Dia de Folga » Opinião com gelo e laranja.

Blogs versus Mídia Tradicional: a guerra começou?

Publicado em 31/07/2007, em blogs, internet e televisão. Tags:

Studio 60 on the Sunset StripAlguém aí tem assistido a Studio 60 on the Sunset Strip? Trata-se de uma excelente série que mostra os bastidores de um programa (fictício) concorrente do famoso (e real) Saturday Night Live. O seriado foi cancelada após uma única temporada (não dá pra entender o gosto do público norte-americano). Basicamente, girava em torno da tentativa de reerger o show, depois de um período de vacas magras.

O segundo episódio da série traz um diálogo muito interessante sobre a dimensão atual dos blogs. Na cena, dois personagens, Simon Stiles e Tom Jeter, conversam. Tommy está preocupado com a crítica negativa de uma blogueira a Studio 60 e com sua descrença quanto à possibilidade de o novo time aumentar a audiência do programa. Simon tenta tranqüilizá-lo:

Simon: Pare de considerar a internet. A tal Bernadette escreveu isso de pijamas, tem um freezer cheio de comida dietética e está rodeada de cinco gatos!
Tommy: O New York Times vai citar Bernadette para mostrar que ouve o público e que não é uma mídia elitista. Eu preferia quando ele era uma mídia elitista – sou fã das credenciais! Parece que vivi os últimos cinco anos num filme de Roger Corman chamado “A Vingança do Escritor Medíocre”. Eu tenho que me levar em conta a internet porque o resto do mundo leva!

Esta é a visão de boa parte da mídia norte-americana sobre os blogs: embora não morra de amores pela concorrência sem “credenciais”, ela precisa se preocupar com o que dizem os blogueiros, já que cada vez mais eles têm se firmado como formadores de opinião.

Para recuperar terreno, há uma tentativa de aproximação entre o mainstream e os blogs. Na cobertura das eleições presidenciais francesas deste ano, por exemplo, a CNN valeu-se da opinião de blogueiros, promovendo, inclusive, uma mesa redonda com alguns deles para comentar o resultado do primeiro turno.

No mesmo sentido, a revista Time elegeu Você como personalidade do ano de 2006, referindo-se à importância crescente dos meios online como geradores de conteúdo. A revista considerou que o poder de informação deixou de ser privilégio de uma meia dúzia de jornalistas e passou às mãos das milhões de pessoas que alimentam diariamente a internet com vídeos no youtube, textos em blogs, artigos na Wikipédia, agregando conteúdo e formando opinião:

Por apoderar-se dos reinos da mídia global, por fundar e desenvolver a nova democracia digital, por trabalhar em troca de nada e superar os profissionais em seu próprio jogo, a Personalidade do Ano de 2006 para a Time é você.

Por outro lado, na terra brasilis a mídia tradicional corre na contramão. Aproveitando-se do slogan “Pense ÃO”, usado em campanhas publicitárias desde março, o jornal Estado de São Paulo deu início a uma campanha contra os blogs, sob o lema “Clique ÃO”. Segundo o Gabriel Tonobohn (não tive a chance de ver a peça publicitária), a propaganda mostra duas adolescentes suspirando por ruivos de aparelho só porque leram num blog (escrito por um ruivo de aparelho) sobre uma pesquisa comprovou que eles são mais bem-sucedidos. O comercial termina proclamando “Você já pensou por onde anda clicando? Estadão, clique ÃO”, numa clara indicação de que blogs não mereceriam a confiança dos internautas.

O Gabriel postou sobre isso na lista de discussão da blogosfera e o assunto foi a sensação da semana passada. Houve quem enxergasse o início de uma guerra pelos leitores, foram aventadas estratégias de revide e alguns simplesmente acharam graça na coisa toda.

Na minha opinião, realmente não faz diferença se este é o início de uma guerra ou não. A campanha do Estadão não passa de um tiro no pé.

Em primeiro lugar, blogueiros ocupando o papel de formadores de opinião são um fato, independentemente do esforço do Estadão em desacreditá-los. A própria mídia estabelecida contribui, ainda que indiretamente, para aumentar o prestígio dos blogs. Jornais e revistas têm perdido credibilidade na medida em que fica cada vez mais nítido o seu comprometimento com interesses políticos e de mercado.

Blogs, por sua vez, são em sua maioria livres. Em regra, o blogueiro escreve sobre o que tem vontade. Blogueiros não obedecem a um editor-chefe, não têm pauta predeterminada e seus artigos não sofrem sucessivos cortes para se ajustarem à linha editorial do veículo que paga o seu salário. Mesmo os caçadores de paraquedistas, que escrevem sobre assuntos da moda para lucrar com o AdSense, têm uma liberdade editorial muito maior que as revistas de fofocas, seu equivalente na mídia tradicional.

Na maioria dos casos, o blogueiro escreve sobre o que gosta. Geralmente, por ter interesse no tema, pesquisa a respeito e produz bons textos, mesmo sem formação técnica (que também falta a muitos jornalistas, aliás). Ele não é obrigado a escrever qualquer coisa para preencher uma página na última hora, nem será demitido se atrasar em um ou dois dias a publicação de um artigo a fim de torná-lo mais completo.

Se um assunto surge de uma hora para a outra, o blogueiro não precisa aguardar a edição do dia seguinte, ou da próxima semana, para falar a respeito. Basta conectar-se e escrever. A versatilidade dos blogs lhes confere uma agilidade maior que a da mídia tradicional.

É por essas e outras que blogs se tornam uma referência cada vez mais importante. Se eu quiser ler sobre as últimas novidades da tecnologia móvel, você acha que vou abrir um jornal – ou, que seja, o site de um jornal – ou vou gastar dinheiro numa revista que mofa nas bancas há duas semanas? De jeito nenhum. Minha primeira consulta será ao blog da Bia Kunze, porque sei que encontrarei por lá informação em primeira mão e, acima de tudo, sincera. A Bia não fará uma resenha favorável a um celular para agradar um fabricante – pode até escrever um texto parcial, mas fornecerá argumentos para justificar suas impressões e, mais importante, não fingirá isenção. O mesmo vale para outros tantos blogs de nicho, como o Meio Bit e o Gui Leite.

Mesmo os blogueiros que fazem resenhas pagas avisam seus leitores quando esse é o caso e, afinal de contas, não estão obrigados a fazer elogios ao produto – sequer são obrigados a escrever a resenha. Blogueiros têm total liberdade para escolher sobre o que falar, que mercadorias avaliar, quais pontos destacar. A mídia clássica fornece uma visão tendenciosa sobre produtos, fatos e notícias, escondendo-se atrás de uma pseudo-isenção; os blogueiros assumem suas posições pessoais, tornando-as claras aos seus leitores.

Outra evidência de que a campanha do Estadão como um erro é que ele mesmo, o Estadão, mantém uma série de blogs em seu portal – alguns muito sem graça, é verdade, mas outros interessantes. O que a campanha do Estadão quer dizer? Que só os blogs sob suas asas prestam? Que raio de julgamento faccioso é este?

De qualquer forma, não acredito que haja uma guerra entre a mídia tradicional e os blogs. Vejo ambos os veículos como complementares. Se quero conhecer a lista dos 10 livros mais vendidos, vou à revista; se desejo uma opinião sobre cada um deles, uma pesquisa pela blogosfera será mais produtiva. Para saber quem é o novo ministro da Defesa, abro o jornal; para ler opiniões honestas sobre a nomeação, consulto blogs.

Agora, se existe mesmo essa tal guerra, a mídia tradicional tupiniquim está perdendo. Na mesma proporção em que cresce o acesso do brasileiro à internet – especialmente à conexão de banda larga – aumenta a importância dos blogs como rede de entretenimento e formação de opinião. Os veículos que não entenderem essa transformação vão se fossilizar. É uma questão de tempo – pouco tempo.

No mundo da informação, ter “credenciais” conta cada vez menos.

P.S.: você sabia que a expressão “a mídia” está errada? Ela deriva de media (“meios”, em latim), pronunciada “mídia” pelos norte-americanos. Herdamos deles a pronúncia anglicizada e acrescentamos o artigo definido feminino, quando o certo seria nos referirmos aos meios de comunicação como “os media”.


40 comentários para “Blogs versus Mídia Tradicional: a guerra começou?”

  1. Julia disse:

    Concordo com tudo. Eu quase sempre prefiro ler sobre certas coisas em blogs. As vezes leio uma manchete no jornal e penso “fulaninho do blog tal vai falar sobre isso” e geralmente acabo nem lendo a matéria do jornal.

    Mas acho que no Brasil talvez ainda demore um bom tempo pros blogs atingirem um número tão grande de pessoas, como nos EUA. O pessoal que é envolvido com a blogosfera sempre tende a confiar mais nos blogs, mas o “cidadão médio” dificilmente acredita.

  2. Thássius disse:

    Compactuo totalmente com o seu posicionamento. Jornais, revistas, blogues, tevê, rádio portais… Cada uma dessas mídias (ou meios) tem seu papel sendo estabelecido há anos. Não acredito que qualquer desses formatos vá morrer.

    Só não descarto que todos eles migrem de vez para o “virtual”.

  3. [...] Lu escreveu um texto muito bom sobre esse assunto, só que de forma jornalística, e não de forma tosca e pré-primária como eu. [...]

  4. [...] Luciana não acredita que haverá uma guerra entre a mídia tradicional e os blogs, mas na minha opinião se for para apontar um favorito, eu aposto nos blogs. Porque quem irá [...]

  5. Lu, se eu já não tivesse escrito sobre esse assunto, não escreveria uma única linha depois de ler esse seu post. Completo. Perfeito. Irretocável. Assertivo. Definitivo. Diferente disso, como disse o Cardoso, é bla-bla-bla. Abraço!

  6. [...] façanha de adaptar o meio a si) e reproduzirem-se. Façam as suas apostas. Vencerão os blogs essa batalha contra a poderosa e famigerada mídia tradicional? Cá estou a fazer a minha aposta [...]

  7. marmota disse:

    Oi, Lu! Concordo contigo. Eu vi essa discussão na lista, achei que ela fez mais espuma do que devia. A imagem do Estadão sempre foi sisuda, centenária, tradicional. Essa propaganda (que é inofensiva, vai por mim) só reflete a imagem de sempre da empresa. Simples assim.

  8. Lu concordo com vc, dois anos atrás a minha fonte de referência era basicamente portais e jornais, atualmente leio mais blogs, quando há algo interessante que quero saber mais a respeito, entro no google e procuro uma fonte com “mais credibilidade”, na verdade acho que todo esse rebuliço vem do medo do novo, do medo de perder o controle, de perder leitores… bjs

    ps: vai aprticipar da blogagem coletiva?

  9. Cris disse:

    Oi Lu!!!
    Concordo plenamente, mas algumas pessoas realmente resistem a novos formatos… Minha mãe mesmo, adora a internet, acacbou de descobrir o youtube e veio me dizer esses dias que acha uma perda de tempo escrever e ler blogs… Respondi que se fosse assim, nenhum jornal daria um blog a jornalistas (para não alimentar a discussão) e ela não retrucou.
    Beijos

  10. Lu disse:

    É verdade, Julia. Ainda temos um longo caminho a percorrer – e mesmo assim o Estadão já está com medinho. :P

    Thássius, também acho que essa migração é questão de tempo. Não que o rádio, por exemplo, vá morrer – apenas usará a internet como outra forma de divulgar sua programação, como algumas emissoras já fazem.

    Wagner, li seu artigo no Boombust e gostei muito, especialmente por ter complementado o tema com a entrevista na Folha e a discussão sobre responsabilidade (que deveria ser meu artigo de hoje, mas, por motivo de força maior, fica para sexta-feira).

    Marmota, realmente, vindo do Estadão não era para causar tanta surpresa.

    Também acho que é medo, Veridiana. Que blogagem? A de amanhã?

    Cris, essa resistência aos blogs, essa idéia de que é “perda de tempo”, vai sendo quebrada aos poucos, conforme as pessoas percebem que blog não é sinônimo de querido-diário-adolescente.

  11. Opa Lú!

    Só acrescentaria a sua análise, que na Era da Informação vale a regra de ouro de checar as novidades, notícias, etc em mais de uma fonte e ler nas entrelinhas… Pois as grandes empresas já procuram “coopatar” fomadores de opiniões explicita ou implicitamente!

    O lance legal é que hoje a informação é bastante abundante e, portanto, para um leitor que tenha desenvolvido as competências de buscar a “média” das verdades de várias fontes está bem melhor servido do que buscá-la num únuco formato, quer seja “media” tradicional ou novas “medias”…

    PS: Media ainda não soou bem aos meus ouvidos :-)

    []‘s

  12. j. noronha disse:

    Não vi o comercial, mas pela descrição, acredito que é um tiro no pé com os olhos vendados. O Estadão está superestimando o internauta brasileiro.
    Explico: o público em geral não vai entender que o alvo são os blogs, até porque para o usuário médio de internet, blogs e sites são a mesma coisa.
    O máximo que imagino de efeito nesse comercial é o usuário ter mais cuidado no Orkut, que é o que provavelmente imaginará ser a referência.

  13. realmente…
    os blogs ainda vão dominar o mundo, rssss.
    vc ja viu na multishow um programa que é feito a partir de um blog?
    esqueci o nome do programa, mas deve saber do que eu to falando.
    acho que a tendencia é essa mesmo!!!

    bjossssss

  14. Lu disse:

    Lu, eu ja leio mais blogs do que os jornais, isso é fato …alguns são bem sérios e com informações pertinentes. É os Estadão que se cuide … heheheehe
    Quanto ao seriado, não assisti … nem sei o motivo … um que muito bom, mas que só estreiou la fora é Damage ! Baixei os 2 primeiros episodios, muito bom !
    Ahh quanto ao pownce, sinceramente ? Acho que é mais uma tranqueira …
    beijão

  15. [...] vale perguntar se há mesmo uma guerra antes de declará-la, pois existe ainda muito desconhecimento de lado a [...]

  16. [...] Blogs versus Mídia Tradicional: a guerra começou? – Dia de Folga [...]

  17. [...] porquê tenho certeza que eles vão sucumbi? Porque a primeira pedra foi lançada. Se continuarmos “roubando” os 2, 3, 4 reais de cada edição dos jornais e suas [...]

  18. Eliseu disse:

    Não creio que isso acontecerá, mesma coisa em apostar que second life vai ser o modelo de negócios e futuro da internet, ameaçando talvez até a web.

  19. Bruno Fontes disse:

    Simplesmente perfeito, Lu!

    Eu dificilmente leio alguma matéria em jornal. Até assino alguns feed de notícias, mas matérias maiores eu prefiro contar com os profissionais de verdade, que, como você mesma disse, escrevem porque gostam, e não porque se eles não escreverem, não receberão o seu salário no final do mês.

    Apesar do comentário um pouco radical, devo admitir que existem Jornalistas e jornalistas. Assim como existem Blogueiros e blogueiros! Mas em caso geral, prefiro as informações dos Blogs.

  20. [...] Cardoso já pediu pra parar, mas não tem jeito, a galera quer bater boca. Alguns até já partem com um pouco mais de agressividade, e eu sou a [...]

  21. [...] J. Noronha Rafael Slonik Henderson Carlos Aquino Big Earl Carlos Merigo Graveheart Gabriel Tonobohn Luciana Monte Eduardo Fernandes Carlos Cardoso Compartilhe: These icons link to social bookmarking sites where [...]

  22. [...] Existe a guerra? N?o sei. O que existe ? que os jornais reinavam absolutos e o leitor era um consumidor passivo da informa??o. Hoje, o leitor pode ler e em seguida escrever, criticar o que leu. Acabou a informa??o de m?o ?nica. Os jornais est?o perdendo territ?rio e sabem disso. S? que a coisa n?o tem volta, ent?o o melhor a fazer ? aprender a lidar com essa mudan?a. [...]

  23. Júlio disse:

    “Mesmo os blogueiros que fazem resenhas pagas avisam seus leitores quando esse é o caso e, afinal de contas, não estão obrigados a fazer elogios ao produto – sequer são obrigados a escrever a resenha. Blogueiros têm total liberdade para escolher sobre o que falar, que mercadorias avaliar, quais pontos destacar. A mídia clássica fornece uma visão tendenciosa sobre produtos, fatos e notícias, escondendo-se atrás de uma pseudo-isenção; os blogueiros assumem suas posições pessoais, tornando-as claras aos seus leitores.”

    O único trecho do texto que não entendi direito. Tem gente apoiando a campanha do celular desbloqueado da Oi e ela cheira a farsa. E de quem apóia, não vi uma palavra honesta dizendo que aquilo era enganação ou que a possibilidade de tal deve ser aventada. Todo mundo é equivocado na história. O Estadão e o secularismo imbecil do jornal, e os blogueiros que não podem ouvir um “a” de ironia sobre suas sacro-posições que já pensam em queimar jornais em uma grande pira. Ok, eu forcei, mas é quase por aí…hehehehehe

  24. [...] declarou Guerra aos Blogs, outros Declaram Guerra ao Estadão, outros ainda há que dizem que a a Guerra já Começou ainda se perguntam se a Guerra já Começou? Um pouco por todo o lado se iniciam Contra-Campanhas [...]

  25. Lu disse:

    É, gente, o Estadinho está na contramão mesmo, e insistindo nesse caminho errado. Os blogueiros devem estar tirando muitos leitores do jornal, para merecermos toda essa atenção. :)

  26. [...] e colar informações colhidas no mundo digital. A blogosfera que se auto intitula como geradora de conteúdo relevante ficou em polvorosa e rebateu as [...]

  27. [...] como o Cris Dias, o Alexandre Inagaki, Andre Kenji, Big Earl, este outro aqui, o Tonobohn e a Lu. Outros foram simplesmente irônicos, como o Cardoso, o Noronha, Carlos Aquino e o Charles Pilger. [...]

  28. [...] o presidente Lula. Com uma entrevista bacaníssima concedida a dois jornalistas do também polêmico jornal Estadão, Rohter fala da sua paixão pela música e cultura brasileiras, seus quase dez anos [...]

  29. [...] como o Cris Dias, o Alexandre Inagaki, Andre Kenji, Big Earl, Grave Heart, o Tonobohn e a Lu. Outros foram simplesmente irônicos, como o Cardoso, o Noronha, Carlos Aquino e o Charles Pilger. [...]

  30. [...] preciso trabalhar para mostrar ao empresariado que blogs são mídia relevante; por outro lado, a polêmica campanha do Estadão indica que estamos no caminho [...]

  31. [...] façanha de adaptar o meio a si) e reproduzirem-se. Façam as suas apostas. Vencerão os blogs essa batalha contra a poderosa e famigerada mídia tradicional? Cá estou a fazer a minha aposta [...]

  32. [...] Blogs versus Mídia Tradicional: a guerra começou? – motivado pela polêmica campanha do Estadão contra os blogs. E não, não acredito nessa tal "guerra" que representantes de ambos os lados tentaram forjar. Aposto na complementaridade dos veículos. [...]

  33. [...] Blogs versus Mídia Tradicional: a guerra começou? – Dia de Folga [...]

  34. [...] vale perguntar se há mesmo uma guerra antes de declará-la, pois existe ainda muito desconhecimento de lado a [...]

  35. Não acredito na guera. Acredito na ocupação de espeços e o novo que vem chegando, sempre, a cada nova geração. Os blogs, gurdadas as devidas proporções, são hj o que a imprensa era há séculos atrás – uma forma de divulgar idéias. :)

  36. [...] É por isso que muito desses jornais também possuem blogs. Inclusive o próprio Estadão“. Luciana Monte complementou: “Em regra, o blogueiro escreve sobre o que tem vontade. Blogueiros não [...]

  37. […] Blogs versus Mídia Tradicional: a guerra começou? – Dia de Folga […]

  38. […] vale perguntar se há mesmo uma guerra antes de declará-la, pois existe ainda muito desconhecimento de lado a […]

Deixe um comentário

Lu MonteA autora mora em Brasília e atende por Lu (de Luciana). Ou Lu Monte, já que há um monte de Lus. Mais?

No Dia de Folga, fala sobre entretenimento de qualidade, minimalismo, receitas e interesses variados. Também tem outros blogs.

Opine sobre o Dia de Folga. Leva só três minutos!

49 queries. 0,520