Ecologia Virtual

O homem e o meio ambienteAmbientalista de escritório não está com nada, concordo. Se você quer fazer algo pelo meio ambiente, mexa-se, saia do comodismo e mude seus hábitos.

Por outro lado, a web está cheia de sites interessantes sobre sobre ecologia, com informações relevantes tanto para os que acordaram recentemente para essa preocupação global quanto para quem já pensa sobre o meio ambiente há tempos. A todo momento, surgem novas iniciativas e sugestões para diminuir o impacto humano sobre os recursos naturais e o espaço urbano.

Se você ainda está entre os que acham que isso tudo é uma grande frescura, esses sites talvez o convençam da real necessidade de se preocupar com as condições do mundo em que vivemos.

Ambiente Brasil: pode não ser o maior portal ambiental da América Latina, como se proclama, mas é o maior que encontrei. Artigo, notícias e legislação sobre meio ambiente.

CBN Ecopolítica: comentários de Sérgio Abranches na CBN. Os arquivos são enviados para o site em formato mp3.

Ciência em Dia: ciência em geral e ecologia em particular, por Marcelo Leite.

ClickArvore: cadastre-se e “plante” mudas. Cada click equivale a uma arvorezinha realmente plantada por um dos patrocinadores. O site traz, ainda, informações sobre projetos ambientais e a possibilidade de comprar mudas

Eu quero verde: lançado em 21 de setembro de 2007, o site visa à educação para o desenvolvimento sustentável. O mais interessante do site é seu blog (que, aliás, precisa de um ajustezinho para aparecer corretamente no Firefox).

Faça a sua parte: reúne blogueiros preocupados com a questão ambiental.

Mude o Mundo: blog em prol da divulgação de idéias e práticas por um mundo sustentável (dica do GraveHeart).

WWF-Brasil: recheado de informações técnicas sobre questões ambientais. A Rede WWF, criada em 1961, tem sede na Suíça e ramificações pelo mundo inteiro. No Brasil, está presente desde 1996.

An Inconvenient Truth (em inglês): site oficial do documentário protagonizado po Al Gore, recente ganhador do Prêmio Nobel da Paz. Vale a pena acessar a seção Take Action.

Você conhece algum bom site voltado para a questão ambiental? Comente e deixe a sua sugestão.

Meio ambiente também é problema seu

Este artigo faz parte do Blog Action Day, movimento ao qual aderiu o Nossa Opinião. Também pretende retomar a discussão sobre Ecologia no Dia de Folga.

Blog Action Day

Ecologia: ciência que estuda as relações dos seres vivos entre si ou com o meio orgânico ou inorgânico no qual vivem.

Meio ambiente: conjunto de fatores físicos, biológicos e químicos que cerca os seres vivos, influenciando-se e sendo influenciados por eles.

(Fonte: Dicionário Houaiss da língua portuguesa)

Quando o assunto é meio ambiente, muita gente ainda se coloca em posições extremistas. De um lado, estão os ecochatos, criaturas que gostariam de voltar à idade da pedra lascada – mas sem consumir carne – e amaldiçoam o progresso tecnológico; de outro, está a turma do não-tô-nem-aí, que encara o ambientalismo como prosopopéia flácida para acalentar bovino.

Como em quase tudo na vida, vale a máxima aristotélica: a virtude está no meio.

Xiitas ecochatos causaram, é verdade, um grande prejuízo à causa ambiental. Ações polêmicas de grupos como o Greenpeace, pertubações do status quo sem a menor conversa prévia e campanhas pouco fundamentadas criaram em muita gente um ranço contra qualquer tema relacionado a ecologia.

Nossa OpiniãoSó que não importam seus ranços ou preconceitos – a menos que você more numa bolha, está em constante interação com o meio ambiente. Quando você sofre com secas ou inundações, quando tem irritações respiratórias, quando escolhe verduras e legumes de fontes confiáveis, quando aprecia um bonito pôr-do-sol, quando reclama da poluição sonora e visual, você reforça a existência dessa interação.

Lentamente, o mundo está acordando para uma visão equilibrada das relações do homem com o espaço em que está inserido. A era das campanhas bombásticas ficou para trás; o que os ambientalistas procuram, atualmente, é a conscientização por meio de demonstrações científicas do estrago que já foi feito ao planeta e do que nos aguarda num futuro próximo, caso não repensemos nossos hábitos.

O marco dessa virada foi 2006: Al Gore, com seu documentário vencedor do Oscar Uma Verdade Inconveniente, realizou um brilhante e lúcido trabalho de conscientização. Merecidamente, acabou de receber, com o IPCC (Painel Intergovernamental para Mudanças Climáticas), o Prêmio Nobel da Paz. Entre os agraciados em anos anteriores estão personalidades como Kofi Annan, Nelson Mandela, Martin Luther King e Mikhail Gorbachev, o que dá uma idéia da importância da preocupação ambiental no mundo contemporâneo.

Aqui no Brasil, a consciência ecológica ainda não chegou para muita gente. Temos um governo que vê o meio ambiente como entrave para o progresso e se alinha com os pontos de vista da China, que já ocupa o posto de maior poluidora mundial. Muitos brasileiros prendem-se a discursos individualistas e demagógicos. Sobre o Dia Mundial Sem Carro, em 22 de setembro último, houve quem dissesse que era frescura de ecochato, sem atentar para a necessidade urgente de racionalização do espaço urbano antes que se chegue ao completo caos. E sempre tem alguém para bradar “com tanta criança passando fome, vocês ficam se preocupando com plantinha”, numa visão reducionista e ultrapassada do problema ambiental.

Apesar desse atraso, estamos vivendo o ano em que o meio ambiente entrou na pauta de discussões entre governantes, estudiosos, economistas e amigos em mesa de boteco. Aos poucos, surgem alternativas, mudanças de comportamento, revisão de valores e padrões de consumo que apontam para uma nova forma de encarar a ecologia.

A estrada do desenvolvimento sustentável é longa. Você pode começar a percorrê-la já, com pequenas atitudes, ou continuar no grupo dos egocêntricos acomodados parados no tempo e no espaço. E aí, o que vai ser?

Você sabe o que é 3R?

Lixão3R (ou 3 erres ou, ainda, 3R’s) é um recurso mnemônico para um processo seqüencial que visa à diminuição dos resíduos sólidos – em bom português, é um caminho para produzirmos menos lixo.

Reduzir

Reutilizar

Reciclar

Tenho certeza de que você já ouviu falar muito em reciclagem, seja de papel, latinhas ou plástico. Supermercados fazem campanhas, catadores estão por toda parte, shoppings colocam lixeiras compartimentadas à disposição dos clientes.

Acontece que reciclar é só a terceira parte do processo. Então, por que é a mais famosa?

Porque ficamos com nossa consciência tranqüila quando separamos nosso lixo em categorias e o passamos adiante. Dizemos “ótimo, fiz minha parte pelo meio ambiente” e nem nos preocupamos com o destino dos nossos “recicláveis”.

Só que reciclar exige dinheiro, indústrias, mão-de-obra. Se, de um lado, cria empregos (e subempregos também), de outro é fato que o Brasil não tem uma indústria de reciclagem preparada para receber as 250.000 toneladas de lixo produzidas diariamente no país. Muito do que poderia ser reciclado perde-se por aí, por falta de transporte até os centros apropriados ou por incapacidade de processamento pelas indústrias.

Além disso, aquilo que é reciclável já foi, um dia, matéria-prima que poderia ter sido poupada se fizéssemos um uso mais consciente dos recursos – inclusive daqueles que saem diretamente dos nossos bolsos.

Entenda: não estou dizendo que a reciclagem é inútil; apenas que ela não é suficiente.

O que fazer, então?

Aplicar o 3R.

Reduzir o lixo produzido diariamente é a forma mais efetiva de preservar matéria-prima e diminuir a quantidade de de resíduos sólidos.

O segundo passo é reutilizar materiais sempre que possível.

Então, apenas o que realmente precisa ser consumido e não pode ser reaproveitado será encaminhado para a reciclagem.

A aplicação prática mais corriqueira do procedimento 3R diz respeito ao papel que usamos na impressão diária de documentos, tanto em casa quanto no trabalho.

Reduza o papel utilizado. Antes de apertar o “Imprimir”, revise o texto. Tenha a certeza de não ter deixado passar erros de português, de endereçamento ou de formatação que tornarão inútil o documento. Eu sei, revisar no computador é cansativo, mas é perfeitamente possível quando se trata de um texto de poucas páginas.

Reflita: você precisa mesmo imprimir este material? Se é uma página da internet, não pode simplesmente salvá-la no computador, diretamente ou pela conversão em um arquivo .pdf? A impressão de todo o texto é necessária, ou basta um pequeno trecho, que pode ser selecionado com o mouse e impresso por meio do menu “Arquivo/Imprimir…/Seleção”? Esse mesmo trecho não pode ser salvo num arquivo de texto (o bom e velho “copiar/colar”), ao invés de se transformar em mais uma folha que ficará perdida no meio do seu escritório?

Leve em conta, também, que a tinta da impressora está pela hora da morte, o que já justifica um cuidado maior antes de desperdiçá-la, nem que seja em prol das suas próprias finanças.

Reutilize o verso. Se a impressora e o tipo de papel permitirem a impressão no verso, faça-a. Se a formalidade do texto ou a política da empresa não autorizam o frente-e-verso, utilize-o ao menos quando se tratar de uma minuta que ainda será revisada pelo chefe antes de atingir a versão final. Se nem isso for possível, reaproveite a face limpinha das folhas que iriam para o lixo para montar blocos de rascunho, ou leve-as para casa e faça a alegria dos seus filhos, sobrinhos ou afilhados – que criança não gosta de rabiscar?

O papel impresso nas duas faces ainda pode servir para relaxar com a prática do origami, ou para forrar a gaiola do passarinho quando o jornal acaba. Use sua criatividade!

Recicle o que sobrar. Claro que não dá para eliminar todo o papel e aqui é que entra a reciclagem. A folha que iria para o lixo vira dinheiro nas mãos de cooperativas e ajuda a sustentar famílias. Existe uma associação de catadores de papel na sua cidade? Sua empresa coleta o lixo de papel e faz o encaminhamento até essas organizações? Esta é uma ótima forma de colaborar com o meio ambiente e, de quebra, criar uma boa publicidade para a empresa, apresentando-a como socialmente responsável, gastando pouco ou nada. Aqui entram, também, os recipientes coletores em supermercados e shoppings, voltados para o público doméstico.

Qual é a sua sugestão para a aplicação do 3R no dia-a-dia?

Dia da Terra

Dia da TerraO Dia da Terra é celebrado em duas datas distintas: 21 de março e 22 de abril.

O dia 21 de março marca o primeiro equinócio do ano, o início da primavera no hemisfério Norte e do outono no hemisfério Sul. Em 1970, a ONU passou a considerá-lo o “Dia da Terra”, um dia para celebrar a vida no planeta. Hoje, a data é mais conhecida como Dia Internacional da Terra.

O dia 22 de abril, cuja primeira comemoração também se deu em 1970, teve a clara intenção de mobilizar a sociedade contra a destruição ambiental. Devido ao forte apoio popular ao movimento de 22 de abril de 1970, com a adesão de mais de 20 milhões de norte-americanos, o dia 22 de abril ganhou projeção e, hoje em dia, é comemorado em mais de 175 países como o Dia da Terra.

O Dia da Terra é um momento de reflexão sobre o que tem sido feito ao meio ambiente e sobre a responsabilidade que cada indivíduo tem de usar racionalmente os recursos naturais. Com a questão do aquecimento global ocupando destaque na pauta mundial, extrapolando os interesses dos ecólogos e ganhando destaque em discussões políticas e econômicas nos quatro cantos do globo, ficou claro que a preservação do meio ambiente não é apenas um discurso de ecochatos, mas uma necessidade urgente, cabendo a cada indivíduo uma quota de responsabilidade.

Ações simples fazem a diferença no contexto atual. A coleta seletiva de lixo e o uso racional da eletricidade e da água são bons exemplos dessas ações individuais.

O que você tem feito para preservar o meio ambiente?

Referências