Coisas Boas de Julho

Mês estressante, com um volume de trabalho irreal, mas acabou. Agosto será melhor? Provavelmente não, mas a gente segue em frente.

Livro favorito: Jonathan Strange & Mr Norrell, de Susanna Clarke. Li ótimos livros em julho, mas destaco esse pelo seu caráter inusitado: uma obra de fantasia que não é capa-e-espada, não se passa num cenário de inspiração medieval, não tem elfos ou anões… enfim, que desafia com sucesso os clichês do gênero. Fiz uma resenha mais detalhada no instagram. Menções honrosas: Mrs. Dalloway, clássico de Virginia Woolf (que, na verdade, foi o único livro de julho para o qual dei 5 estrelas, então a rigor deveria ser o favorito, mas é uma leitura complexa e esse mês dei mais valor ao entretenimento por si) e Caninos Brancos, de Jack London, uma história emocionante contada do ponto de vista de um lobo.

Filme favorito: Ford v Ferrari. Demorei pra ver porque 1. é longo demais (saudade dos filmes de duas horas) e 2. achei que não gostaria de um filme sobre carros. Bom, o filme é longo mesmo, mas eu não cortaria nada. A história é tensa e envolvente, misturando drama humano e ação em doses exatas e contando com atuações impecáveis. Nunca achei que gostaria de um filme sobre carros (nem da animação da Pixar eu gostei tanto), mas acabei amando. O bônus para a minha geração é relembrar a adrenalina das corridas de Fórmula 1 das manhãs de domingo nos anos 80 (depois ficou bem sem graça), embora o filme não trate de Fórmula 1.

Série favorita: Diário de um Confinado, de Bruno Mazzeo (cuja voz me lembra demais a do pai, o grande Chico Anysio). Ri demais e me identifiquei muito, especialmente no episódio em que ele faz exercícios (não sou sedentária como o protagonista, mas isso não me impede de xingar muito os apps que uso). Menção honrosa: Dark, que só comecei a ver depois do finale e não me decepcionei.

Novidade: o app Down Dog substituiu o 7 Minutos na minha rotina. Andava meio enjoada do 7 Minutos (mas é bom, uso há anos) e o Down Dog está de graça até janeiro, então é uma boa oportunidade para testar e pensar se vale a pena a compra. Na verdade é um conjunto de apps e baixei três deles: Yoga, HIIT e 7 Minute Workout. Por enquanto só testei o HIIT (achou que seria o 7 Minute, né?), mas pretendo em breve testar o Yoga, assim que meu estoque de vídeos da Adrienne esgotar.

Coisas Boas de Junho

O Dia de Folga está de cara nova: a Crisna fez um banner lindo pra ele. Se você está lendo este post via feed ou email, dá uma passadinha no site pra conferir!

Livro favorito: O Menino do Pijama Listrado, de John Boyne. Depois de gostar muito de Uma escada para o céu, finalmente peguei o livro mais conhecido do autor. A história segue o ponto de vista de Bruno, um garoto de nove anos, resultando em uma escrita simples e honesta. O leitor é envolvido lentamente e recebe um soco no estômago no clímax. Chorei, sim (e não vou ver o filme).

Filme favorito: It’s a beautiful day in the neighbourhood. Previsível desde a primeira cena, mas tão bem executado que cativa. Baseado no relacionamento entre o jornalista Tom Junod (que ganhou o nome de Lloyd Vogel no filme) e Fred Rogers, apresentador de programa infantil nos EUA por mais de trinta anos. Tom Hanks está grisalho e excelente.

Série favorita: a sétima temporada de Marvel’s Agents of S.H.I.E.L.D. Pelo menos até agora, está valendo a pena ter sobrevivido a duas temporadas terríveis. (Mas dói ouvir “Sousa” pronunciado como “Sussa”. Tá sussa, mermão.)

Novidade: experiências com café e leite vaporizado. Muitos tópicos lidos no fórum Clube do Café e muitos vídeos no youtube para aprender o básico. Resgatei minha modesta cafeteira de espresso, uma DeLonghi EC220 (que ficava na firma e estava parada há mais de um ano) e um moedor manual Hario Slim (que tinha dado de presente de dia dos pais – pegar presente de volta é feio, eu sei), comprei café em grãos (e uns copos bacanas) e tenho brincado com moagens, extrações, vaporização, lattes e cappuccinos. Deu até saudade do tempo em que eu tinha um blog especializado no tema, o Espresso do Meio-Dia (a maioria dos posts está aqui no DdF agora). Um dia, se tudo mais der errado, quem sabe possa ganhar a vida como barista.

Bônus: um mês inteiro usando o planner que criei em maio no Notion. Fiz a revisão mensal ontem e me tomou um bom tempo (uma hora, talvez), mas foi um exercício muito interessante. Espero manter a prática.

Coisas Boas de Maio

Livro favorito: a duologia Dreamblood, da deusa N. K. Jemisin (infelizmente sem tradução para o português). Dica da @soterradaporlivros. Fiz resenha no instagram.

Filme favorito: Coringa (sim, só vi agora). Atuação primorosa de Joaquin Phoenix,. Edição excelente, conferindo ao filme um ritmo que permite absorver a trama forte, por vezes perturbadora.

Séries favoritasFleabag Modern Love, ambas disponíveis no Prime VideoFleabag é uma comédia inglesa cheia de ironia e sarcasmo, com a participação especialíssima de Andrew Scott na segunda temporada (provando que o Moriarty fica fantástico mesmo sem coroa). Modern Love adapta histórias românticas publicadas no The New York Times e tem a Big Apple como personagem coadjuvante – além de também contar com Andrew Scott (estou começando a perceber um padrão).

Descoberta: Notion, apresentado pela @fabineves e que se tornou minha obsessão no último terço do mês. Criei um planner fantástico nele, muito melhor que qualquer um que eu tivesse comprado (e de graça, né, Fabi?). Além do benefício direto de ter um planner personalizável e online, colhi o benefício indireto de aprender algo novo, e aprender é uma das minhas coisas favoritas na vida.

Outra descoberta: o canal National Theatre, com a apresentação de uma peça por semana no youtube, na íntegra. Ver Frankenstein nas duas versões (Benedict Cumberbatch e Jonny Lee Miller alternando-se no papel de criador e criatura) foi um privilégio. Tem legendas em inglês.

Bônus: o desenvolvimento de uma ótima rotina de exercícios em casa. Sei não se volto pra academia (se voltar, não será para a que eu frequentava antes, já que não financio fake news).

R.I.P. Leonard Nimoy

Quando eu tinha 12 anos, Axl Rose e Tom Cruise estavam na moda. Minhas colegas suspiravam por eles, sabiam as letras do Guns de cor, tinham pôsteres do Tom Cruise no quarto. Eu gostava de Top Gun e reconhecia uma música do Guns (Patience). E só. Não eram meus ídolos. Aos 12 anos, eu não tinha ídolos e, francamente, não entendia as obsessões das minhas colegas (ok, tive uma quedinha pelos New Kids on the Block um ano antes, mas não durou nem três meses e, certamente, não se comparava à idolatria das minhas amigas).

Aí, conheci Star Trek.

Era uma noite qualquer durante a semana e resolvi ir pra sala ver o que estava passando na tv (naquele tempo, crianças, famílias de classe média tinham apenas uma tv em casa). Minha mãe estava assistindo um seriado qualquer e, na aventura do dia, uma tripulação de nave estelar tentava salvar adolescentes que estavam morrendo de uma doença misteriosa que provocava feridas azuis. Sempre gostei de seriados, sempre gostei de ficção científica, então foi natural começar a prestar atenção. No fim do episódio, eu já estava fisgada.

Depois de mais alguns episódios, passei a entender as obsessões das minhas amigas. Só que, em vez de sonhar com atores de cinema ou de suspirar por cantores pop, eu estava obcecada por uma série cancelada há mais de duas décadas.

Amok Time (TOS)
Eu, ao descobrir o fascinante mundo de Star Trek.

Não demorou muito para que eu tivesse um pôster de Star Trek no quarto (e depois outro, e mais outro). Star Trek se misturou indelevelmente à minha adolescência e à minha vida (não, não estou exagerando). E dentro daquele universo, destacava-se uma figura.

Spock.

Aquele alienígena sisudo de orelhas pontudas.

E por trás dele havia, obviamente, um ator.

Leonard Nimoy.

Meu primeiro ídolo.

Star Trek II
I am, and always shall be, your friend. (Eu sou, e sempre serei, seu amigo.)

Como toda fã que se preze, em pouco tempo eu sabia “tudo” sobre o personagem e o ator. E, como toda fã adolescente que se preze, eu queria ser como ele. “Ele”, aí, era uma salada entre ator e personagem, mas quem nunca? Que adolescente conseguia perceber que o Axl dos palcos era um personagem, como são todos os artistas? Então.

Fato é que meus cadernos da escola eram lotados de desenhos do emblema da Enterprise, da própria nave, da saudação vulcana e do rosto de Nimoy. Fato é que enchia o saco de muita gente com a minha obsessão (oi, Márcia) e, pra dizer a verdade, me sentia um pouco mais normal por causa disso, um pouco mais enturmada, por paradoxal que fosse (porque ninguém na minha turma sequer sabia o que era Jornada nas Estrelas). É legal gostar muito de alguma coisa. É legal admirar profundamente a arte de alguém.

Ontem, ao registrar a morte de Nimoy, alguns insistiam em dizer que ele não fez só o Spock na vida. Acreditem, a gente sabe. Todo trekker sabe. Leonard Nimoy interpretou outros ótimos papéis (como na série Fringe), publicou vários livros de poesia, enveredou pela música (desculpa) (mas ainda assim é melhor que as incursões do Shatner na área) e dirigiu alguns filmes, inclusive dois filmes de Star Trek e o clássico dos anos 80 Três Solterões e um Bebê. Destacou-se brilhantemente na fotografia, com trabalhos cheios de sensibilidade e beleza, como o The Full Body Project.

Mas é inegável que Spock era parte significativa de Nimoy, e por razões que transcendem a fama. Nas suas próprias palavras:

Eu não sou Spock.
Mas, dada a escolha, se eu tivesse que ser outra pessoa, eu seria Spock. Se alguém dissesse “Você pode ser qualquer outro personagem de tv que já existiu”, eu escolheria Spock. Eu gosto dele. Eu o admiro. Eu o respeito.
Se alguém tivesse uma varinha mágica para fazê-lo desaparecer para sempre, eu não permitiria. Eu escolheria mantê-lo vivo. Não tenho realmente essa escolha. Ele estará por aqui de qualquer forma. Mas se eu tivesse a escolha, eu o manteria vivo. Ele representa algo que me faz sentir bem. Dignidade, honestidade e muito mais. E qualquer parte disso que recaia em mim me faz sentir bem.

Star Trek - Reboot
Eu não poderia privá-lo da revelação de tudo que vocês realizarão juntos, de uma amizade que os definirá de maneiras que você ainda não pode compreender.

Obrigada, Nimoy, por ter dado vida a Spock, por ter feito dele um personagem tão rico, cheio de nuances e profundamente humano. Obrigada por ter encarnado um personagem admirável, e por ser igualmente admirável na vida real. Obrigada por ter inspirado tanta gente, de tantas formas, no decorrer de uma vida que, sem dúvida, foi longa e próspera. Obrigada por ter sido meu primeiro ídolo.

Leonard Nimoy