Cláudio Santoro, parte integrante da história de Brasília

Teatro Nacional
Teatro Nacional Claudio Santoro

Quem mora em Brasília já ouviu o nome Claudio Santoro, ainda que nada saiba sobre ele. Afinal, é ele quem dá nome ao principal teatro da cidade.

Santoro nasceu em Manaus em 1919, começou a estudar violino e piano na infância, aperfeiçoou-se no Conservatório de Música do Distrito Federal (então no Rio de Janeiro) aos 14 anos e tornou-se professor assistente da instituição aos 18, tamanhos eram seu talento e dedicação.

Além de executar peças com perfeição, Santoro também foi compositor premiado e regente de destaque. Foi professor fundador do Departamento de Música da Universidade de Brasília, em 1962. Poucos anos depois, mudou-se para a Alemanha, onde foi professor titular de regência na Escola Estatal Superior de Música de Mannheim.

Em 1979, fundou a Orquestra do Teatro Nacional de Brasília. Um ano depois, sem esquecer da sua terra natal, compôs o hino oficial do estado do Amazonas.

Claudio Santoro
Claudio Santoro

Em 27 de março de 1989, após uma temporada de férias na Alemanha, Santoro morreu em Brasília. Em 1º de setembro do mesmo ano, o Teatro Nacional de Brasília passou a denominar-se Teatro Nacional Claudio Santoro.

No ano em que o compositor completaria 90 anos, o Centro Cultural Banco do Brasil em Brasília presta-lhe homenagem com uma série de concertos apresentados pela orquestra Camerata Brasil, formada por músicos brasilienses (coincidência: 20 anos de morte de Santoro, 20 anos de nascimento do CCBB). O próximo concerto será dia 28 de outubro, com duas apresentações: 13 horas (entrada franca) e 21 horas (15 reais, inteira). Os ingressos podem ser adquiridos na bilheteria do CCBB (das 9h às 21h, de terça a domingo).

No site dedicado a Claudio Santoro, você lê mais sobre ele e pode ouvir (e baixar em mp3) trechos de suas composições. Também há uma galeria de imagens, à qual pertence a foto ao lado.

Geninho, Turma da Mônica e Beatles

Volta e meia, lembro-me do Geninho, aquele bichinho esquisito do desenho da She-Ra que aparecia no fim de cada desenho e perguntava “Oi, amiguinhos, descobriram onde eu estava escondido hoje”?

Associação aleatória, essa; eu queria mesmo falar é de uma historinha muito bacana da Turma da Mônica que a Vi me mostrou dia desses: Paul is Dead.

Clique no desenho para ler a historinha completa.
Clique no desenho para ler a historinha completa.

Por que isso me fez lembrar do Geninho? Porque, ao chegar ao fim da história, você descobre que tem um “pequena” lista para caçar pelas páginas. Não vou dar detalhes, mas adianto que, dos 28 itens, encontrei 20 (com esforço!) e que a coisa é ainda mais bacana para fãs dos Beatles.

Independentemente dessa “caçada”, a leitura da historinha vale por si mesma – é diversão garantida! Se você resolver participar da brincadeira, volte aqui e conte-me como se saiu. 😉

Folgando na Rede # 15

Rede arco-íris Vamos ao primeiro Folgando na Rede de 2009 – torcendo para que seja uma coluna mais regular este ano.

O Blip.fm tem passado por uma série de mudanças – a maior parte delas, para pior. Outro dia, descobri que já não exibe o código que permite incluir (“embedar”, ou embutir) uma música num post. Uma googlada, no entanto, deu-me uma ótima solução para contornar o problema: a dica para “embedar” músicas do Blip.fm, de Alexandre Gonçalves, é simples e funciona maravilhosamente.

Você cresceu vendo Chaves? Não? Que infância sem graça, putz. Sim? Então leia as 50 coisas que o Fred aprendeu assistindo Chaves, um prato cheio para os nostálgicos.

A reforma ortográfica entrou em vigor no início do ano e a Lu Freitas fez um excelente artigo explicando as novas regras. Vale salvar nos Favoritos do navegador e consultar na hora da dúvida.

Carlos Hotta faz uma análise muito interessante da tal blogosfera, apontando defeitos e infantilidades que, convenhamos, já deveriam ser coisa do passado. Na mesma linha vai o texto do dois Espressos: Números são apenas números. Leia e reflita.

Está com saudades da polaroid? Ela voltou, em forma de uma câmera com impressora embutida. Se vai “pegar” ou será um fracasso de vendas, o tempo dirá.

Excelente propaganda de cerveja, descoberta no blog Hellfire Club: Graças a Deus você é homem. Clique nas imagens e divirta-se (se você é daquelas feministas radicais, nem vá ao link).

Joaninha inspirou-se no Folgando para criar o Achados na Web, mas foi muito mais fiel do que eu nas postagens. No fim de 2008, fez uma edição especial: Achados na Web – o melhor de 2008, com muita (muita mesmo) coisa bacana.

Essa é para quem gosta de churrasco: o Deitando o Gato na Grelha estrou há poucos posts, mas, com tanto humor e receitas de primeira, merece vida longa.

O Folgando dessa semana foi feito como todos deveriam ser: links coletados no meu dia-a-dia na web. Se eu conseguir fazer o mesmo sempre, essa coluna finalmente será semanal, como foi concebida. 😉

O que a gente não faz pelos amigos…

…e o que os amigos não fazem pra ganhar um desafio.

Duas postagens no mesmo dia é coisa rara aqui no Dia de Folga. Ocorre que o Nick Ellis está participando do Desafio LG e quer que todos conheçam seus dotes artísticos:

Unbreak my Heart, por Nick Ellis – Desafio LG (YouTube)

Nick, acho bom você não trocar a carreira de problogger pelos palcos… 😉