Vinum Brasilis

Eu sempre deixo pra fazer esse post mais perto da data e… acabo esquecendo. Pois bem, esse ano vou falar sobre o Vinum Brasilis ainda em abril, e você marque no seu calendário: ele acontece em agosto. 😉

Vinum Brasilis 2012
Nero Gold Chardonnay, com flocos de ouro.

O Vinum Brasilis vai pra sétima edição em 2014 e é uma ótima oportunidade para degustar vinhos nacionais, inclusive aqueles que não são facilmente encontrados no mercado (o que pode ser um tanto frustrante). Não perco desde 2012. Naquele ano, a grande novidade foi o espumante Nero Gold, da vinícola Domno, com flocos de ouro comestível 23 quilates. A gente come primeiro com os olhos… e bebe primeiro com os olhos também, então só de ver o brilho o espumante já ficava mais saboroso. 😉

Em 2013, preocupei-me em anotar minhas impressões sobre um vinho ou outro (a gente prova dezenas e acaba registrando só os que chamam muito a atenção mesmo – e, se não anotar, mal vai se lembrar no dia seguinte). O Brasil brilha nos espumantes e na Vinum Brasilis são encontrados vários ótimos. O Perini foi muito, muito agradável. Contudo, dia desses o Sr. Monte comprou uma garrafa e ela não estava tão boa, tinha um certo amargor (por outro lado, ele comprou um rosé Perine tempos atrás que estava muito bom).

Saindo dos espumantes, havia bons vinhos brancos, mas nenhum que me marcasse.

Vinum Brasilis 2012
Sr. Monte e eu na Vinum Brasilis 2012.

Quanto aos tintos, nunca gostei dos brasileiros. Acho-os muito aguados e/ou muito doces. Alguns que estavam na Vinum Brasilis 2013, porém, estavam ótimos. O cabernet da Salton, por exemplo, surpreendeu. Dentre os que tomei (é impossível provar todos), o melhor tinto foi da Sozo, produzido em Vacaria (RS). O dono da vinícola, José Sozo, estava lá demonstrando, batendo papo e contando histórias. Já no fim da feira, formou-se uma rodinha em torno da mesa e dos cabernet e merlot muito prazerosos que ele trouxe. Infelizmente, porém, não estão à venda em Brasília. Segundo Sozo, não é fácil que pequenos produtores consigam espaço nas gôndolas da cidade.

A Vinum Brasilis acontece em meados de agosto, em algum lugar do Plano Piloto (com serviço de transporte gratuito para alguns pontos da cidade  – ou seja, dá pra beber, sim!). Nos últimos anos, o convite custou 60 reais. Esse preço inclui a degustação dos vinhos e vários petiscos (pães, queijos, embutidos e, em 2013, rolaram umas estações de massas e saladas). No blog Decantando a Vida, você sempre fica sabendo do início da venda dos ingressos (em julho). Aí é comprar logo, porque eles são limitados, viu?

A gente se vê na próxima Vinum Brasilis!

Existe amor em Águas Claras.

Ontem, 21 de abril de 2013, em comemoração aos 53 anos de Brasília, o âncora Estevão Damásio, da CBN Brasília, propôs um programa leve e divertido com a participação de figuras do cenário cultural do Distrito Federal: o ator Bruno Torres (que está no filme Somos Tão Jovens, com estréia em 3 de maio), Digão e Canisso, da banda Raimundos, e o gaitista Engels Espíritos. Claro que o programa não foi tão tranquilo assim, e não foi por falta de tentativas do Estevão (dica: se você quiser um ambiente leve, não convide o Engels Espíritos).

Lá pelas tantas, chamou-me a atenção a forma como Águas Claras foi citada – provavelmente pelo Espíritos, mas o áudio pode ter me traído. O artista disse que “fica assustado” toda vez que vai à região. Seguiram-se habituais reclamações sobre a urbanização desenfreada do DF, a “falta de horizonte” e outros clichês. E, claro, acrescentou-se o usual “sem querer ofender quem mora lá”.

Eu moro em Águas Claras. E não, não me sinto ofendida pelas constantes observações negativas que ouço sobre esta pequena grande cidade, da mesma forma que não me ofendo quando ouço comentários preconceituoso sobre Brasília feitos por quem nunca pisou no DF. Sinto-me é espantada ao constatar que pessoas que vivem há meros vinte quilômetros de Águas Claras ainda repetem críticas que denotam tanto desconhecimento.

É incrível, por exemplo, ouvir que alguém “fica assustado” em Águas Claras. Até entendo a sensação, se o comentário vier de alguém acostumado a viver no campo e que nunca viajou por outros cantos, outras cidades, outras paisagens. Tantas e tantas cidades brasileiras têm a mesma conformação de Águas Claras: prédios altos, próximos, pessoas pelas ruas, comércio em todo canto. Claro, não se vê isso em Brasília, ou melhor, no Plano Piloto, com seus amplíssimos espaços, cheios de árvores e ausentes de pedestres. Aliás, no mesmo programa, os participantes comentaram que uma caminhada em Brasília “cansa o psicológico antes de cansar o físico” e que pra encontrar um amigo é preciso marcar um ponto no meio do caminho. Sim, isso é verdade no Plano Piloto.

Águas Claras é diferente. As pessoas se vêem mais, se falam mais. Nos prédios, a gente conhece os vizinhos. Aliás, por menos do que pagaria no Plano Piloto e adjacências para morar em uma quitinete (seja alugando ou comprando), usufruo de um apartamento agradável e ventilado, num prédio que me oferece piscina, academia de ginástica e outras facilidades, além de me isolar do som dos vizinhos porque as paredes são grossas o suficiente – mas que, ao mesmo tempo, propõe espaços amigáveis de convivência com esses mesmos vizinhos.

Sem atravessar a rua, tenho farmácia e padaria. Se atravessar, encontro bares, restaurantes, supermercados, escolas e todo tipo de comércio (esticando um pouco mais – mas sem exagero – tem até um shopping center com bons cinemas, praça de alimentação e um punhado de lojas). Andar a pé em Águas Claras não “cansa o psicológico”, porque há gente pelas ruas e vou me distraindo pelo caminho. Posso parar pra ver uma vitrine ou outra. Há uma sensação de comércio de bairro que se traduz em sorrisos – o cliente conhece o balconista e vice versa, não é aquela coisa ríspida e grosseira de nem olhar na cara.

É claro que Águas Claras tem problemas – e que cidade não tem? Aqui, entre outros, temos um trânsito estressante nos horários de pico (mas também temos o metrô – eu opto por usar o transporte público e deixo o carro em casa quase todos os dias). Temos, também, uma triste falta de árvores e de espaços públicos de convivência (o Parque Águas Claras é logo ali, mas seria ótimo ter pequenas praças em toda a parte). Algumas quadras sofrem com constantes quedas de energia elétrica.

O Plano Piloto também tem problemas – e qualidades. A Asa Sul, por exemplo, é encantadora, apesar das grandes distâncias e da falta de “bom-dia” no elevador.

Meu ponto é: não se assuste com Águas Claras. Somos uma cidade comum, feita de gente, de veículos, de defeitos e de qualidades. Não há o que temer. Abra a mente e o espírito, venha dar uma volta por aqui. Vamos tomar um milkshake ali do lado e eu lhe mostro o que há de bom ao redor da Arniqueiras e da Castanheiras.

Deixe de lado o preconceito. Existe amor em Águas Claras.

Curso com barista italiano no McDonald’s

O barista Andrea Lattuada.
O barista Andrea Lattuada.

Essa é pra quem mora em Brasília e está com a agenda livre: nos próximos dias 23 e 24 de setembro (sexta e sábado que vem), o McDonald’s oferecerá workshops com Andrea Lattuada, coordenador do Campeonato Italiano de Barista (e campeão em 2003).

Os participantes aprenderão mais sobre o cultivo do café, as diferenças entre os grãos, os processos de torra e moagem e as técnicas de extração em máquinas de espresso. Também verão em ação a latte art (que, um dia, ainda vou aprender).

As inscrições são gratuitas e limitadas, e devem ser feitas na unidade McCafé em que você deseja fazer o curso, que dura pouco mais de uma hora. Eis o calendário:

23 de setembro:

  • McCafé do Taguatinga Shopping, às 17 horas.

24 de setembro:

  • McCafé do Pátio Brasil Shopping, às 11h30m.
  • McCafé do Park Shopping, às 15 horas.

Não poderei comparecer, mas aproveite por mim!

 

Grenat – Cafés Especiais

Grenat - cafés especiaisConheço a Grenat desde que ficava na 201 Sul. Café bom, cardápio fraco atendimento péssimo – ou seja, seguia o padrão brasiliense de serviço (eu sei, dá vontade de chorar).

As coisas melhoraram, porém, consideravelmente. A Grenat mudou para o outro lado da rua, ganhou uma loja espaçosa (apertar-me na loja anterior nunca me agradou), um cardápio maior e o atendimento, se não estava primoroso, estava esforçado. Parecia faltar treinamento e agilidade, mas isso pode se resolver com o tempo.

Desde a mudança, visitei a casa apenas uma vez. Pretendo voltar logo, provar outras delícias e espero ser surpreendida por um serviço de primeira. De qualquer modo, recomendo a visita e sugiro o tradicional mocha, feito à perfeição.

Serviço

Grenat – cafés especiais
CLS 202, Bloco A, Loja 4, Asa Sul, Brasília – DF.
Telefone:(61) 3322 0061.
Horário: de segunda a sexta, das 7h30 às 22h; sábado, das 9h às 22h.