dos meus de cabeceira, já li umas duas vezes…
    No momento tô terminando Pé Na Estrada do Jack Kerouac e vou seguir para o famoso “O Caçador de Pipas”.

  7. “Cem anos de solidão” é uma excelente recomendação. Quem o ler vai viajar com aquela estória tão surreal e divertida.

    bjos.

  8. Eu ainda não li o Alta Fidelidade, mas estava pensando em reler o Dom Casmurro. Machado de Assis é sempre boa pedida… Vinícius de Moraes dispensa explicações! Gostei demais da sua lista e se vc não morasse tão longe, te emprestava o Ishiguro. É muito bom, tem um certo suspense, mas o principal é mesmo o questionamento ético. Não sei como ele consegue passar a mensagem por meio de uma história com tanto sucesso. Ele não explica nada a princípio, a gente vai deduzindo, é muito bom. Ao mesmo tempo, é algo meio fora do tempo. Estou ficando viciada nos japoneses! Leia depois Kawabata! Ele escreveu A casa das Belas Adormecidas, no qual o Garcia Marques se inspirou para Memórias de Minhas Putas tristes. Mas dessa vez eu preferi o Kawabata.

  9. Pingback: BrainBasedBusiness
  10. Memórias Postumas foi um dos livros que me mandaram ler no colegial sim. E exatamente como o Alienista eu, que não tinha tempo para perder com bobagem, comecei lendo paragrafos de 10 em 10 páginas para entender mais ou menos a história e poder fazer prova, trabalho, seja lá o que for e me arrependi, voltei para a página 1 e lí inteirinho.

    Uma lista simples de mais de 20 livros para ler este ano é
    – Todos os Desventuras em Série (13 da série e 2 ‘adicionais’)
    – Torre Negra – de I à VII

    😀

  11. Lu,

    Gostei da tua lista. Fiz uma há pouco tempo também. Ainda estou lendo “Cem anos de solidão”. Tentei traçar a árvore deles, saber quem é filho de quem, mas já desisti. Mas o livro é muito bom, é envolvente.

    Grande beijo!

  12. O Caçador de Pipas é otimo!!

    Memorias Postumas li tbm em epoca de escola, mas ja faz tempo
    vou ler, vou seguir a lista !

  13. oi! lú… ó eu aqui de novo, sua lista é ótima, realmente brás cubas merece uma releitura na maturidade, garcia marques é maravilhoso e vinícus nem precisa de comentários. você com certeza é uma pessoa especial. acabei de ler a cidade do sol ( a thounsand splendid suns ) do khaled hosseini, o mesmo do caçadores de pipa, e fiquei muito impressionada e emocionada com situação das mulheres no oriente, no meio da guerra, das religiões, da submissão e etc… valeu a pena! até breve
    ps. ainda estou explorando seu blog, estou achando ele muito legal. parabéns

  14. hum.. O Brás cubas é leitura obrigatória para vestibulandos ou não.. Adoooro tudo do Garcia Marques e Vinicius de Moraes é sem comentários.. gostpo muito da reunião de crônicas dele “para uma menina com uma flor”, conhece??
    Estou lendo “admirável mundo novo” do Aldous Huxley, tentei ler anos atrás mas achei chato.. agora estou adorando… adorei teu blog, estou linkando ao meu para não esquecer de voltar aqui sempre.. boa semana!!

  15. O brasileiro é discriminado e mais discriminador ainda.Sempre falamos de negros,índios,como se não fôssemos nós mesmos.Aconselho a leitura de Casa Grande e Senzala de Gilberto Freire,talvez assim nesse passeio sobre nossas origens,quando descobrimo-nos, possamos ser mais humildes em relação aos outros.

  16. Ola lu!
    Tudo bem?
    Queria muito baixar um livro que voce postou no site CEM ANOS DE SOLIDAO. como faço?

    Att.
    Micchell Henrique

  17. oi gente!eu gostei muito do filme e do livro quero ler todos os dias da minha vida vlw gente um abraço…brigadoo bjs.

  18. Eu recomendo a leitura de um que é emocionante, uma lição de vida, maravilhoso!
    Esse livro está nesse site:
    http://www.clubedeautores.com.br/book/21666–Reinventar_a_Vida

    Trata-se da história de uma criança, vítima de uma síndrome desconhecida, sem diagnóstico conclusivo de seu caso, projetada, curada, à vida adulta e se vê casado em um longo diálogo ao lado de sua esposa e filho. Ela divaga à procura de uma cura miraculosa. E, este filho, como protagonista principal, ainda criança, anuncia a maravilhosa história de vida de seu pai, acometido por esta doença incomum, que lhe conta a sua saga, a dedicação e o amor incondicional de seu pai, avô da criança, em relação a ele.

    Autor: Mário Morgan Santos.
    Nome do Livro: Reiventar a Vida.

Comments are closed.