Falta menos de um mês para o terror, digo, para o NaNoWriMo.

Eu gosto de projetos. Já deu pra perceber, né? Gosto de listas, desafios, prazos. Mas olha, dessa vez não estou tão confiante em conseguir completar a próxima missão que me coloquei.

NaNoWriMoÉ que, depois de dois anos ensaiando, resolvi participar do NaNoWriMo, ou National Novel Writing Month. Trata-se de uma maluquice inventada por um grupo de uns vinte doidos há 14 anos e que hoje conta com centenas de milhares de participantes ao redor do mundo. Em resumo, é o seguinte: novembro é o mês de escrever um romance (“novel) de pelo menos 50.000 palavras. Ou seja, quase 1.700 palavras por dia.

Todo mundo que já tentou escrever sabe que esse número é insano, mas essa é mesmo a ideia da coisa. Com uma meta tão ambiciosa, você se força a desligar o censor interno. Não pode editar enquanto escreve. Não tem tempo pra buscar a frase ideal. Por não se render ao perfeccionismo, as chances de conseguir concluir o romance são maiores.

“Ah, mas e a qualidade?”. Ela não é o foco do NaNo. O foco é escrever como se não houvesse amanhã, e chegar em dezembro com o primeiro rascunho do seu romance. Já dizia Hemingway: “o primeiro rascunho de qualquer coisa é uma merda”. Sempre. Mas é a peça mais importante para, enfim, produzir algo que valha a pena. Sem o primeiro rascunho de merda, você nunca terá um bom livro.

As regras para participar do NaNo são poucas. Em resumo:

  1. Você deve começar a escrever a história do zero em primeiro de novembro (mas pode fazer um planejamento antes).
  2. O texto deve ser um romance, ou seja, uma prosa ficcional.
  3. Para ser considerado vencedor, precisa copiar e colar o romance no contador de palavras do NaNo até 30 de novembro, e conseguir validar 50.000 palavras (para isso, você precisa se cadastrar no site).
  4. Ninguém vai ler seu texto. Você não precisa ficar com vergonha.
  5. Você pode escrever em qualquer idioma (mas o site do NaNo é todo em inglês, com exceção dos foruns regionais – o Brasil está lá).

No site do NaNo você encontra as respostas a todas as suas dúvidas e toda a história e os números do desafio. No blog Nem Um Pouco Épico há alguns textos sobre o NaNo, inclusive um FAQ bem-humorado. Existe também um twitter oficial e uma comunidade de brasileiros participantes no facebook.

Então, vai encarar? Quanto mais gente entrar no surto na brincadeira, mais divertida a coisa fica!

Convertendo pdfs para o formato do kindle.

Não tenho o kindle físico – ainda. Na verdade, oscilo bastante sobre comprá-lo ou não. Preciso mesmo? Vai fazer diferença na minha vida, no meu hábito de leitura? As dúvidas surgem porque tenho um tablet (um Asus Transformer que amo de paixão) e, claro, instalei o kindle nele – pra quem não sabe, existem aplicativos kindle para iOS, Mac, Windows, Android e Blackberry (symbiam e linux ficaram de fora, o que diz bastante sobre esses mercados). E. ok, o tablet emite luz e não é tão leve quanto um kindle de verdade, mas tem me atendido bem até agora.

Fato é que praticamente desde que tenho o app comecei a usá-lo pra ler pdfs. Aí você me diz: “mas pdf fica ruim no kindle, não dá pra aumentar a letra, selecionar textos etc. etc. etc.”. Bzzzzt! Errado! Dá pra converter os arquivos em pdf para o formato do kindle (.azw), e a melhor parte é que você não precisa instalar nada pra isso! Depois da conversão, você pode selecionar textos, pesquisar palavras no dicionário do kindle e fazer tudo o que torna esse bichinho tão interessante.

Como todo o tempo encontro gente que não sabe sequer que isso é possível, resolvi fazer esse passo-a-passo. Vamos lá?

Eis o que você precisa fazer para começar:

1. Faça login no site da Amazon e, no menu Your Account, clique em Manage Your Kindle.
2. Na nova tela, procure à esquerda por Your Kindle Account e clique em Personal Documents Settings.
3. Aproveite que está nessa tela e anote seu email send-to-kindle, que deve ser algo como seu-login-na-amazon@kindle.com.
4. Vá em Add a new approved e-mail address e adicione seu endereço de email (seu email pessoal, de uso frequente, não o send-to-kindle).

Autorizando email para o kindle.

Você não receberá nenhuma mensagem de confirmação, mas o email foi adicionado. Você pode rever a lista de emails autorizados a qualquer momento, apagar ou acrescentar novos endereços.

Agora, para converter seu arquivo pdf para o formato do kindle:

1. Vá à sua conta de email, aquela que você acabou de autorizar no kindle.
2. Crie uma nova mensagem.
3. No destinatário, insira seu send-to-kindle email, que você anotou no passo 3, acima.
4. No campo “Assunto” (ou “Subject”), escreva “convert“, sem aspas.
5. Anexe o pdf.
6. Envie e aguarde.

Para documentos de poucas páginas, a conversão é praticamente instantânea. Se o pdf é maior, serão necessários vários minutos. Depois, é só sincronizar o kindle via wi-fi e pronto, pdf convertido para o formato .azw. Acesso a todas as vantagens do formato proprietário do kindle de modo simples e indolor. 😉

Perguntas Frequentes

1. Posso enviar mais de um pdf no mesmo email?

R: Sim. Você pode enviar até 25 arquivos no mesmo email.

2. Os arquivos têm tamanho máximo?

R: Sim, cada arquivo pode ter até 50 MB, no máximo (o que, vamos combinar, é bastante). Lembre-se que o seu serviço de meial pode limitar o tamanho do anexo em valor inferior a esse (no gmail, 20 MB é o tamanho máximo).

3, Posso enviar o arquivo pra mais de um send-to-kindle email?

R: Sim, para até 15 endereços diferentes.

4. Posso converter arquivos em outros formatos?

R: Não. Sim. Arquivos .doc também são convertidos. No mais, você pode enviar arquivos em diversos formatos, mas a conversão não funcionará com todos eles. Se você pedir a conversão e não for possível realizá-la, você receberá um email informando.

5. A conversão fica perfeita?

R: Nem sempre. No meu caso, nunca tive problemas além da adição, no fim do ebook, de “páginas em branco” que não existiam no arquivo original.

6. Dá pra converter quadrinhos? E tabelas?

R: Não sei, nunca tentei. Se você tentar, me conta. 😉

7. O arquivo fica na Kindle Library, como acontece com os ebooks “normais”?

R: Sim, mas as opções de gerenciamento são bem limitadas. Você não consegue, por exemplo, ler no Cloud Reader ou enviá-lo para outro kindle app.

8. Quanto custa?

R: Nada! Se você fizer o sync via wi-fi, o serviço é totalmente gratuito. Você só pagará se usar o serviço Whispernet, que é o 3G que a Amazon oferece para os proprietários de Kindl com 3G.

A maioria das informações deste texto foi retirada do link Kindle Personal Documents Service, página de Ajuda da própria Amazon. Tem muito mais coisa por lá, vale a pena dar uma olhada.

Paris, 98!

Paris, 98! - capaOs livros de Mario Prata são sempre certeza de uma leitura gostosa, leve e muito divertida. Paris, 98! não é diferente.

Gregório é um funcionário do setor de câmbio do Bradesco. É casado, está esperando um filho, ganha uma mixaria, deve para um agiota e compra nas Casas Bahia. Eis que, graças a uma dessas compras, é sorteado para assistir à Copa do Mundo de 1998, na França. Tudo pago, ingresso para todos os jogos. Depois de muito planejamento, Gregório vai. E a vida dele nunca mais será a mesma…

Paris, 98! é uma forma inusitada de ver a Cidade Luz e a retrospectiva do fiasco apresentado pela seleção brasileira em 98. É Gregório que apresenta tudo. Bom de papo, o bancário cativa todo mundo na excursão e cativa também o leitor, que torce por ele no bolão, no dia-a-dia, quer vê-lo feliz, sem dívidas e cheio de dinheiro no bolso. Será que ele vai se dar bem? Será que venderá os ingressos do jogo para quitar a dívida com o Seu Gomes? Será que sobreviverá em francês?

Essa resenha é curta como é curto o livro: apenas 104 páginas que você lê num instante. Diversão garantida, ou seu ingresso de volta.

Ficha

  • Título: Paris, 98!
  • Autor: Mario Prata
  • Editora: Objetiva
  • Páginas: 104
  • Cotação: 4 estrelas
  • Encontre Paris, 98!.

Uma Vida Inventada

Uma Vida Inventada - capa

Ainda me lembro do desconforto de Maitê Proença ao ter sua vida exposta num quadro do Faustão (o tal “Arquivo Confidencial”), sem a sua autorização. Se fosse possível matar alguém com um olhar, o Faustão não estaria vivo pra fazer propaganda da JAC Motors. Foi nesse programa que ficamos sabendo da trágica história pessoal da atriz: aos doze anos, seu pai matou sua mãe, a família ficou em pedaços, cada qual foi para um lado. Maitê se reergueu, viajou, trabalhou em várias áreas e, meio por acaso, acabou se tornando atriz. Sempre manteve sua vida pessoal reservada e teria continuado assim se Faustão não tivesse sido tão indiscreto.

Parece que, depois disso, Maitê desistiu de guardar o segredo. Em Uma Vida Inventada, ela expõe muito de sua vida, passada e atual. Fala de religião, sexo, amores, frustrações, maternidade. Embora a orelha do livro fale numa mistura entre “literatura e vida, verdade e imaginação”, o conteúdo do livro é de memórias, não de ficção.

Uma Vida Inventada é bem escrito, autêntico e emocionante. Quem estava acostumado com a Maitê no Saia Justa encontrará a mesma mulher forte e franca, cheia de opinião e que não faz a menor questão de ir com a maioria ou repetir o senso comum.

Trechos

Não sou uma pessoa infeliz. Em momento algum as tristezas me imobilizaram, e não foi por coragem que isso se deu, mas por temperamento. Há nos meus interiores um entusiasmo indelével que me move. Se estou às portas do abismo, de dentro sobe um fogo que queima os nós da garganta, devolve-me a respiração e a voz e por fim brota em mim uma vigorosa curiosidade por todas as coisas. (p. 32)

Todas as pessoas têm um lar ou um lugar no mundo onde se sentem integradas. Eu não. Já vi amigos descreverem “um bem-estar de útero” ao voltarem para casa de uma viagem longa, “um conforto de berço”. Pois eu não sinto isso nem no apartamento do Rio onde vivo há vinte anos.[…] Gosto do Rio, amo às vezes, mas não sou daqui, e não sou de canto nenhum.
É solitário viver assim.
É também libertador. A gente vaga pelas tribos sem pertencer a elas. (p. 37-38)

Qual o ser vivo, por mais bondoso, que já não pensou na morte de uns vinte? As crianças pensam. Todos nós pensamos. No trânsito, no trabalho, nas discussões com o parceiro. (p. 64)

Na cidade a gente passa a vida encaixotada. Sai de um caixote que anda em cima de rodinhas para dentro de uma caixa que sobe, e nos coloca numa microcaixa com uma campainha, que por sua vez se abre para nos enfiar num caixotão dividido em caixas menores em que passamos grande parte de nosso tempo. Dormimos ali! Para piorar, o caixotão paira nos ares, de forma que se você resolver, num descuido, dar um passo pra fora, cai no vazio e morre. É muito constrangedor. (p. 75)

Renunciando ao agora e desistindo do ócio criamos uma civilização de prazeres adiados em nome de um porvir que não chega nunca. O lado bom dessa busca é o encontro com o novo e a sensação do renascer, pois o preço pago pelas tribos de ócio foi a ausência de desenvolvimento e cultura. Mas o preço pago pela civilização é o enquadramento do espírito, a correria e a falta de paz. (p. 82-83)

Sonho de rico é praia deserta, luz de lampião e rede com vista pro mar, ou seja, a vida do pescador. (p. 83)

É duro ter que viver dia após dia consigo mesmo: o grande cansaço é de si próprio. (p. 83)

Há muita dor nisso de ser jogado numa existência amesquinhada, sem saída e quase animal, mas com a consciência humana para perceber sua condição. É de um cinismo cruel. (p. 170)

Ficha

  • Título: Uma Vida Inventada – memórias trocadas e outras histórias
  • Autor: Maitê Proença
  • Editora: Agir
  • Páginas: 214
  • Cotação: 3 estrelas
  • Encontre Uma Vida Inventada.