O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias

Ficha técnica

Brasil, 2006. Drama. 110 min. Direção: Cao Hamburger. Com Simone Spoladore, Eduardo Moreira, Paulo Autran, Daniela Piepszyk.

1970. Mauro (Michel Joelsas) é um garoto mineiro de 12 anos, que adora futebol e jogo de botão. Um dia sua vida muda completamente, já que seus pais saem de férias de forma inesperada e sem motivo aparente para ele. Na verdade os pais de Mauro foram obrigados a fugir por serem de esquerda e serem perseguidos pela ditadura, tendo que deixá-lo com o avô paterno (Paulo Autran). Porém o avô enfrenta problemas, o que faz com que Mauro tenha que ficar com Shlomo (Germano Haiut), um velho judeu solitário que é seu vizinho. Enquanto aguarda um telefonema dos pais, Mauro precisa lidar com sua nova realidade, que tem momentos de tristeza pela situação em que vive e também de alegria, ao acompanhar o desempenho da seleção brasileira na Copa do Mundo.

Mais informações: Adoro Cinema.

Cometários

3 estrelas

De um lado, um país dividido entre o peso do regime militar e as alegrias da primeira Copa do Mundo transmitida pela televisão via satélite. De outro, um menino dividido entre a saudade dos pais e a vontade de continuar a ser criança. Estes são os dilemas de O ano em que meus pais saíram de férias. Não é um filme sobre a ditadura. Não é um filme sobre política. É, sim, um drama sensível e bem contado.

Embora esteja longe de ser uma produção espetacular, vale a pena ser visto. O destaque fica por conta do pano de fundo histórico, que influencia as atitudes dos personagens, e da interpretação do pernambucano Germano Haiut, desconhecido do grande público, no papel do sisudo judeu Shlomo.

Um dos toques engraçados acontece no início da transmissão do jogo entre Tchecoslováquia e Brasil. Ítalo, um jovem universitário interpretado por Caio Blat, proclama: “Se o Brasil perder, será bom – será uma vitória do comunismo!”. Os amigos concordam e até tentam comemorar quando a Tchecoslováquia faz o primeiro gol da partida, mas soltam a voz de verdade, pulam e se emocionam nos gols do Brasil, o patriotismo falando mais alto que a a ideologia política, pouco importando, na prática, se Médici aproveitara a transmissão para fazer propaganda da ditadura.

2 thoughts on “O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias

  1. Sabe que não me empolguei pra assistí-lo…
    Acho que esse vai ser um daqueles que vou deixar pra ver numa tela quente qualquer…
    Bju

Comments are closed.