O método da Marie Kondo é bacana?

De vez em quando, alguém que sabe do meu interesse por minimalismo me pergunta se li A Mágica da Arrumação, de Marie Kondo. Bom, eu li logo depois do lançamento, anos atrás, e até cheguei a escrever um post pro blog, mas o rascunho se perdeu e acabei deixando pra lá.

A Mágica da Arrumação foi um baita sucesso e introduziu o método konmarie, um trocadilho com o nome da autora. Na prática, o método konmarie consiste em destralhar a casa inteira no menor tempo possível, descartando tudo que não é usado ou não traz alegria (a pergunta a fazer diante de cada objeto tornou-se famosa em inglês: does it spark joy?).

Outro ponto central do método é organizar as coisas por categoria e não por cômodos. Quer dizer, você não deveria deixar uma tesoura na cozinha e outra no escritório, parte da maquiagem no quarto e parte no banheiro etc., mas reunir em um só espaço os objetos que pertencem à mesma categoria, para evitar excessos e duplicatas desnecessárias.

O livro dá outras dicas menores, como arrumar a bolsa com frequência e dobrar as camisas de forma que todas possam ser vistas ao mesmo tempo quando se abre a gaveta.

E o que eu acho disso tudo?

Todo método é bom se ajuda você a se organizar, a destralhar, a viver uma vida mais simples e tranquila. Então, se você quiser testar o método konmarie, compre o livro e ponha em prática (o livro é fininho e você consegue ler em uma tarde).

Dito isso, eu não costumo recomendar as ideias da Marie Kondo, não, por vários motivos.

O que mais me desagrada é a rapidez com que a autora espera que alguém destralhe toda a casa. Isso pode gerar um efeito rebote, uma sensação de vazio que pode levar a um ataque de compras compulsivo. Isso é sério. Muita gente não suporta ver espaços vazios em casa, por isso junta tantos enfeitinhos, caixinhas, livros, cabides etc. Imagina uma pessoa assim aderindo ao método konmarie e destralhando a casa toda de uma vez: a probabilidade de que essa pessoa se sinta agoniada e torne a preencher os espaços vazios logo que possível é muito grande. Pode ser, também, que ela não torne a preencher os vazios (pelo menos não tão rápido), mas guarde uma sensação de perda e de arrependimento por anos, afetando futuras decisões de consumo, de organização e de destralhamento.

Não me agrada essa abordagem radical, de verdade. Acho que ela funciona bem em programas de tv (que nunca mostram como está a casa da pessoa cinco ou dez anos depois), mas o minimalismo não é, ou não deveria ser, uma “dieta da moda”, e sim uma mudança de estilo de vida. E toda mudança de estilo de vida leva tempo para se consolidar.

Outra coisa que me cai mal é o lema “isso me traz alegria?” para decidir o que deve ser descartado e o que deve ficar. Esse método pode levar a pessoa a um beco sem saída, em que tudo, ou quase tudo, “traz alegria” e, por isso, nada é destralhado. É curioso como a Marie Kondo inicia seu método com uma abordagem super prática (“jogue tudo fora”, ou quase isso) para depois sucumbir a uma reação emocional sobre as coisas.

Coisas devem nos servir, não o contrário. É altamente improdutivo desenvolver conexões emocionais com objetos e é justamente esse tipo de comportamento que leva à acumulação (patológica em alguns casos). Não tenho que pensar se um objeto me traz alegria, e sim se ele me é útil, se combina com meu estilo de vida e se me proporciona ganhos superiores a eventuais frustrações (como a obrigação de manter o objeto limpo/funcionando e de gastar um espaço da minha casa com ele).

“Mas e os objetos com valor sentimental?” Ora, é super normal ter um punhado de objetos com valor sentimental e poucas pessoas conseguem se livrar totalmente deles. Aí, o segredo é separar um pequeno espaço (uma gaveta, uma caixa, algo assim) para guardá-los, fazendo uma curadoria para realmente só manter o que traz boas e fortes lembranças. O resto pode ser fotografado antes de ser descartado, ou pode simplesmente ir pro lixo quando a gente percebe que o que importa são as memórias, não as coisas.

Se você entende inglês, recomendo a leitura do post Does it spark joy? para mais reflexões sobre esse ponto.

Por fim, a dica de manter todas as coisas da mesma categoria no mesmo lugar é perfeita quando se está no meio do processo de destralhamento e organização, mas pode ser bem improdutiva no dia-a-dia. Durante a fase de destralhe, serve para evitar duplicatas e redundâncias inúteis. No dia-a-dia, porém, pode ser interessante manter uma caneta e um bloco na mesa de cabeceira e outro kit desses no escritório (caso você use ambos em diferentes momentos do dia), pode ser prático deixar o batom de uso mais frequente no banheiro e não no quarto (lembrando que maquiagem em geral deve ser guardada em local seco, o banheiro é úmido demais e ela acaba estragando mais rápido). O minimalismo serve, antes de mais nada, para simplificar a vida e eventuais “regras” devem ser adequadas à realidade de cada pessoa.

Acho bacana que A Mágica da Arrumação tenha se tornado um best seller em 2014 e colocado em evidência temas como organização e minimalismo numa época em que apenas um punhado de blogs falava do assunto (hoje o tema anda na moda). O livro é fininho, de leitura fácil e pode ser um bom começo para quem está pensando em livrar-se dos excessos consumistas. Mas é importante saber que o método konmarie não é o único, não é o ideal pra todo mundo e não é completo.

México – Ciudad de México, Puebla e Playa del Carmen

Sem dúvida, essa foi a melhor viagem do ano e uma das melhores ever. Em parte porque há coisas incríveis pra ver no México, em parte porque, aparentemente, estou aprendendo a planejar melhor minhas viagens, embora ainda cometa alguns erros.

Dicas Gerais

O México é um país enorme e tão variado quanto o Brasil. A menos que você passe no mínimo um mês lá, conforme-se com o fato de que não conseguirá ver todas as coisas interessantes que nossos hermanos da América do Norte têm a mostrar.

As distâncias costumam ser grandes. Quando são pequenas, vale a pena usar os ônibus da ADO, que são muito confortáveis e baratos.

Aliás, de modo geral, o México é um país barato. A exceção fica por conta de Cancun e adjacências, onde tudo é cotado em dólares.

Que moeda levar para o México? Dólares. Onde fazer câmbio? No aeroporto da Cidade do México, por incrença que parível. Aeroportos costumam ter péssimas cotações – o da Cidade do México é a exceção à regra.

Circula pela internet a dica de fazer câmbio no banco IXE do aeroporto. Pois bem, rodei tudo, não achei, ninguém conhecia e, por fim, um garçom me disse que tinha sido comprado pelo Banorte e que não havia mais loja no aeroporto, apenas um caixa eletrônico. Troquei meus dólares no Ci Bank, a 18,25 pesos mexicanos por dólar. Na Cidade do México (vamos abreviá-la para CDMX, ok?, eles usam assim por lá) e em Puebla, a cotação girava em torno de 18. Em Playa del Carmen, caía para 17,50.

Em novembro de 2016, 1 real valia mais ou menos 5 pesos.

Trump foi eleito presidente três dias antes de eu sair do México e o peso mexicano desvalorizou bastante nesse período. Vi o dólar por 18,20 pesos no meu último dia em Playa del Carmen, e por 18,40 no aeroporto de CDMX. Parece um bom momento para programar sua viagem pra lá.

Quando ir? Fui em baixa temporada e na época em que há mais risco de furacões (outubro/novembro), mas trata-se de um risco pequeno, na verdade. Escolhi essa época para pagar menos, pegar menos calor e pouca chuva em Playa del Carmen. Durante o verão, o calor é de matar e há mais chuvas. Na CDMX e em Puebla, o clima é mais constante durante todo o ano, fresco (em razão da altitude) e com poucas chuvas – quase nenhuma na CDMX. A alta temporada em Cancun e Playa del Carmen começa em dezembro e vai até março (inverno no hemisfério norte e invasão de norte-americanos e europeus). Eu recomendo a época em que fui, mas você deve dar uma pesquisada no climatempo e sites análogos antes de decidir.

Fato é que escolhi a época da minha viagem em função do Día de Muertos (que coincide com nosso dia de finados, 2 de novembro), que é celebrado de maneira ímpar no México.

Quanto tempo ficar no México? Depende do viajante e do itinerário. Eu elegi três cidades: CDMX, Puebla e Playa del Carmen. Cheguei na CDMX no dia 28 de outubro, fui para Puebla em 1º de novembro e segui para Playa del Carmen em 7 de novembro, onde fiquei até o dia 11. Recomendo um roteiro ligeiramente diferente: 3 dias inteiros em CDMX, 5 dias em Puebla e 5 dias em Playa del Carmen.

Emiti a passagem São Paulo – CDMX – São Paulo. A volta foi complicada, porque tive de ir de Playa a Cancun (uma hora e dez minutos de ônibus), de Cancun a CDMX (duas horas e meia de vôo) e da CDMX a SP (nove horas de vôo). Somando as esperas no aeroporto e o fuso horário de quatro horas, isso significou sair do hotel de Playa às nove da manhã de sexta e chegar em casa às sete e meia da manhã de sábado. É, foi puxado. Valem lembrar que, se você só quer aproveitar o caribe mexicano, há vôos diretos do Brasil a Cancun (mas o México é muito mais que suas praias).

A propósito, o avião da TAM era uma lata de sardinha e mal era possível encaixar a mala de bordo no bagageiro. De Puebla a Cancun, voei Aero México, vôo dividido em dois trechos, ambos num jatinho minúsculo da Embraer (50 pessoas!, sem espaço pra mala de bordo!, o nariz do avião é mais baixo que eu!), mas o espaço entre poltronas era ótimo. De Cancun a CDMX, também pela Aero México, peguei um dos melhores aviões da vida, com ótimo espaço entre poltronas e para bagagem de bordo. Ou seja, Aero México vareia.

Internet: no México, não é muito comum encontrar wifi, mesmo em restaurantes. Comprei um chip da Telcel (a empresa mais fácil de encontrar). Gastei 79 pesos no chip, 100 pesos no plano de internet e 1 hora na loja (nem tinha fila, mas a funcionária não sabia fazer nada, o sistema estava lento etc. – senti-me em casa). O pacote escolhido foi o de 23 dias (por que diabos não 22 ou 24?), com 600 MB de dados para o período (whatsapp e facebook à vontade). Mais que suficiente. A conexão é mais ou menos (melhor que nada). Funciona em todo o país. A Claro pertence ao mesmo grupo – se você tiver o chip da Claro, acho que vale a pena levar pra ver se consegue habilitar a Telcel sem pagar novo chip.

Falando em telefone, lá vai uma curiosidade: os mexicanos atendem o telefone falando “Bueno. Soa bastante rude, como quem diz “Bom, e aí, tá ligando por quê?”, mas há uma explicação: quando as linhas telefônicas começaram a ser instaladas, o sinal costumava ser muito ruim, prejudicando a qualidade da ligação. Quando o sinal estava bom, o interlocutor comunicava o fato dizendo “bueno”, indicando que a linha funcionava e a conversa podia ter seguimento. Vem daí o “bueno”, portanto não o considere uma ofensa.

Da mesma forma, é bom saber que em espanhol usa-se muito o verbo no imperativo e isso não é considerado ríspido (diferentemente do que acontece em português). Quando você chegar ao hotel, é provável que o recepcionista fale “Passa, passa”. Uma colega do curso de espanhol comentou que na primeira vez em que ouviu isso pensou “ora, eu não sou cachorro pra esse fulano me mandar passar”, mas a expressão quer dizer apenas “Entre” e é cortês, acredite.

Quanto gastei? O trecho São Paulo – CDMX – São Paulo custou 40.000 pontos multiplos, mais 364 reais de taxas de embarque. Os demais gastos serão apontados nos textos sobre cada cidade.

O que fazer no México? Senta que lá vem a história…

A viagem toda, em três capítulos:

  • Cidade do México: lições de história pré-hispânica.
  • Puebla: gastronomia em destaque. (em breve)
  • Playa del Carmen: belezas naturais. (em breve)

É que quando eu cheguei por aqui, eu nada entendi…

Desde que mudei pra São Paulo, Sampa toca em loop infinito na minha cabeça. Esse deve ser um dos maiores clichês do recém-chegado à cidade, mas clichês se perpetuam por traduzirem verdades.

É que quando eu cheguei por aqui, eu nada entendi
da dura poesia concreta de tuas esquinas
(…) Ainda não havia para mim, Rita Lee
a tua mais completa tradução.
(…)
E foste um difícil começo, afasto o que não conheço
e quem vem de outro sonho feliz de cidade
aprende depressa a chamar-te realidade,
porque és o avesso do avesso do avesso do avesso.

Dentre as perguntas que habitualmente tenho ouvido, a que tem a resposta mais difícil e variável é “E aí, está gostando de São Paulo?”. Dependendo do dia, do tempo, do trabalho e do meu humor, responderei de um jeito diferente.

São Paulo não é uma cidade fácil. Se você não se cuidar, ela te engolirá viva.

São Paulo é cara, muito cara (nunca mais ousarei dizer que Brasília é cara).

São Paulo tem muitas sombras no caminho, quase sempre tem calçadas, tem gente andando pelas ruas noite e dia.

São Paulo tem um número doloroso de gente morando nessas mesmas ruas.

São Paulo é multicultural, cheia de opções e com um transporte público bastante decente (comparado com Brasília).

São Paulo não entedia.

São Paulo contém o mundo.

Eu, que sempre tive fascinação por São Paulo e passei vários feriados na cidade como turista, ainda estou tentando me encontrar como residente. Chega a ser uma surpresa pra quem me conhece – “ué, mas você não adorava viajar pra São Paulo?”.

É que existe uma diferença enorme entre passar férias e morar. É por isso que aquelas pessoas que se resolvem largar tudo e mudar pr’aquela praia em que passaram dez maravilhosos dias de férias frequentemente se arrependem.

No meu caso, não se trata de arrependimento. Até porque a mudança não foi causada por um deslumbramento momentâneo, mas por um trabalho permanente e do qual gosto. Mas é a tal história, a diferença entre passar férias e morar – ainda estou me adaptando.

Lembro de novo de Sampa. A canção, no fim das contas, é uma declaração de amor pela cidade. Um amor que não surgiu de uma hora pra outra, um amor que foi construído com o tempo e com a convivência. Esse é o melhor tipo de amor.

Alguma coisa acontece no meu coração…

Feliz Vida Nova

Como é que se faz isso, mesmo? Como é que se bloga?

Bem. Vamos direto ao ponto. Em uma frase: minha vida meio que virou do avesso em 2015, e isso não é ruim.

Do começo, agora: eu estava bastante infeliz no trabalho há alguns anos. No início, adorava meu trabalho. Foi meu segundo emprego, ainda no início da faculdade, e fui ficando e crescendo, aprendendo, recebendo responsabilidades e correspondendo a elas. Chegou um momento em que fazia o serviço até de olhos fechados, o que, convenhamos, não é nada estimulante. E chegou outro momento em que forças-não-tão-ocultas começaram a conspirar (sem exageros) contra o setor em que eu trabalhava. O ambiente foi ficando cada vez pior.

Some-se a isso o fato de que tinha pouca gente legal por lá – era uma coisa de puxar o tapete e de inveja (eu sei que parece papo de quarta série, concordo que é infantil, mas é verdade, o que posso fazer?) que, olha, não desejo pra ninguém.

O resultado é que toda segunda-feira eu acordava passando mal. Fisicamente doente.

No início de 2014, depois de uma gota d’água que fez o copo transbordar, ou melhor, quebrar de vez, resolvi colocar em ação o Plano B, em construção desde 2012.

O resultado é que, em setembro de 2015, comecei em um novo emprego, um cargo que eu queria muito e que achei que demoraria ainda uns dois anos pra conseguir. Um cargo que me desafia todos os dias – às vezes até demais – e do qual gosto muito e tenho orgulho, mesmo achando que ele não tem o devido reconhecimento.

Pra completar, esse novo cargo é numa cidade que sempre me fascinou: São Paulo.

Então, é isso. Depois de quase dezenove anos em Brasília e de quinze anos no mesmo emprego, minha vida virou do avesso. E isso não é ruim, mas ainda estou em fase de adaptação.

Feliz Ano Novo pra você também!