As séries do (meu) momento.

Sou uma viciada irrecuperável em seriados. Há uns dois anos, eu tentava acompanhar cerca de 40 séries. QUARENTA. Claro que não conseguia, claro que quase pirava tentando, claro que ver seriados estava deixando de ser prazeroso e tornando-se fonte de ansiedade e stress. E claro que eu parei com essa maluquice.

Hoje em dia, tento manter o número de séries em torno de dez. No momento, esse número está um pouquinho maior: 13. Ou 12, já que parece que Thundercats não vai mesmo voltar, pra minha tristeza.

Em poucas linhas:

Ruby - Once Upon a Time

Once Upon a Time:  culpa da Nospheratt que, depois de quase um ano tentando, acabou me convencendo a acompanhar. O fato de House ter acabado no semestre passado e de Law and Order: Special Victims Unit ter ficado uma droga ajudou bastante também, já que ganhei espaço na agenda. Em todo caso, UOAT precisou de apenas um episódio para ganhar lugar cativo. E a Ruby está quase destronando a 13 no meu coração – eeeeer, pensando bem, não.  Mas fica num lugar bem pertinho.

American Horror Story: estou presumindo que a segunda temporada não terá o mesmo elenco da primeira, então ainda não sei se continuarei acompanhando. Fica na lista porque tenho esperanças de que continue interessante.

Grey’s Anatomy: hum, relação de amor e ódio. Sempre foi assim. Algumas temporadas foram fracas e me fizeram interromper a série por meses e, num dado momento, anos. E eu detesto a Meredith, muito mesmo. Atualmente, o grande problema é a tortura a que a autora submete os personagens. Na verdade, a Shonda Rhimes sempre foi sádica, mas tem piorado muito ao longo dos anos. Dá vontade de parar de ver pra parar de chorar (sim, eu choro com seriados – muito).

The Big Bang Theory: outra série que provavelmente acompanharei até o fim dos tempos, haja o que houver.

Dexter: embora ela tenha se suavizado a cada temporada e de vez em quando me canse por quase virar novelinha (as duas últimas temporadas não conseguiram, realmente, me conquistar), ainda acho que vale a pena.

Chandler - Friends

Go On: série nova do Matthew Perry (eterno Chandler, amo, s2 s2!) e minha atual queridinha. Como é uma série fácil (sitcom, superficialidades etc. etc.), tenho esperanças de que caia no gosto dos americanos e não seja brutalmente cancelada como foi Studio 60.

Community: já essa, se for cancelada, não me surpreende. É cheia de referências, é politicamente incorreta, inteligente… e já sofreu algumas ameaças de cancelamento. Aparentemente, a quarta temporada começa em 2 de novembro. #sixseasonsandamovie!

The Newsroom: tanta gente falou bem que resolvi começar a ver – mas ainda não comecei. Em todo caso, como verei uma temporada completa antes de desistir (sou dessas), já está na lista.

Sessão de Terapia: versão brasileira da franquia In Treatment. Estou gostando bastante da produção brasileira e vi alguns episódios antigos da versão norte-americana, a título de comparação. São quase idênticas, ambas são boas, e gosto de caçar as diferenças entre elas.

Dean e Castiel - Supernatural

Supernatural: minha favorita, no momento, embora a nova temporada ainda não tenha engrenado. Isso não é muito raro em SN: a temporada começa morna, depois fica fodasticamente boa e viciante. De qualquer forma, Supernatural é uma série que pode piorar violentamente e mesmo assim verei até o fim (House, estou olhando pra você). Adoro a relação entre os irmãos Winchester, suspiro pelo Cas e morro pelo Dean.

Menções honrosas: The Simpsons e Family Guy. Vejo há eras, adoro, mas em algum ponto sempre páro de acompanhar – o que é ótimo para aqueles momentos de tédio em frente à tv, quando estou zapeando e de repente caio num episódio que, pra mim, ainda é inédito.

Há outras tantas séries que, se aparecem na minha frente, vejo, gosto, mas não me torno espectadora fiel: 2 Broke Girls, The Middle, Mike & Molly e diversos reality shows entram nessa categoria.

E tem Avenida Brasil, que não é seriado, foi a primeira novela que acompanhei (o último terço, pelo menos) em 15 anos, tem me tomado um tempo enorme e graças aos deuses que já está no fim! Mal posso esperar para ter minhas noites livres novamente.

Pra finalizar, ficam as dicas:

  • para acompanhar as séries pelo calendário americano: MyEpisodes.com.
  • para ver comentários sobre episódios já exibidos no Brasil, de várias dessas séries e de outras tantas: Só Seriados de TV.
  • para ler mais sobre qualquer seriado: IMDB.

E você, o que tem visto de bom?

6 thoughts on “As séries do (meu) momento.

  1. Lu,
    tô acompanhando The Newsroom e gostando bastante. Once Upon a Time também vi depois de uma amiga sugerir e Grey’s vejo de teimosia pois também choro sempre.

    Não perco Hawaii Five-0 (mas tenho q admitir que é por que amo o Alex O’Loughlin e vejo tudo o que ele faz).

    Também vejo The Good Wife, Revenge, Suits, Blue Bloods e via Being Erica. Esse ano estou meio enrolada, mas continuo baixando todas e quando dá vejo vários episódios de uma série no mesmo dia (amo!) rss

    E.R. vai morar no meu coração pra sempre!

    Vício? Que nada, né? 🙂

    Beijão!

  2. Eu gostei muito da primeira temporada de Touch! E não consigo resistir a Private Practice… Ahhhh e os reality shows de cantoria, American Idol, The X Factor, The Voice, etc, etc, etc… Precisaria de um dia de 30 horas pelo menos, pra fazer tudo o que eu tenho que fazer e ainda ver tanta televisão! rsrsrssrssss

  3. @Lu, que é isso, vício nenhum. 😛

    E.R. também tem um cantinho eterno no meu coração. Das outras que você citou, só vi The Good Wife – as duas primeiras temporadas quase completas – mas acabei desistindo quando resolvi limitar o número de séries.

    @Flávia, vi alguma coisa de Touch (numa maratona) e gostei também, mas não sei se vou retomar… talvez esporadicamente. Nunca consegui me empolgar com Private Practive, mas adoro a Addsion e as participações dela em Grey’s Anatomy.

  4. Lu, as minhas séries do momentos são The Good Wife (no início eu odiava, mas atualmente eu adoro), The Big Bang Theory (AMO) e Smash (gosto mas tem episódios mais ou menos). Ainda gosto de SVU, vejo Seinfeld todo dia e também estou meio de saco cheio de ver tantos desastres pavorosos acontecerem episódio após espisódio em Grey´s Anatomy. Não consegui gostar de Once Upon a Time de jeito nenhum e tenho muita dificuldade pra achar graça de todos as séries de vampiros, lobisomens, heróis, pessoas que caçam fantasmas, etc. Sinto falta de um seriado estilo Friends hoje em dia; The Big Bang Theory é o que chega mais perto disso atualmente, mas como é bem inverossímil acaba não sendo o mesmo tipo de série.

    Também adoro seriados… acompanho uns 10 também, mas se eventualmente perco um episódio eu não morro por causa disso (embora fique bem chateada dependendo de que série for).

  5. @Marina, geralmente não gosto de séries de monstros, mas Supernatural é a exceção. Primeiro, porque existe toda uma mitologia dentro da série conectando as coisas; segundo, porque AMO séries que envolvam relacionamentos de qualquer tipo, e os roteiristas exploram bem esse aspecto, tanto entre Dean e Sam, como entre eles e outros personagens. Tenho um desprezo infinito pelas séries de vampiros adolescentes, embora adore histórias mais antigas (as mais recentes de que gosto são as da Anne Rice – e só os primeiros livros).

    Friends é meu eterno amor. Já revi cada episódio trocentas vezes, e continuo revendo.

  6. Eu também amo Séries, a minha favorita de todos os tempos é House, pena que acabou… Mas amo Bones, One Three Hill, Dexter, White Collar, Numbers, também goto de E.R. e Greys Anatomy.

Comments are closed.