Sin City – A Cidade do Pecado

Ficha técnica

Sin City. Estados Unidos, 2005. Aventura. 126 minutos. Direção: Frank Miller, Quentin Tarantino e Robert Rodriguez. Com Bruce Willis, Mickey Rourke, Jessica Alba, Clive Owen, Nick Stahl, Powers Boothe, Rutger Hauer, Elijah Wood, Benicio Del Toro.

Sin City é uma cidade que seduz as pessoas. Nela vivem policiais trapaceiros, mulheres sedutoras e vigilantes desesperados, com alguns estando em busca de vingança e outros em busca de redenção. Um deles é Marv (Mickey Rourke), um lutador de rua durão que sempre levou sua vida a seu modo. Após levar para casa a bela Goldie (Jaime King), ela aparece morta em sua cama. Isto faz com que Marv decida percorrer a cidade em uma jornada pessoal, em busca de vingança. Além dele há Dwight (Clive Owen), um detetive particular que tenta a todo custo deixar seus problemas para trás. Após o assassinato de um policial, Dwight se apresenta para proteger suas amigas, as damas da noite. Há também John Hartigan (Bruce Willis), o último policial honesto da cidade, que restando apenas uma hora para se aposentar se envolve na tentativa de salvar uma jovem de 11 anos das mãos do filho de um senador.

Mais informações: Adoro Cinema.

Comentários

2,5 estrelas

Não conheço os quadrinhos que deram origem ao filme. Na hora de analisá-lo, esse desconhecimento é bom e ruim ao mesmo tempo. Bom, porque posso apreciar o filme sem fazer comparações para pior ou melhor. Ruim, porque não sei até que ponto a versão cinematográfica é fiel aos quadrinhos de Frank Miller.

Sin City, indiscutivelmente, é uma produção que merece ser vista. De preferência, na telona. O filme perderá boa parte do impacto se assistido pela televisão. É preciso acompanhar o jogo de câmeras, as poucas colorizações, as tomadas alucinantes, o sangue branco, tudo isso no cinema, em grande estilo.

Embora algumas cenas lembrem bastante Matrix – o marco revolucionário quando se fala em filmes de ação – Sin City tem linguagem visual própria. Personagens que voam pelos ares, tiros que não matam e sangue esguichando fazem parte dela. Quase dá pra ver os “POW”, “BANG” e “CRASH” escritos na tela, como no seriado Batman dos anos 60. É o ritmo frenético que consegue manter o espectador ligado por mais de duas horas.

E é só isso, mesmo.

As histórias são superficiais e os personagens são rasos, sem qualquer densidade psicológica. Não por culpa dos atores, todos excelentes. É que, simplesmente, não há entrelinhas. Tudo está escancarado nas fortes imagens projetadas. Há algum suspense, é verdade, e umas reviravoltas, mas nada que seja intrigante ou profundo. A violência é o ponto de partida e de chegada, sem qualquer desvio, no melhor estilo Pulp Fiction.

Violência por violência, apesar de toda a tecnologia empregada em Sin City, ainda prefiro Clube da Luta.

Notinhas

  • Quem gosta de Calvin e Haroldo e conhece o detetive que habita as fantasias desse menino levado vai morrer de rir com a primeira cena do policial interpretado por Bruce Willis.
  • O discurso do Senador Roark, lá pelo fim do filme, deve ter sido baseado na postura do José Dirceu.

13 thoughts on “Sin City – A Cidade do Pecado

  1. Eu quero ver agora!!! TODO MUNDO, menos o Arnaldo Jabor, falou bem desse filme! O foda vai ser achar uma tela do tamanho de uma de cinema 😛 Beijos

  2. Olá!!!

    Ainda não assisti… Minha prima ficou alucinada, foi atrás de pré-estréia e afins, mas não me atrai… Não sou fanática por comédias românticas ou qualquer outro gênero de filmes, mas não gosto do estilo Tarantino de ser (eu sei que ele não é o diretor, mas vi que ele é diretor convidado)…

    Beijos

  3. Oi Lu!
    Mulher, eu vi o filme… ainda estou deglutindo.
    Concordo contigo quando você diz que não há um enredo muito específico, isso é verdade, o interesse mesmo fica a cargo dos efeitos, dos atores… ai, ai… e de Benício del Toro… um pouco diferente, mas ainda del Toro.
    E, em alguns trechos, quase segurei a mão do estranho ao meu lado. Mas contive o susto e agarrei mesmo foi o chocolate que levava na bolsa.
    Beijo! :)>-

  4. Ainda não assisti, mas adoro esse estilo de filme. Só não sobra tempo pra ir ao cinema. Depois te falo! Beijus

  5. Eu achei esse filme simplesmente fantástico. Inovador, fiel aos quadrinhos e muito violento. Mas é tanta violência que tem uma hora que começamos a achar engraçado. Mal posso esperar para sair no DVD (que se deus quiser vai ter muitos extras) para que eu possa comprar.

  6. ainda não assisti, acho que por influencia dos meus amigos…muitos não gostaram…rs
    Mas vou ver, quem sabe minha impressão seja diferente.
    Beijus

  7. Concordo, há muuuuita violência…só pra resumir. Acho terrível quem sai do cinema e descreve esse tipo de filme como o máximo, a oitava maravilha e endeusam o Tarantino. Depois nos perguntamos “por que o mundo anda tão insensível e a violência banalizada?!”.

  8. Só posso dizer que o filme é muito bom principalmente com o maravilhoso Benicio del toro e Elijah wood.:)abraços para todos.:)>-

  9. Esse filme é show!!!!!!
    seus efeitos e suas historias de neutralizar qualquer um que valoriza uma historia bem fictisia…
    …os atores entraram nos personagens de corpo e alma…
    Filme sensacional…
    Uma coisa eu falo, tem o dois e vem pra arrasar!!!!!
    fui!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!:d

  10. Eu, particularmente, adorei o filme. Apesar dele ser focado em violência, porém ele é bastante descritivo, o que faz com que as pessoas, cada vez mais,tenham a curiosidade de saber o que vai acontecer no final.

  11. Adorei o filme,e super diferente!!!!!!!!!! especialmente nos efeitos especias,o preto e branco em alta tecnologia que dava no filme um look fenomenal e no elenco de luxo com actores super talentosos nota 1000!

Comments are closed.