Agência A1.Brasil homenageia blogueiros

A página é feita em (argh) flash, por isso só fiquei sabendo da iniciativa graças ao pingback do blog Cê Inove Já!: desde a semana passada e até 25 de julho, a agência A1.Brasil, que tem entre seus clientes a AGF Seguros e o Bradesco, faz uma homenagem aos blogueiros. A explicação está na sessão de notícias do site:

Em homenagem ao mês internacional dos blogueiros, a A1.BRASIL, agência de mídia interativa, disponibilizará em seu site links para os principais blogs do País. Até dia 25 de julho, quem acessar o site www.a1.com.br automaticamente encontrará uma relação de blogs interessantes para visitar, seja da área de tecnologia, moda, economia, publicidade etc. “Vamos buscar blogs com conteúdos importantes e que estejam ligados à inovação, modernidade e utilidade, conceitos que fazem parte da filosofia da nossa agência”, afirma Priscila Tortorette, diretora geral da A1.BRASIL.

A data é comemorada mundialmente desde 2004 e possui um blog internacional dedicado ao tema: www.inweday.org. A adesão tem crescido ano a ano. Só em 2006, a iniciativa contou com 500 blogueiros de 40 países.

Os blogueiros que também estiverem interessados em apresentar seus trabalhos no site da agência podem participar indicando suas páginas para blog@a1.com.br.

Segundo pesquisa Intel, o Brasil é o quinto maior grupo em leitores de blogs e o terceiro em blogueiros. Dos 170 milhões de blogueiros espalhados pelo mundo, 5,9 milhões estão no Brasil.

O Dia de Folga está ao lado de muita gente boa, como o Cocadaboa, Interney Blogs, Poltrona, Revolução Etc, Verdade Absoluta e outros tantos (visite o site para ver a relação completa). Eu, claro, estou orgulhosa com a homenagem – não apenas por ser citada, mas porque a campanha reforça o fato de que blogs cresceram e estão amadurecendo.

Como nem tudo é perfeito, o Kibe Loco também está la. 😛

Agora, cá entre nós: você sabia que 14 de junho é o Dia Internacional do Blogueiro? Nem eu.

Só para avisar…

Igreja-Matriz de Santo Antônio, Recife/PE …que talvez o Dia de Folga fique fora do ar de hoje à noite até amanhã de manhã (se tudo der certo, se os DNSs se espalharem direitinho pela web, se Murphy estiver de férias). O Janio avisou no blog da Porto Fácil sobre a mudança do servidor em que o DF está hospedado e eu faço eco para que você não se assuste caso veja uma tela azul branca diferente por aqui (“PAM”!)

Na pior das hipóteses, vemo-nos na segunda-feira. Aproveite o fim-de-semana e coma uma canjica por mim – afinal, estamos no mês das festas juninas e hoje é dia de Santo Antônio (falando nisso, tem receitas juninas aqui no blog, já viu?). Aposto que tem uma quermesse pertinho da sua casa!

Aliás, uma informação que vale 1.000 UCI (Unidades de Cultura Inútil): hoje o Dia de Folga faz 5 anos, se você contar todas as formas que ele já teve – página no POP, blog no weblogger e, finalmente, domínio próprio. Quem diria que essa brincadeira iria durar tanto tempo?

Imagem de Ricardo André Frantz, retirada da Wikipédia (Creative Commons 2.5).

Atualização: como o Janio disse aí embaixo – mais detalhes no blog da Porto Fácil – a manutenção foi adiada. Droga, perdi minha desculpa para me esbaldar nas festas juninas, segundo o Thiago.

Gente, muito obrigada por todos os parabéns, votos de felicidades, de vida longa e próspera, etecétera e tal. Obrigada especialmente à Nosphie, que fez a maior festa por aí.

Sabem por que esse blog já dura tanto tempo? Não é por causa de nenhum segredo, não se deve a nenhuma técnica de SEO, não é nem mérito meu. Esse espaço continua porque você está aí, do outro lado da tela. Você acompanha, participa, critica, ajuda, elogia.

É como eu costumo dizer: se o AdSense sumir do mapa, tudo bem. Se todos os programas de monetização acabarem, amém. Se o Marco Gomes enjoar da Boo-Box, que seja. Eu vou continuar blogando, mesmo que tudo isso aconteça.

Agora, no dia em que não tiver ninguém aí do outro lado, eu desisto.

Então, lembrem-se: O Poder É De Vocês! 😉

Mau Jornalismo

Hesitei bastante em contar essa historinha. A última coisa que quero é reacender a pseudoguerra entre imprensa tradicional e blogueiros que, na minha opinião, não passa de um factóide criado por jornalistas mal-intencionados. Faz mais de dois meses que este artigo está rascunhado – dá pra ver o quanto hesitei. Bom, vamos começar do início.

O dia 17 de julho de 2007 foi marcado pela tragédia com o Airbus A320 da TAM, que levou à morte quase 200 pessoas após um pouso mal-sucedido no Aeroporto de Congonhas. O desastre despertou várias reações. Na blogosfera, a Veridiana Serpa propôs a blogagem coletiva Eu Exijo Ordem e Progresso. Em 17 de agosto, dezenas de blogueiros participaram do protesto. Minha contribuição, Aja!, é uma crônica indignada com os descalabros, de um lado, e a passividade, de outro.

Aí, em 13 de março, a Veri descobriu que um obscuro Jornal Tribuna do Sudoeste havia publicado o meu texto e creditado como se fosse dela. A Veri entrou em contato com o tal jornal, explicou o equívoco, enviou o meu link e o da blogagem coletiva e pediu a correção do crédito.

A resposta é uma pérola:

Infelizmente, não teremos como colocar uma “errata” a respeito da autoria do referido texto, devido ao fato de sua publicação no nosso jornal já ter ocorrido há mais de seis meses.

Somos um semanário do interior de Goiás e temos dificuldade em produzir a coluna “Ponto de Vista”, pq nossos leitores não têm o costume de enviar artigos. A saída é buscar textos interessantes pela net – tal qual ocorreu na edição do dia 25 de agosto de 2007.

Peço a gentileza de incluir este meu e-mail na sua mailing list e, na medida do possível, encaminhar para ele textos que possam ser veiculados nas nossas páginas.

Vamos brincar de jogo dos erros?

1. Ah, vocês não têm como colocar uma errata? Como assim, Bial? Ninguém pediu a republicação do jornal de 25 de agosto, cuja maior utilidade deve ter sido embrulhar peixe no dia seguinte. Agora, custa corrigir duas linhas de um texto que está na internet?

2. Têm dificuldade em fazer a tal coluna? Não têm inteligência para atrair leitores inteligentes? Sinto muito, mas a saída não é buscar textos alheios pela web – a não ser que o jornal não se preocupe nem um pouco com sua credibilidade e menos ainda com seus leitores. Se você não tem competência, não se estabeleça: elimine a coluna, simples assim.

3. Ainda por cima, o sujeito é preguiçoso – para não ter mais o trabalho de “buscar textos interessantes pela net”, quer que a Veri mande artigos para ele. Vai pagar salário pra ela fazer o seu trabalho? Não, claro que não. Quer uma porção de fritas pra acompanhar?

Pensando bem, a preguiça e a incompetência já estão muito claras na recusa em alterar os crédito no texto, ou em pedir para alguém mais esperto fazê-lo.

Ainda dei-me ao trabalho de mandar um email educado para o cidadão, explicando que eu não queria a reimpressão do jornaleco – bastava acessar o texto online, apagar um link e um nome e inserir outro link e outro nome. Você recebeu resposta? Porque eu ainda estou esperando.

Veja: não estou reclamando do erro, mas da falta de cortesia em consertá-lo quando solicitado.

A Veridiana me lembrou que tivemos sorte: já pensou se descubro meu texto em outro site assinado pela Veri? Eu poderia pensar que ela tivesse feito isso de sacanagem. Bom, eu não pensaria isso da Veri, mas sem dúvida seria uma bela saia justa.

O que me intriga é que a Veri, como boa blogueira, não replicou meu texto, mas apenas fez o link. O tal jornalista teve de acessar meu blog para copiar o artigo. Será que não percebeu que tinha clicado em alguma coisinha estranha e chegado em um canto diferente?

O pior é que nem acredito que tenha havido má-fé. A Navalha de Hanlon funciona quase sempre.

E qual lição tiramos disso? A mais óbvia, claro: existem bons e maus blogueiros, assim como existem bons e maus jornalistas – e isso vale para qualquer outra profissão.

E existe gente burra, também.

Meme: Entrevista

Meme - Entrevista A Liliana me convidou (e às demais deusas) para um meme/tag em forma de entrevista.

1. Por que resolveu criar o blog?

Comecei lendo alguns ótimos blogs. Sempre adorei escrever e sou fuçadeira – daí para criar meu próprio espaço foi um caminho curto e inevitável.

2. O que te dá mais prazer em blogar?

Ser lida – tanto faz se por 10, 100 ou 1.000 pessoas. O dia em que não tiver nenhum leitor, passo a escrever num caderno.

3. Indique um blog bom e um que você não gosta e por quê.

Na barra lateral do Dia de Folga sempre há sugestões de bons blogs. Para mim, um bom blog é aquele bem escrito e original.

Tenho horror a blogs plagiadores, escritos em miguxês ou lotados de erros de português. Também não suporto os caça-níqueis, que pautam seus textos pelas palavras-chaves da moda para ganhar uns trocos e não agregam valor algum.

4. Qual tipo de música você ouve, e quais suas bandas favoritas?

Amo rock nacional e MPB. Também escuto rock e pop internacionais, em menor quantidade. Legião Urbana é minha paixão, mas sou de fases: cismo com uma banda ou cantor e passo dias, semanas só ouvindo aquilo.

5. Qual o assunto que você mais gosta de postar?

Ecologia. Paradoxalmente, é o tema que menos aparece por aqui, porque me exige tempo e estudo. Claro que gosto dos outros temas de que trato no Dia de Folga – só escrevo sobre o que me agrada.

6. Seaquinevasseceusavaesqui?

Sim, claro. Provavelmente eu até tentaria, no primeiro dia. Depois de um tombo homérico, ficaria trancada em casa até o verão chegar.

7. Você é: casada, solteira, separada, enrolada, desquitada, chutada, viúva ou outros?

Solteira.

8. Por que você deu este nome ao seu blog?

Sou péssima para escolher nomes. Falta-me criatividade. Minha primeira página, criada num serviço de hospedagem gratuito em junho de 2003, nasceu num sábado; sábado é dia de folga; logo…

Eventualmente, o nome do blog passou a guiar-me sobre o que escrever, embora eu não me prenda a temas e não consiga transformá-lo num “blog de nicho”.

9. Qual foi o ultimo blog que você visitou?

O Chá de Hortelã, para pegar as perguntas deste meme.

10. Por que resolveu participar deste meme?

Porque as perguntas são interessantes e as respostas são rápidas e indolores.

Quer participar do meme? Fique à vontade!

Imagem: brokenarts.