Filmes: os melhores de janeiro de 2022

Ufa, 14 filmes em janeiro! Recesso e hiato nas séries ajudaram. Falando em séries, vi também a nova temporada de Dexter e recomendo.

Recentes

Encanto (disney+, 2021): lindas cores, lindo traço, linda música. Achei que fez pouco uso da cultura colombiana, mas curti (e chorei, claro). 4 estrelas

Being the Ricardos (amazon prime, 2021): Aaron Sorkin e, pra mim, isso diz tudo. Bastidores do super sucesso dos anos 60 “I Love Lucy” e das vidas dos seus protagonistas, Lucille Ball e Desi. 4 estrelas

King Richard – Criando Campeãs (hbo max, 2021): nunca achei que conseguiria odiar um personagem interpretado pelo Will Smith, mas o pai da Serena e da Venus é irritante ao extremo. 4 estrelas

Direto do túnel do tempo

As Pontes de Madison (hbo max, 1995): desidratei de tanto chorar no último terço do filme. Os dramas e dilemas de Francesca poderiam muito bem ser transportados para os dias de hoje. Quem nunca ficou dividida, seja lá por quais motivos fossem, entre a vida atual ou mergulhar de cabeça em um novo amor? Bônus: Clint Eastwood mais bonito do que nunca. 5 estrelas

Os Queridinhos da América (hbo max, 2001): elenco de primeira em uma comédia que, no geral, envelheceu bem. 4 estrelas

O Martírio de Joana D’Arc (youtube, 1928): filme mudo, sequer tem trilha sonora, mas o drama é tão pungente que não desgrude o olho da tela. Excelentes atuações e ótima exploração de takes de baixo para cima e vice-versa. 5 estrelas

Sweeney Todd (hbo max, 2007): ok, eu vi enganada. Queria um musical leve, recebi um terror gore e realmente não sei como vi até o final. Acho que foi no susto. Apesar do pânico, são perfeitos os cenários, roupas, maquiagem, efeitos. Atuações também excelentes. 5 estrelas

Filme: 438 Dias

Filme da vez: “438 Dias”, produção sueca de 2019.

438 é o número de dias durante os quais dois jornalistas suecos ficaram presos na Etiópia sob a acusação de terrorismo. O filme é baseado em uma história real.

Em 2011, Martin Schibbye e Johan Persson decidiram investigar os efeitos da exploração do petróleo sobre a população de Ogaden, na Etiópia. Para chegar lá, cruzaram a fronteira com a Somália com a ajuda de um grupo que, depois, descobriram ser considerados terroristas no país vizinho. Foram presos pelo exército etíope e acusados de terrorismo.

Para piorar, descobrem que um figurão da política sueca tem envolvimento com a indústria petroleira que atua em Ogaden. Assim, não confiam que a diplomacia ou a política da Suécia agirão a contento para tirá-los dessa situação. Para alguns, acreditam, é melhor que fiquem presos em um país distante, talvez para sempre.

A Navalha de Hanlon diz que a gente não deve atribuir à malícia o que pode ser explicado pela burrice. Nem digo burrice, mas ingenuidade: como esses jornalistas resolveram que seria uma boa ideia entrar ilegalmente em um país, mais ainda um que não preza exatamente por instituições democráticas e não é conhecido pelo respeito aos direitos humanos? Como não pesquisaram antes sobre as pessoas a quem pediram ajuda para fazer o ingresso clandestino? Creio que isso seja fruto da confiança que cidadãos de certos países desenvolvidos têm nas suas próprias instituições e na ilusão que nutrem de que o restante do mundo funciona do mesmo modo (não é de espantar, sob essa ótica, a quantidade de turistas estrangeiros que é furtada assim que pisa no Rio de Janeiro).

O filme é dinâmico, tenso e parece bastante realista. O ponto de vista é o dos jornalistas, o que, claro, pode levar a um certo viés. A discussão central é a da liberdade de expressão e da imprensa livre, temas que seguem atuais e relevantes.

A distribuição do filme no Brasil é da distribuída pela @a2filmesoficial e já está disponível nas plataformas digitais.

Estrelinhas no caderno: 4 estrelas

Sob as Escadas de Paris

Filme da vez: “Sob as Escadas de Paris”.

Saudade de uma cabine, né, minha filha? Mas não, ainda não tenho coragem de ir ao cinema. A @a2filmesoficial tem feito cabines virtuais e eu não podia resistir ao convite para ver o novo filme da Catherine Frot, que me ganhou em “Quem me ama, me segue” (um dos últimos filmes que vi no cinema pré-pandemia).

A história começa previsível: uma idosa sozinha tem sua rotina perturbada por uma criança sozinha, tenta se livrar dela, mas acaba se afeiçoando. O que não é tão comum é o background dos protagonistas: a idosa (Christine) é moradora de rua, o menino (Suli) é refugiado e não fala francês.

O filme passeia pela Paris turística, mas se detém na cidade invisível sob escadas e viadutos, repletas de pessoas que tentam sobreviver e manter a humanidade em condições desumanas. Pessoas invisíveis, que ora são escorraçadas, ora encontram alento na bondade que ainda sobrevive.

A trajetória de Christine e Suli me deixou com o coração na mão e lágrimas nos olhos.

Se você já está indo ao cinema, anote a dica: o filme estréia dia 14/10. Se, como eu, ainda não está, em breve estará em um serviço de streaming perto de você.

Estrelinhas no caderno: 5 estrelas

O Exorcista (livro e filme)

“O Exorcista”, de William Peter Blatty. Leitura de setembro/outubro do #quemteviuquemteleu.

No início, uma escavação arqueológica no Iraque desenterra a figura de um demônio misterioso. Corta para os Estados Unidos, onde Regan, uma menina que acaba de fazer 12 anos, começa a apresentar sintomas incomuns. Após descartar enfermidades psiquiátricas, a mãe, ateia, recorre ao Padre Karras, da congregação na mesma rua, certa de que sua filha precisa de um exorcismo. Karras, por sua vez, tem problemas pessoais e questiona a própria fé.

Os elementos são ótimos, mas a execução é fraca. Metáforas vazias, digressões monótonas, personagens mal desenvolvidos, situações potencialmente interessantes que acabam mal aproveitadas. A escavação é mais ignorada no livro que no próprio filme, e eu esperava um maior desenvolvimento, já que tempo não seria um problema no livro. Padre Merrin fica só no potencial mesmo. Dá a impressão de que o autor não teve paciência para aperfeiçoar a própria ideia, queria apenas terminar logo a narrativa.

Sem dúvida é um caso de o-filme-é-melhor-que-o-livro. Vi a versão do diretor no cinema e recomendo o filme pra quem curte histórias de terror.

Estrelinhas no caderno: 2 estrelas para o livro, 4 estrelas para o filme (versão do diretor).