A primeira Bienal, a gente nunca esquece.

Quando eu tinha 11 anos, visitei uma feira do livro pela primeira vez. Lembro do meu encantamento com a imensidão do espaço, o número de expositores e, claro, a quantidade de livros! Nunca tinha visto tantos num só lugar. A escala era impressionante, nada comparável às livrarias ou bibliotecas que eu conhecia.

Logo depois, descobri que existia um negócio chamado Bienal do Livro em São Paulo, e já nasceu o sonho de um dia conhecer a tal Bienal.

Vai daí que vim morar em São Paulo em 2015 e, ora, obviamente aproveitei pra conhecer a Bienal em 2016, né? Não, não mesmo. Tenho cada vez menos tolerância com multidões, odeio filas e confesso que a visita à CCXP (Comic Con Experience) em 2015 (e de novo em 2016, por quê?!) me deixou um tanto traumatizada com relação a qualquer evento de grande porte em São Paulo (aliás, São Paulo em si é um evento de grande porte que não deu certo).

Bienal do Livro em São Paulo 2018
No stand da Amazon dava para experimentar o kindle.

Mas a vontade continuou… e este ano tomei coragem. Dei uma olhada na programação, escolhi um dia de semana com palestras que me interessavam (nem olhei o roteiro dos fins-de-semana, eles foram descartados de cara) e… não é que adorei?

Cheguei na Bienal na terça-feira (07/08), umas onze da manhã. O transporte foi fácil: metrô até a estação Portuguesa-Tietê, depois um trajeto de 5 minutos feito com ônibus gratuito oferecido pela organização da Bienal. Problema: a sinalização de onde pegar o transporte gratuito é pífia. Pergunte e torça para que passem a informação correta. Até o motorista do ônibus resolveu sacanear quem estava esperando no lugar errado, dizendo que pararia no começo da rua seguinte, quando na verdade o “ponto” é no fim da tal rua. O lugar, aliás, é bem degradado e sujo, e não há proteção contra chuva. Na chegada à Bienal, o ônibus pára bem depois da entrada (se estiver chovendo, você se dá mal), em local também sem sinalização. Com tudo isso, ainda acho a combinação metrô+ônibus grátis a melhor forma de chegar à Bienal. Uma boa alternativa é pegar um táxi/uber na saída da estação de metrô – a corrida custará menos de 10 reais. Qualquer coisa é melhor que pagar incríveis 40 reais pelo estacionamento.

Na entrada, mostrei na catraca o ingresso comprado pelo celular (não precisa imprimir) e não peguei fila nenhuma. Maravilha!

Fui direto para o último corredor (são organizados de A a O) e visitei a exposição “de trás pra frente”. Há vários banheiros (nas laterais do centro de exposições) e não tinham fila. A limpeza era precária, não pela falta de gente limpando, mas pela porquice dos usuários mesmo (ouvi as faxineiras comentando que duas crianças fizeram “número 2” no chão). Há bebedouros junto aos banheiros. Levar uma garrafinha de água ajuda bastante. A comida é cara como dizem? Em regra, é. Por outro lado, há guloseimas variadas e acessíveis, como sorvetes e brigadeiros. Também vi um restaurante no mezanino por 32 reais (não lembro se por pessoa ou por quilo) que pode ser uma boa opção pra quem não conseguiu se planejar e quer uma comida saudável. Eu preferi levar polenguinho e castanhas (mas sucumbi a um brigadeiro de ovomaltine, que nem estava tão bom assim).

A melhor decisão foi escolher o dia da visita com base na programação. Descobri que a melhor parte da Bienal não são os livros, mas os eventos que acontecem no meio deles.

Bienal do Livro em São Paulo 2018
Stand da Microsoft – o futuro das salas de aula é a realidade virtual.

Assisti ao debate “O feminismo e a literatura”, com as escritoras Martha Batalha, Carola Saavedra, Aryane Cararo e Duda Porto. Saí de lá cheia de coisas pra pensar e de recomendações de livros pra ler (talvez role um texto só pra ele em breve). Também vi uma entrevista com a dubladora Carol Crespo, voz oficial de Emilia Clarke no Brasil (Como eu era antes de você; a Daenerys de Game of Thrones). Esses eventos foram, sem dúvida, minha parte favorita da Bienal.

Bienal do Livro em São Paulo 2018
Muro do stand da Cia. das Letras. Muita vontade de ler “Mulheres Extraordinárias”!

Além disso, havia muitas montagens bacanas para tirar fotos (quase sem filas, por ser dia de semana) e vários expositores com livros baratos. Havia uma infinidade de livros infanto-juvenis por 10 reais ou menos. Minha meta era não comprar livro algum (porque prefiro ler no kindle e porque já fui muito consumista com livros e prefiro evitar a tentação), mas acabei comprando uns infanto-juvenis para presentear – os três custaram 20 reais no total. Rolou também comprinha nerd – uma placa por 20 reais e um bottom por 5.

Bienal do Livro em São Paulo 2018
Comprinhas.

Falando em crianças, o segundo maior desafio na Bienal é desviar dos bandos de adolescentes e dos grupos de escola (o primeiro é não comprar livros mesmo). Não dá pra criticar, né? Precisamos mesmo cultivar gerações de leitores.

Bienal do Livro em São Paulo 2018

Saí da Bienal no fim da tarde, cansada e muito feliz por ter ido.

Em 2020 tem mais!

É que quando eu cheguei por aqui, eu nada entendi…

Desde que mudei pra São Paulo, Sampa toca em loop infinito na minha cabeça. Esse deve ser um dos maiores clichês do recém-chegado à cidade, mas clichês se perpetuam por traduzirem verdades.

É que quando eu cheguei por aqui, eu nada entendi
da dura poesia concreta de tuas esquinas
(…) Ainda não havia para mim, Rita Lee
a tua mais completa tradução.
(…)
E foste um difícil começo, afasto o que não conheço
e quem vem de outro sonho feliz de cidade
aprende depressa a chamar-te realidade,
porque és o avesso do avesso do avesso do avesso.

Dentre as perguntas que habitualmente tenho ouvido, a que tem a resposta mais difícil e variável é “E aí, está gostando de São Paulo?”. Dependendo do dia, do tempo, do trabalho e do meu humor, responderei de um jeito diferente.

São Paulo não é uma cidade fácil. Se você não se cuidar, ela te engolirá viva.

São Paulo é cara, muito cara (nunca mais ousarei dizer que Brasília é cara).

São Paulo tem muitas sombras no caminho, quase sempre tem calçadas, tem gente andando pelas ruas noite e dia.

São Paulo tem um número doloroso de gente morando nessas mesmas ruas.

São Paulo é multicultural, cheia de opções e com um transporte público bastante decente (comparado com Brasília).

São Paulo não entedia.

São Paulo contém o mundo.

Eu, que sempre tive fascinação por São Paulo e passei vários feriados na cidade como turista, ainda estou tentando me encontrar como residente. Chega a ser uma surpresa pra quem me conhece – “ué, mas você não adorava viajar pra São Paulo?”.

É que existe uma diferença enorme entre passar férias e morar. É por isso que aquelas pessoas que se resolvem largar tudo e mudar pr’aquela praia em que passaram dez maravilhosos dias de férias frequentemente se arrependem.

No meu caso, não se trata de arrependimento. Até porque a mudança não foi causada por um deslumbramento momentâneo, mas por um trabalho permanente e do qual gosto. Mas é a tal história, a diferença entre passar férias e morar – ainda estou me adaptando.

Lembro de novo de Sampa. A canção, no fim das contas, é uma declaração de amor pela cidade. Um amor que não surgiu de uma hora pra outra, um amor que foi construído com o tempo e com a convivência. Esse é o melhor tipo de amor.

Alguma coisa acontece no meu coração…

Concurso Fotográfico Clique São Paulo

São Paulo
Foto de 2007, tirada da torre do Banespa.

Tem gente que odeia São Paulo, sente gastura só de pensar em passar uns dias por lá e nunca-jamais-em-tempo-algum se mudaria para a cidade.

Eu sou fascinada por ela desde o primeiro dia. Adoro metrópoles, sempre gostei de prédios altos, curto o agito, as mil e uma possibilidades, as surpresas em cada esquina. Sou apaixonada pela dura poesia concreta daquelas esquinas, como diria Caetano Veloso.

Não sou ingênua, claro. Trânsito, poluição, violência – sim, sei que estão lá. É o preço a pagar. Trocaria a qualidade de vida (?) de Brasília por isso? Só com algumas condições muito específicas, como poder morar a poucas quadras do lugar de trabalho.

Mas divago.

Quero falar do Concurso Cultural Clique São Paulo , cujo release caiu nas minhas mãos e achei bacana. O tema é o caráter cosmopolita do centro de São Paulo. As 15 melhores imagens comporão uma exposição e os donos das duas melhores fotos ganharão um MacBook cada. Você pode inscrever até 5 fotos – mas atenção, elas devem ser enviadas até o dia 30 de julho, impressas. Leia o regulamento no site.

Alguns concursos fotográficos têm pegadinhas desagradáveis, como a transferência dos direitos autorais da foto para a empresa organizadora; não é o caso aqui.

Vou já fuçar meus arquivos e ver se inscrevo umas fotos das minhas viagens à terra da garoa. Quem sabe tenho coisa interessante guardada?

Melhores Momentos do LuluzinhaCamp Nacional (pra mim), ilustrados

Porque algumas imagens valem mais que dois mil caracteres. 😉

ddd
Isso é glamour.

O “esquenta” um dia antes, no ateliê real da Denize, com Losille e Srta. Bia (foto da Denize).

Delícias!
Caprichadíssimos.

Os bolos deliciosos do marido da MaWá.

O Foto Recado, presente da Gabi Butcher.
Prrrrrr...

O Foto Recado, presente da Gabi Butcher (foto da Gabi).

Ceviche!
Hmmmm...

O ceviche da Roberta Zouain.

Oficina de Fotografia
Oficina de fotografia e stop motion.

A oficina de fotografia dada pela Roberta Zouain, pela Gabi Butcher e pela MaWá.

E muito mais!
A LG quadruplicou - no total, mais de 400 quilos doados.

Os mais de cem quilos de roupas doados para a Lavanderia Solidária.

Finalzinho
Hora da despedida.

Os encontros e reencontros com muita gente querida.

Tem muito mais aqui. E, se você ainda não conhece, descubra o LuluzinhaCamp. Ano que vem, tem outro encontro nacional. Até lá, a gente vai se divertindo nos regionais.