Deve Haver Algum Sentido em Mim…

A peça “Deve Haver algum Sentido em Mim que Basta” expõe a banalidade existencial de um grupo de pessoas em um estado de alheamento que chega a contaminar a memória, falha, e o vocabulário, pobre. São adultos de classe média, semi-idiotizados – no sentido psicanalítico – em tolas elocubrações que são as mesmas das telenovelas e opiniões dos denominados “socialites” e “celebrities” da moda, jornalismo, publicidade e – o que é inquietante – de parte dos universitários brasileiros. Besteirol de pessoas bem nutridas, escolarizadas e sem problema de dinheiro. O espetáculo da Cia de Teatro Autônomo, do Rio de Janeiro, busca flagrar a solidão e a angústia por trás de tanta fatuidade. Em meio às festinhas e “conversas jogadas fora”, a fina depressão parece se infiltrar como um bolor. Tanto é que o personagem mais concreto (e o único que tem um trabalho) insinua a questão do suicídio. A alienação não é mais tão fácil.

A sinopse saiu na revista Bravo! de agosto. O espetáculo estava em cartaz em São Paulo. Uma pena que Brasília dificilmente recebe as peças do eixo Rio-São Paulo.

Atualização: minha amiga Andrea informou, nos comentários, que a peça já passou por Brasília, sendo exibida no Centro Cultural Banco do Brasil. Bolas. Carambolas. Pílulas.

12 thoughts on “Deve Haver Algum Sentido em Mim…

  1. Se Brasília não recebe, imagina São Luís, Lu! Estamos literalmente ilhados e fora do circuito cultural nacional, há muito tempo, infelizmente!!
    O teu blog está cada vez mais lindo, essa cor é maravilhosa, verde num tom sobre tom, demais!
    bjo!!!

  2. Oi, Lu.
    Adorei a nova cara do blog. Só uma coisinha: essa peça já esteve em Brasília, sim, lá no CCBB. Eu e o Rafael fomos ver. É sensacional.
    Beijinhos
    Andrea

  3. “Deus não dá asas a cobras”. Moro no Rio e vou de vez em nunca ao teatro. Sinto falta é de mais shows, uma vez que o Rio agora não é mais a 1a rota para grandes músicos e bandas internacionais (eles vão todos para São Paulo, Curitiba e Porto Alegre). Sou mais ligado a cinema, música, e as vezes algumas exposições (que, sim, ficam geralmente restritas ao eixo Rio-São Paulo)

  4. Direto altas pecas maravilhosas passavam por Brasilia e eu nem sabia…humpf! Beijos

  5. Vou procurar saber dessa peça! O namorado que vai gostar. Sabiq eu em 1 ano e 4 mêses ainda não fui ao teatro com ele! E eu adoro teatro! Quem sabe não será nossa primeira? Bisous

  6. Olá!!!
    Nossa, faz anos que eu não vou ao teatro, mesmo com a variedade que tem aqui em São Paulo… Sei lá, é uma mistura de preguiça com medo de sair à noite e falta de companhia…

    Acho que a última peça que eu fui ver foi o D’artagnan e os três mosqueteiros em 1900 e bolinha… Foi uma coqueluche nas meninas de 15/16 anos da época… rs

    Beijos

  7. Guriaaaa, tudo bem? eu sumo assim mas apareço, qd as coisas folgam um pouco. mas o convite é que domingo é meu aniver, e eu te espero no meu blog tá!
    beijuuu

  8. Ah não! Vou rodar a baiana aqui agora!!!
    Teatro é caro? Caro? Quando a gente paga para ir ao cinema?
    As peças teatrais com GLOBAIS são caras… Veja “Agreste” (não paguei nada para ver), vencedor do prêmio Shell. Veja qualquer coisa do grupo “Lume” (uma das melhores companhias teatrais do Brasil), qualquer coisa da “Boa Cia” (Primus, O Banquete – já vi várias vezes e nunca paguei mais que R$ 5,00)e milhares de coisas boas que têm por aí…
    Oh Lu! Nada a ver com o seu post… minha revolta veio a partir de um comentário. É que, mexer na ferida de uma atriz amadora é phod@… A classe artística “alternativa” sofre pra cacete.

Comments are closed.