O Fim de Cada Amor

Coração na AreiaDa primeira vez que um grande amor termina, você tem absoluta certeza de que vai morrer. Tudo que entende é que a sua vida acabou ali, no segundo em que ele deu as costas. Não há mais futuro. Supondo-se vagamente que não morra, uma coisa é inegável: você nunca mais será amada novamente.

Da segunda vez que um grande amor termina – o quê?, como assim, “segunda vez”? Pois é. Acontece que você estava errada. Você continuou a viver e, veja só que coisa, foi amada novamente – e correspondeu! Pois então: da segunda vez em que termina um grande amor, você jura que será a última – isto é, na hipótese de sobreviver (mas o fato é que, dada a primeira experiência, você começa a achar que também não será dessa vez que morrerá). Encarnando Scarlett O’Hara, você seca as lágrimas, olha para o céu, ergue os punhos e brada: “Nunca mais amarei novamente!”.

Da terceira vez que um grande amor termina, você sofre como se fosse a primeira. Encolhe-se na cama, encharca o travesseiro e soluça até dormir, finalmente. Pergunta-se o que fez de errado e imagina mil conversas e alternativas que teriam evitado o fim desse amor que parecia eterno. Só que, a essa altura, você sabe que vai passar. Sim, novas cicatrizes surgirão. O medo de outro tombo aumentará, inevitavelmente. Mas você sabe que a vida continua e que, um dia, estará pronta para amar de novo.

Então, torcerá para que seja a última vez.

(Escrito em 9.9.2011.)

Imagem: joegus74, royalty free.

3 thoughts on “O Fim de Cada Amor

  1. Pois, e´… E tudo teve o tempo como intermediário implacável, impassível. Este que cura tudo, incluso as dores de amores.
    Que não seja o ultimo, mas que seja intenso e correspondido e aprendido.
    Somos poderosas, querida! O saco é que descobrimos isto la pelos quarenta, e olhamos para estes amores que nos surgem com a força deste aprendizado, dos travesseiros encharcados, dos diálogos remoidos e das culpas assumidas – então as resuminmos e rimos de tudo ou todos.
    Gostoso texto, lido e curtido nos meus 56 aninhos e com meu ultimo e importante amor (da série de muuuuitos) ao alcance da mão… Abraço.

  2. E, com o tempo, descobrimos que essa é a dança e que amar e sofrer fins não mata, exceto se acreditarmos e investirmos em nossa própria destruição. Aprendemos melhor sobre que tipo de pessoa pode adentrar nossa vida. Aí ficamos precavidos e mais sábios.

    Forte abraço!

  3. adorei a crônica é muito bonita e chama a atemção de todos leitores adorei ler e recomendo a todos a lerem

Comments are closed.