Coisas Boas de Agosto

Apesar da fama nefasta, agosto passou voando por aqui. Segui com uma quantidade insana de trabalho, a ponto de na segunda-feira já ansiar pela sexta. Matenho o pensamento positivo: setembro será melhor.

Livro favorito: o mês foi cheio de ótimos livros. Vou escolher The Outsiders – Vidas Sem Rumo (S. E. Hinton) pelo elemento inusitado – eu nunca teria ouvido falar dele se não fosse pelo projeto #quemteviuquemteleu, da @tinyowl.reads, @seguelendo e @soterradaporlivros (links para os perfis no instagram), e teria perdido um grande livro. A escrita é singela, mas a história de Ponyboy e seus amigos é forte e, apesar do distanciamento cultural e temporal, contemporânea. Chorei, sim.

Filme favorito: a maioria dos que vi em agosto mereceu três estrelas (inclusive a versão de The Outsiders que, embora correta, acabou diluída pelo impacto que o livro me causou), ou seja, foram filmes decentes, mas sem nada especial. Amadeus foi o único a levar quatro estrelas, e talvez apenas porque a impressão deixada pela peça foi fraca o suficiente para que eu reduzisse minhas expectativas quanto ao filme e acabasse tendo uma grata surpresa com ele. As atuações são ótimas, bem menos histriônicas que as da peça. Os figurinos e elementos de época chamam a atenção e a edição é muito competente.

Série favorita: comecei a rever Modern Family. Ando pela quarta temporada – parei de ver a série por essa época, então agora é tudo novidade pra mim, e tenho me divertido muito. Preciso mencionar também Unbelievable, minissérie da Netflix que começa com a história de uma garota que foi estuprada, mas ninguém acredita nela – apenas anos depois a verdade vem à tona. O processo de sucessivas revitimizações é chocante. A produção é ótima e a minissérie é baseada em uma história real.

Bônus: o coração de latte art está quase saindo, finalmente! Falta consistência agora – às vezes dá certo, mas na maioria do tempo ainda não fica bom (em aparência; em sabor, fica sempre excelente).

 

Coisas Boas de Junho

O Dia de Folga está de cara nova: a Crisna fez um banner lindo pra ele. Se você está lendo este post via feed ou email, dá uma passadinha no site pra conferir!

Livro favorito: O Menino do Pijama Listrado, de John Boyne. Depois de gostar muito de Uma escada para o céu, finalmente peguei o livro mais conhecido do autor. A história segue o ponto de vista de Bruno, um garoto de nove anos, resultando em uma escrita simples e honesta. O leitor é envolvido lentamente e recebe um soco no estômago no clímax. Chorei, sim (e não vou ver o filme).

Filme favorito: It’s a beautiful day in the neighbourhood. Previsível desde a primeira cena, mas tão bem executado que cativa. Baseado no relacionamento entre o jornalista Tom Junod (que ganhou o nome de Lloyd Vogel no filme) e Fred Rogers, apresentador de programa infantil nos EUA por mais de trinta anos. Tom Hanks está grisalho e excelente.

Série favorita: a sétima temporada de Marvel’s Agents of S.H.I.E.L.D. Pelo menos até agora, está valendo a pena ter sobrevivido a duas temporadas terríveis. (Mas dói ouvir “Sousa” pronunciado como “Sussa”. Tá sussa, mermão.)

Novidade: experiências com café e leite vaporizado. Muitos tópicos lidos no fórum Clube do Café e muitos vídeos no youtube para aprender o básico. Resgatei minha modesta cafeteira de espresso, uma DeLonghi EC220 (que ficava na firma e estava parada há mais de um ano) e um moedor manual Hario Slim (que tinha dado de presente de dia dos pais – pegar presente de volta é feio, eu sei), comprei café em grãos (e uns copos bacanas) e tenho brincado com moagens, extrações, vaporização, lattes e cappuccinos. Deu até saudade do tempo em que eu tinha um blog especializado no tema, o Espresso do Meio-Dia (a maioria dos posts está aqui no DdF agora). Um dia, se tudo mais der errado, quem sabe possa ganhar a vida como barista.

Bônus: um mês inteiro usando o planner que criei em maio no Notion. Fiz a revisão mensal ontem e me tomou um bom tempo (uma hora, talvez), mas foi um exercício muito interessante. Espero manter a prática.