Melhores Momentos do LuluzinhaCamp Nacional (pra mim), ilustrados

Porque algumas imagens valem mais que dois mil caracteres. 😉

ddd
Isso é glamour.

O “esquenta” um dia antes, no ateliê real da Denize, com Losille e Srta. Bia (foto da Denize).

Delícias!
Caprichadíssimos.

Os bolos deliciosos do marido da MaWá.

O Foto Recado, presente da Gabi Butcher.
Prrrrrr...

O Foto Recado, presente da Gabi Butcher (foto da Gabi).

Ceviche!
Hmmmm...

O ceviche da Roberta Zouain.

Oficina de Fotografia
Oficina de fotografia e stop motion.

A oficina de fotografia dada pela Roberta Zouain, pela Gabi Butcher e pela MaWá.

E muito mais!
A LG quadruplicou - no total, mais de 400 quilos doados.

Os mais de cem quilos de roupas doados para a Lavanderia Solidária.

Finalzinho
Hora da despedida.

Os encontros e reencontros com muita gente querida.

Tem muito mais aqui. E, se você ainda não conhece, descubra o LuluzinhaCamp. Ano que vem, tem outro encontro nacional. Até lá, a gente vai se divertindo nos regionais.

Batom, Revista e Diversão na Selva de São Paulo

O encerramento do LuluzinhaCamp 2008 contou com o glamour e o charme de quatro moços bonitos, gentis e encoleirados que serviram espumante pra mulherada e posaram para fotos, muitas fotos.

Lili Ferrari e os moços encoleirados - clique para ampliar. Festa no LuluzinhaCamp, com os moços encoleirados - clique para ampliar. Lu Freitas e os moços encoleirados - clique para ampliar.

Dá pra perceber que nos divertimos um bocado com os rapazes. 😉

Tratava-se de uma ação da Espalhe para divulgar o seriado Lipstick Jungle. A série mostra o cotidiano de três mulheres bem-sucedidas e passa às segundas-feiras na Fox, às 22 horas. Uma das protagonistas é editora-chefe da Bonfire Magazine, uma revista feminina fictícia – mas, seguindo a tendência de usar a web para ampliar o conteúdo das suas séries, a NBC está mesmo publicando edições online da Bonfire Magazine.

Bonfire Magazine Brasil - capa da primeira edição Aqui no Brasil, a coisa vai pelo mesmo rumo, só que melhor: a Bonfire Magazine Brasil tem o Blog da Redação como atrativo extra. O blog é bem escrito, divertido e antenado com a blogosfera feminina. A primeira edição da revista já está no ar e, veja só, estou na capa, ao lado de Lu Freitas, Marina Santa Helena e Dani Koetz.

Quando marcaram a sessão de fotos para a madrugada (numa semana em que fui dormir tarde rigorosamente todos os dias), confesso que quase desisti. Ainda bem que consegui acordar, porque a sessão, coordenada por Wagner Tamanaha, Ariel Gajardo e Bruno Tozzini rendeu ótimas risadas.

Várias blogueiras participaram desta primeira edição. A relação completa, você encontra no post de agradecimento, mas vale a pena mesmo baixar a revista e ler as matérias. É daquelas coisas que mostram que ações de divulgação bem pensadas e inteligentes vão muito além do pagamento de minguados caraminguás por posts patrocinados (nada contra quem os faz, eu mesma já fiz).

Sobre o seriado? Assisti a apenas um episódio até agora, já que estava viajando nos dois primeiros. Gostei bastante do que vi e vou tentar acompanhá-lo (pena que, sendo da Fox, está dublado). Só acho que a Fox errou ao associá-lo, na propaganda, a Sex and the City[bb]. Embora ambos sejam da mesma autora, Candace Bushnell, as tramas são bem diferentes – o que é um alívio e um incentivo para as moças que não suportavam Carrie e cia. (ei, eu adorava!).

Fotos: Lu Freitas e Lili Ferrari (LuluzinhaCamp); BrunoTozzini (Bonfire Magazine Brasil).

Atualização em 15.09.2008: o GFortes, da Espalhe, avisou que o conceito da ação é da SantaClara Nitro; a Espalhe cuida do conteúdo, do trabalho em redes sociais e das operações off-line. Bela parceria!

LuluzinhaCamp e BlogCamp SP 2008 – comparações e comentários

Quando você trabalha nos bastidores de um evento, sua percepção é completamente diversa daquela que os participantes têm. Para bem e para mal.

No caso do LuluzinhaCamp, trabalhar nos bastidores foi uma experiência fantástica. Gratificante, acolhedora, leve. No caso do BlogCamp SP… bem, acompanhar os trabalhos da coordenação foi o exato oposto. O artigo da Nospheratt dá uma boa idéia dos vários problemas enfrentados. Mas vamos por parte, como Jack.

LuluzinhaCamp 2008 – colaboração é a palavra

Bolos deliciosos do Cobra - foto da Lili Ferrari. Tudo começou com uma idéia da Lu Freitas. A logo foi feita pela talentosa Juliana Garcia Sales, bem como a personalização do tema do blog, escrito a várias mãos. Percebe o clima colaborativo?

Não parou por aí: para resolver a questão dos lanches (já que não tivemos patrocínio e ninguém ganhou nem um centavo, embora haja quem pensa o contrário), criei uma lista de discussão e rapidinho brotaram voluntárias – a começar pela Lili Ferrari, que nos garantiu café preto o dia inteiro. As meninas levaram tantas comidinhas que faltou mesa para colocar todas de uma vez – e sobrou bastante coisa.

Quadro de discussões do LuluzinhaCamp 2008 - foto de Lu Freitas. Sem contar o Cobra, que chegou cedinho ao local do evento e nos presenteou com nove bolos ma-ra-vi-lho-sos – nunca comi um bolo de limão tão gostoso!

Na abertura do dia, a Lu Freitas explicou como funciona o modelo de desconferências. Por alguns instantes, fiquei preocupada. No BlogCamp ES o modelo não deu certo. Será que fucionaria no Luluzinha? Bom, o quadro foi preenchido em minutos, com um tema mais interessante que outros. A foto ao lado não deixa dúvidas sobre o sucesso do modelo entre a mulherada. Queria ter participado de mais desconferências, mas a única que consegui assistir do começo ao fim foi sobre stalkers – e rendeu-me algumas ótimas idéias para posts futuros.

O sorteio dos brindes foi um capítulo à parte. Havia tanta, mas tanta coisa a ser sorteada que todo mundo saiu com, pelo menos, uma lembrança. Tudo, novamente, na base da colaboração. Quem podia, contribuía com algo. De cabeça, lembro-me desses mimos:

  • Sacolas da Ecoblogs (várias)
  • Vinho oferecido pelo QVinho
  • Sabonenefeeds da Srta. Bia
  • Bolsas La Reina Madre
  • Livro em quadrinhos Luluzinha (um oferecimento do Dia de Folga)
  • Livro sobre o Direito do Trabalho e as mulheres (que eu ganhei)
  • Canecas Pólvora

Quem ofereceu brindes pode avisar nos comentários, que atualizo a lista.

Saí do Luluzinha feliz da vida – cansadíssima, já que quase não tinha dormido na noite anterior, mas muito contente em ver tantas mulheres juntas, colaborando para fazer o melhor evento possível.

O blog vai continuar. A lista de discussão também. E já tem gente animadíssima com o LuluzinhaCamp 2009.

Outros textos sobre o LuluzinhaCamp (com mais detalhes e outras perspectivas) estão linkados no artigo da Lu Freitas. Fotos no Flickr.

BlogCamp SP 2008 – gafanhotos, reclamações e (quase) prejuízo

Desde o início, os primeiros comentários vieram na forma de reclamações: “Por que abriram as inscrições tão em cima da hora?”, “Por que tão poucas vagas” e por aí afora. Garanto que era da vontade da organização fazer um evento num lugar maior e mais bacana só que, simplesmente, não rolou, embora tenham começado a procurar local meses antes de abrirem as inscrições. Quem não tem cão, caça com gato e se vira para acomodar 270 inscritos num lugar que mal comporta 100 pessoas. Tudo para não deixar a tal da blogosfera na mão.

Se eu estivesse na pele do Cobra ou da Lu Freitas, que ralaram por semanas para organizar o evento, eu jamais faria outro BlogCamp. Ou Blog-sei-lá-o-quê. Ou qualquer-coisa-camp. Não vale a pena trabalhar tanto e de graça, e ainda ter de ouvir insinuações de que estavam ganhando grana. Antes estivessem – porque merecem e porque só relógio trabalha de graça – mas não foi esse o caso. Com a desistência em cima da hora de alguns patrocinadores,  quase amargaram um prejuízo enorme, só evitado pela venda das camisetas do evento.

Para completar, ainda tiveram de aguentar o chororô de quem não conseguiu se inscrever e, ainda assim, achava que tinha o direito de entrar. Foi triste ver os blogstars em ação. Pior ainda foi ver gente achando que a organização estava de má vontade ao dizer “não dá pra entrar!”. Quem foi ao BlogCamp no primeiro dia viu como o espaço estava lotado. Só se empilhassem blogueiros uns sobre os outros para caber mais gente.

Desconferência no BlogCamp SP 2008 - foto do Cardoso. Claro que nem tudo são espinhos. As oficinas introduzidas nesta edição funcionaram muito bem ao lado do modelo de desconferências (algumas, como a do Markun sobre Creative Commons, realmente viraram desconferências). Em geral, as discussões nos dois dias foram de alto nível e iniciativas interessantíssimas como o Movimento Blogueiro foram apresentadas. Eu pude conhecer o Maestro Billy (e fiquei altamente sem graça, tietei mesmo) e todos viram o Gabriel Naressi, blogueiro de apenas 11 anos que puxou uma discussão bacana sobre humor.

Ainda rolou autógrafo em camisetas do BlogCamp – duas delas serão sorteadas, uma no blog do Celso Junior, outra no do Cobra. Aliás, no blog do Cobra você pode ver uma cobertura completíssima do evento.

Camiseta autografada no BlogCamp SP 2008 - foto de Lu Freitas. Entre mortos e feridos, salvaram-se todos. O BlogCamp SP 2008 foi um sucesso do ponto de vista das participações e das desconferências. Foi, nesse sentido, o melhor BlogCamp a que já compareci. Mérito do Cobra, da Lu Freitas, da equipe de bastidores e de cada blogueiro que compareceu com vontade de compartilhar, colaborar, bater papo e passar 2 dias agradáveis. Sim, cada um dos inscritos que compareceu merece um “muito obrigada” por ter construído um BlogCamp bacana.

Na verdade, só quem viu os bastidores é que sabe como foi duro levar esse evento adiante. Ótimo, melhor mesmo que nada disso tenha vazado para os dois dias de evento. Se haverá próximos? Não faço idéia. A minha opinião é a de que o BlogCamp SP cresceu demais e precisa rever o modelo – inclusive com a cobrança de inscrições para cobrir custos e diminuir o índice de abstenções.

Fotos no grupo BlogCamp Brasil, no Flickr. Mais textos no technorati.

Fotos (pela ordem): Liliane Ferrari, Lu Freitas, Cardoso e Lu Freitas.

Eu tô voltando

Quase duas semanas sem atualizar o DF, antecedidas por duas semanas de atualizações escassas. Eu sei, estou sumida. Tirei férias, viajei – ainda estou na Morada das Deusas, aliás -, escrevi para outros cantos e o Dia de Folga foi ficando para trás. Nem é falta de assunto – nunca é. Mas semana que vem eu tô voltando.

Em tempo, aí vão 1.000 UCI: você sabia que Tô Voltando não é do Chico Buarque? Pesquisas googlísticas revelam que o samba é parceria de Paulo César Pinheiro e Maurício Tapajós. Papagaio come milho…