Nenhum partido me representa.

Ontem, apareceu na minha timeline um twit que me incomodou em diversos níveis:


“gente ‘apolítica’ e ‘apartidária’ é perigosa. no fundo, eles não acreditam em democracia.”

Tantos erros em tão poucas palavras.

1. Num regime democrático, ninguém pode definir como você deve pensar. Já falei sobre isso, em outros termos. Ainda estamos em uma democracia. Você tem o direito democrático de ser apolítico ou apartidário, ou de defender o PT, o PSTU, o DEM, o PSDB o PV ou a sopa de letrinhas da sua preferência. Você tem liberdade de opinião, e essa liberdade não é um atentado contra a democracia, mas uma expressão dela.

2. Apolítica é uma coisa, apartidarismo é outra completamente diferente. Não, não são sinônimos, nem de longe. Apolítica é aquela pessoa que tem nojo, aversão por política, ou simplesmente não se interessa por ela. A origem da política está nas cidades-Estados gregas, as polis.  Política era, e é, a atividade da organização da sociedade, das cidades e dos Estados. As presentes manifestações são absolutamente políticas. É o povo indo às ruas e dizendo o que quer e o que não suporta mais. É um ato tão político quanto o voto, com a legitimidade extra da sua não obrigatoriedade. Você tem todo o direito de não se interessar por política. Isso não faz de você um antidemocrático. Não faz de você um perigo. Apolíticos não atentam contra a democracia. O que atenta contra a democracia são os maus políticos, que vestem um manto formal para revogarem explícita ou implicitamente os seus direitos de cidadão.

3. Agora, sobre essa “gente apartidária”. Sim, o que estamos vendo nas ruas é um movimento apartidário. Por isso, as bandeiras convocadas pelo PT foram barradas pelos próprios manifestantes ontem. Por isso, o PSTU também foi barrado nos protestos do início da semana. Sim, é direito seu defender um partido, mas a Roberta Zouain acertou na mosca quando disse que:


“É direito erguer bandeira, qualquer que seja, na manifestação? Sim. Também é direito ir com a camisa do Palmeiras na torcida do Corinthians.”

A Cynara Menezes acha que gente apartidária é perigosa. Que gente apartidária não acredita em democracia. Faltou dizer que gente apartidária é o bicho-papão e vai te comer à noite.

Não é. Não somos. Somos, isso sim, uma expressão da democracia, e um grito contra o que não está funcionando no regime democrático.

Perguntei ao Sr. Monte (também conhecido como meu pai) se nas Diretas Já havia todo esse repúdio aos políticos e aos partidos que estamos vendo nos últimos dias (eu tinha 5 anos). Ele disse que não, não havia: “quem protestava naquela época acreditava que, com políticos eleitos, todos os problemas se resolveriam”.

Quase três décadas depois, o que temos? “Político corrupto” é quase um pleonasmo. Encher  as burras de dinheiro público é prática comum. Deputados levam um padrão de vida muito superior ao que o seu salário mensal permitiria. Governantes vão à televisão fazer falsas promessas em que já nem fingimos acreditar. Dizem que não há dinheiro para melhorar a saúde, a educação e os transportes, mas vemos que há dinheiro para estádios bilionários, contas fantasma e maletas recheadas.

E não adianta votar em outro partido. Tivemos alternâncias suficientes em todas as esferas de poder para descobrirmos que não adianta. Mudam os rostos, continuam os desmandos.

Essa descrença toda com os partidos políticos não surgiu da noite para o dia. Não começou semana passada. Nas primeiras vezes em que votei, costumava votar apenas na legenda para os cargos legislativos, porque acreditava que aquele partido fazia um contraponto necessário, uma oposição saudável e produtiva. Faz uns dez anos que descobri que estava enganada. Tem mais ou menos esse tempo que não acredito em partido algum.

Nenhum partido me representa.

Esse é o pensamento de muita, muita gente. De centenas de milhares. De milhões. É essa gente que está saindo às ruas bradando contra todas as bandeiras políticas, contra todos os governantes indistintamente, contra todas as instituições – e, em alguns casos, partindo para o imperdoável vandalismo.

Mas você não vê cartazes contra a democracia no protesto. Você não ouve gritos pedindo uma ditadura. O que você vê é gente pedindo a reforma política, e querendo que o Ministério Público continue tendo o direito de investigar. Gente que quer o reforço das ferramentas democráticas, não o seu fim. Deseja-se uma democracia melhor, mais participativa, mais sólida. Uma democracia que não fique nas mãos de corruptos. Uma democracia na qual tenhamos realmente em quem votar, não simplesmente votemos no “menos pior”.

Gente apartidária não é perigosa. Perigoso é vender a alma a um partido. Perigoso é acreditar cegamente em uma bandeira. Perigoso é perder a capacidade de questionar, de se revoltar, de mudar de ideia, de ir pras ruas.

Os que estão no poder realmente nos acham muito perigosos agora. Depois de décadas de silêncio, vêm a população reagir e simplesmente não conseguem controlar essas multidões. Não conseguem se apropriar dos protestos. Estamos pensando livremente, e isso os amedronta.

Ainda não sei no que tudo isso vai dar – ninguém sabe -, mas estamos vivendo um momento profundamente democrático. Quem não percebe esse simples fato, é cego ou não quer ver.

5 thoughts on “Nenhum partido me representa.

  1. a minha leitura do primeiro texto é diferente: num sistema republicano, a sociedade se organiza em partidos que precisam seguir uma série de regras estabelecidas em lei. a ausência de partidos não é viável num sistema republicano, uma vez que todas as instituições estão baseadas na premissa de que a população elegerá seus representantes por meio do voto e que tais representantes tem de estar diretamente ligados a algum partido, seja ele qual for.

    o partido é parte de uma engrenagem. a ideia de que o apartidarismo fere a integridade da democracia republicana se baseia no fato de que a ausência de partidos significa a ausência de representantes da população na direção do país e a sociedade organizada dessa forma pode ter várias denominações, entre elas: ditadura, fascismo.

  2. @Suzana, também existem partidos em regimes antidemocráticos. Aqui mesmo, no Brasil, tivemos partidos durante a ditadura. Não são os partidos que definem a democracia; antes, devem ser definidos por ela.

    Não repudio a ideia de partidos. Repudio o que está aí, a bandalha institucionalizada, empresas multimilionárias que lucram com a corrupção, às custas dos nossos impostos. Legendas que respeitam, no máximo, a formalidade legal, mas violam o que deveria ser a sua razão de existência: a obrigação de representar, defender e lutar pelo povo.

    Espero que essas manifestações sejam o gatilho para o surgimento de verdadeiros partidos políticos, que façam jus a esse título.

  3. Lu, preciso colocar um link pro seu blog no meu blog, porque eu esqueço de vir aqui e eu adoro as coisas que você escreve. Acho que já tive link seu, mas no 365 dias. Olha, eu sou uma pessoa apartidária. Por que as pessoas não entendem que as bandeiras não foram bem aceitas nas manifestações não por serem do PT ou PSTU, mas sim porque não queríamos que o movimento fosse capturado por nenhum partido? E sim, aqui em Curitiba eu vi pessoas com bandeiras do PSDB terem de baixá-las também. Ou seja… não sou contra partidos, mas contra a forma como os partidos têm feito política.

  4. @Marina, acho que as pessoas não querem entender. São cegamente apaixonadas pelos seus partidos, como os torcedores de futebol fanáticos, sabe? E são incapazes de ver que os partidos, hoje, são grandes empresas com fins lucrativos e, pior ainda, corruptas. Existem apenas para o favorecimento dos seus membros, não para o aprimoramento da democracia. Sonho com partidos voltados realmente para os interesses populares… quem sabe um dia, né?

Comments are closed.