Um Ano Sem Comprar – Um Ano Sabático

Quando falei da minha vontade de editar a vida, fiquei surpresa com a quantidade de comentários positivos que recebi (não só no blog, mas também pelo twitter e facebook). Como essa é uma ideia que me acompanha há vários meses, já tinha comentado a respeito por aí e nem sempre ganhei respostas positivas. De algumas pessoas, recebi até um tom de agressividade, como se elas se sentissem atacadas por mim e fossem obrigadas a se justificar.

Felizmente, antes que eu me sentisse a única doida do universo, houve quem me desse força – sem contar que há uma muitos blogs escritos por pessoas que repensam o consumo e o consumismo, e são verdadeiras inspirações.

Como tudo começou

Passei a analisar meus hábitos de consumo no início de 2010. Quando visitei minha amiga-irmã Nospheratt, em abril de 2010, muitas das nossas conversas transformaram-se em reflexões e mudaram minha forma de ver as coisas.

Na mesma época, comecei a ler o blog mnimalist. Embora o Leo Babauta seja radical (e eu não tenha simpatia por nenhum tipo de radicalismo), várias críticas que ele faz à sociedade de consumo são relevantes.

Depois, conheci o Hoje Vou Assim Off e a proposta de recessionismo fashion da Ana. Eu tinha passado os últimos três ou quatro anos comprando mais roupas do que precisava, sempre naquela de “não posso perder essa liquidação” ou “essa saia é linda demais pra não levar”. Resultado: um armário abarrotado e eu usando sempre as mesmas peças – havia roupas compradas dois anos antes que ainda tinha etiqueta! Eu tinha muita roupa, muito mais do que precisava. Decidi parar de comprar e usar tudo que eu tinha em sete meses – o que não fosse usado, seria doado. A experiência foi fantástica e em breve farei um relato dela.

No início de 2011, li uma matéria sobre desapego na revista Vida Simples e comecei outro desafio: os 50 desapegos. Passei adiante (mais) roupas, cds, dvds, material de artesanato, utensílios de cozinha… Joguei fora papéis, ferramentas enferrujadas, brincos quebrados. Foi gratificante ver o resultado: uma casa mais leve e organizada.

Falando em organização, criei um blog, o Mania de Organizar, dedicado ao tema. A sra. Monte não me deixaria dizer que sou organizada “desde sempre”, porque a verdade é que meu armário era uma bagunça quando eu era pirralha. O hábito da organização surgiu da necessidade, quando passei a morar sozinha e num espaço bem pequeno. Não demorou muito para que organizar se tornasse um prazer e um passatempo para mim.

Durante 2011, encontrei cada vez mais blogs sobre organização, consumo e minimalismo – esses três assuntos caminham juntos e, em outro texto, falarei dessa relação. Um dia, achei o Um Ano Sem Compras. Os textos da Marina são excelentes, trazem reflexões sobre o consumismo, mostram como é difícil mudar velhos hábitos e resistir às compras por impulso… Li o blog de cabo a rabo, sempre pensando: será que dou conta? E resolvi tentar um 2012 sem compras.

Ano Sabático?

Sim, ano sabático no tocante aos hábitos de consumo. Um período sabático é, por definição, um tempo dedicado à reavaliação – você pode fazer um sabático para refletir, analisar e reavaliar toda a sua vida, ou a sua carreira, ou seus relacionamentos etc. Seu sabático pode durar dois dias ou dois anos.

2012 será meu sabático de compras. Pelo que tenho acompanhado da jornada da Marina, não se trata simplesmente de decidir não comprar e pronto; manter a decisão exige esforço e acaba levando a um maior autoconhecimento: quais são meus padrões?; quais são meus impulsos?; o que me faz falta, e por que sinto falta dessas coisas?

Um ano sem comprar NADA?

Não, não é bem assim. Como todos que encaram essa proposta, tenho as minhas exceções.

O que posso comprar:

  • Uma lente fotográfica, porque no fim de 2011 ganhei o corpo de uma Canon EOS 500.
  • Equipamentos para praticar pilates em casa, um plano para o segundo semestre.
  • Um netbook (porque o meu está sem bateria há meses).
  • Serviços: restaurante, cabeleireiro, médicos, veterinária (tenho uma gata), internet, revelação de filmes etc. A ideia é não consumir bens materiais; não é viver como uma ermitã.
  • Experiências: “experiências” são aquelas coisas que não ocupam espaço, mas contribuem para a felicidade. A lista é pessoal – a minha engloba viagens, vinhos, queijos, saídas com os amigos, idas ao teatro etc. Estou fazendo essa experiência para ser mais feliz, não o contrário.
  • Itens de consumo constante e inevitável: alimentos, produtos de higiene pessoal, material de limpeza, remédios, combustível, tênis (eu pratico corrida e, seu meu tênis furar, será inevitável comprar outro).
  • Presentes (para outros, não para mim mesma, claro!).

O que não posso comprar:

  • roupas
  • sapatos
  • acessórios
  • cosméticos
  • livros
  • cds
  • dvds
  • eletrônicos (a não ser para reposição por quebra)
  • revistas (isso vai ser difícil)
  • e tudo que não se encaixar na lista de exceções.

Por que estou fazendo isso?

Sempre que comento que não vou comprar nada em 2012, a primeira pergunta que ouço é “por quê?”. Eis as respostas:

  • Porque eu quero. Ninguém está me obrigando. Não tenho dívidas. Meu saldo não está no vermelho. Não vou picar meus cartões de crédito.
  • Para ver se consigo. Nunca fui uma compradora desenfreada a ponto de gastar mais do que podia, mas em diversos momentos comprei mais do que precisava. Tive a fase dos casacos, a dos cds, a das maquiagens, a dos esmaltes… Quero ver se consigo passar um ano inteiro sem ter um surto consumista.
  • Porque será um desafio. Embora tenha reduzido muito meu consumo em 2011, dei-me ao luxo de comprar um sapatinho lindo e a coleção completa de Friends, por exemplo. Como será quando eu quiser muito alguma coisa durante 2012?
  • Porque será um processo de autoconhecimento, a julgar pelos textos da Marina e de outros blogueiros que encaram desafios semelhantes.
  • Para usar melhor tudo que já tenho: minhas roupas, meus sapatos, a maquiagem, os dvds…
  • Para poder falar sobre o tema. Consumo consciente é um tema que me interessa cada vez mais. Suas implicações no conjunto de valores pessoais e no meio ambiente são dois dos aspectos que mais me cativam.
  • Porque acredito que menos coisas geram mais felicidade.

Virei minimalista?

Não. Essa proposta me lança no mundo do consumo mínimo, não do minimalismo. Ainda tenho coisas demais pra poder me considerar minimalista e, embora continue em eterno processo de desapego, não creio que chegue ao ponto de viver com apenas 100 itens. Ou 50. Nem pretendo dar todos os meus livros e dvds.

Como eu disse lá em cima, radicalismos me desagradam e há muito radicalismo entre os minimalistas. Li certa vez que alguns chegam a competir para ver quem tem menos coisas – o que é o exato oposto do consumismo, em que se compete para ver quem tem mais coisas. A virtude, como sempre, está no meio.

Há, contudo, vários minimalistas que não se livram de absolutamente tudo. Esses procuram o equilíbrio e são os que dão os insights mais bacanas. Aos poucos vou compartilhando textos e referências por aqui.

Acompanhe a experiência

A cada mês, publico um texto sobre a experiência de ficar sem comprar durante um ano. Você pode ver todos eles aqui:

O que você acha disso tudo?

Falei demais – e não cheguei nem perto de esgotar o assunto. Agora é sua vez de falar. O formulário de comentários é serventia da casa. 🙂

25 thoughts on “Um Ano Sem Comprar – Um Ano Sabático

  1. Disse e repito: tô com você!
    Acho a idéia genial e eu me sinto muito feliz de perceber que o que realmente é muito pouco 🙂
    Beijocas e boa sorte!

  2. Sou capaz de passar uma década sem comprar roupas, sapatos, acessórios, cosméticos, cds e dvds. Já fiz isso sem nenhuma dificuldade.

    Revistas eu assino duas, mas não fariam falta (existem internet e empréstimos).

    Meu problema seria apenas com livros e eletrônicos.

  3. Estamos juntas nessa se vc me permite dizer, e estou feliz ppela matéria já que vinda de vc me dá mais animo pra praticar o desapego e doar mesmo o que seja absolutamente novo. Obrigada por 2011 e pelo belo começo de 2012. Deus te abençoe sempre e tomara que vc consiga tudo que deseja, neste e nos outros anos que ,virão.Bjs.

  4. Desde que conheci o blog da Marina, tenho vontade de fazer o mesmo! Mas não consigo acreditar que eu conseguiria, com um guarda-roupa ainda não todo adequado ao novo trabalho, sapatos antigos chegado no ponto de troca e recém morando sozinha, ainda precisando de muitas coisas pro apartamento…

    Mas ficarei daqui companhando e torcendo pra que esse ano traga muito aprendizado pra você (e pra nós)! Acho a iniciativa mais do que válida, ainda mais no caminho que você já vem seguindo há meses.

  5. Boa tarde Lú, gostei muito do seu Blog e também tenho o projeto 101 coisas em 1001 dias.
    Estou no segundo porque me fez muito bem em um momento de total desorientação.
    Interessante que tenho me ligado cada vez mais ao consumo consciente, obrigada por compartilhar as suas ideias e os links.
    Feliz 2012 para todos .
    bjs
    sonia

  6. já um tempo antes de te encontrar hoje no correio brasiliense, ando pensando nisso. e comecei esse incômodo também pelo guarda-roupa, pela quantidade e também porque já não sinto meu o que vive dentro dele.
    a dúvida, talvez um primeiro passo – o que você fez com as suas coisas?

    boa sorte. sorte não se dispensa.
    k

  7. @Vanessa, você é um dos exemplos positivos à minha volta. 🙂

    @Paulo, todo mundo tem sempre um “ponto fraco”, né?

    @Roberta, que bom que vai aproveitar! Esse assunto vai voltar ao ddf, com mais informações!

    @Elizabeth, fico contente em saber que a matéria serviu para dar ânimo, obrigada!

    @Tânia, obrigada!

    @Renata, tudo tem seu momento. Eu não conseguiria seguir uma proposta dessas há três anos, acabaria me sentindo insegura. A mudança de endereço, por outro lado, traz um ponto positivo: ver o que é realmente necessário e livrar-se do que não é usado há tempos. Isso você tem feito. 🙂

    @Sonia, meu 101 em 1001 foi abandonado no meio do caminho e nem tive ânimo de fazer outro, mas acho a ideia muito bacana pra dar um norte.

    @Keila, sua pergunta merece ser respondida em forma de post, e vou fazêlo, mas já adianto que a maior parte das coisas foi para instituições de caridade e projetos voltados à proteção animal.

  8. Estou na reta final do ano sem compras… desejo boa sorte… existem momentos em que será muito, muito difícil, mas a maioria dos momentos é muito engraçado e gratificante.
    Abraços

  9. @Ziula, leio seu blog há alguns meses, já. Tenho acompanhado os momentos difíceis. Por aqui eles ainda não apareceram, mas estarei preparada se/quando chegarem. 🙂

Comments are closed.